Publicidade Topo

notícias

Marinho assume presidência da Subseção da OAB de Irati

Nova diretoria foi empossada em cerimônia na Câmara Municipal na sexta-feira (1), que teve a participação da presidente da OAB/PR, Marilena Winter/Texto: Karin Franco, com reportagem de Jussara Harmuch

Mário Cézar Pianaro Angelo (Marinho) é o novo presidente da Ordem dos Advogados do Brasil - Subseção de Irati. Foto: Jussara Harmuch

A nova diretoria da Ordem dos Advogados do Brasil- Subseção de Irati tomou posse na sexta-feira (01) em uma solenidade na Câmara de Irati. Mário Cézar Pianaro Angelo (Marinho) é o novo presidente da subseção e ficará à frente do órgão até 2024.

Os outros integrantes da nova diretoria são: Arthuro Alexandro Antoniassi (vice-presidente), Tania Marina Vicente Leite (secretária-geral), Cátia Aparecida Gross (secretária-geral adjunta), Odair Sérgio Marochi Filho (tesoureiro) e Leandra Aparecida Pavlak (delegada da Caixa de Assistência dos Advogados- CAA/PR). 

Em entrevista à Najuá, o novo presidente destacou que a OAB-Irati buscará valorizar o advogado na região. “Nós vivemos tempos em que a tecnologia aproxima quem está longe e distancia quem está perto. O que nós buscaremos com essa campanha é mostrar para a sociedade local que nós temos aqui vários profissionais especializados em todas as áreas do Direito e que tem totais condições de prestar um ótimo serviço jurídico para o cidadão, para o empresário, para quem precisar de uma orientação de um advogado aqui mesmo na cidade. Com todas as vantagens de você ter esse vínculo pessoal, da pessoa já ser integrada aqui na nossa comunidade, já conhece os nossos costumes”, disse.


Durante a pandemia, a justiça realizou diversas audiências online. Para Marinho, a opção foi importante para o período, mas a realização de audiências presenciais também é uma pauta que deve ser trabalhada pela OAB. “Foi uma contingência, graças à tecnologia, essas possibilidades de encontros virtuais, a justiça conseguiu continuar trabalhando, os advogados conseguiram continuar trabalhando, mas é algo que de certa forma veio para ficar, mas a OAB defende que dentro do possível, agora com o quadro sanitário controlado, que sempre seja colocada à disposição a possibilidade da audiência presencial, junto com o magistrado conduzindo o ato porque é uma forma mais segura, que aproxima mais as pessoas, facilita, às vezes, uma composição, um acordo que a distância isso tudo fica comprometido”, afirma o novo presidente.

Recentemente, o município de Irati passou a ofertar um curso superior de Direito na Faculdade São Vicente. Para Marinho, essa é uma oportunidade para quem quer se especializar. “É algo que está diretamente ligado ao próprio crescimento e desenvolvimento da nossa cidade. Por anos e anos, nós vimos inúmeras vans, ônibus, estudantes indo morar em outros centros para poder fazer um curso de Direito. O fato de existir hoje, aqui na nossa cidade, esse curso sendo ofertado, entendemos que é algo natural e que vem para beneficiar a cidade”, disse.

O novo presidente ainda destacou que a OAB possui a função de verificar a qualidade dos cursos. “A OAB combate, de certa forma, não a existência de cursos de Direito, mas cursos de pouca qualidade. Esse tem sido de fato um grande drama para advocacia e para a sociedade. Inúmeras pessoas que são formadas, recebem um diploma de Direito e a grande maioria, em torno de 80%, sequer consegue ser aprovado no exame da Ordem para poder ter uma credencial para poder trabalhar com advogado”, salienta o advogado.

Outro projeto ligado à educação também procura levar a profissão para mais perto da comunidade. É o caso do projeto Ordem na Escola. “O nosso intento com esse programa é levar advogados até as escolas. Lógico, isso tudo conversado com a direção das escolas, tudo previamente combinado, mas para que possamos mostrar um pouco para os alunos como é a profissão do advogado, para que eles tenham essa noção, eventualmente despertar ali alguma vocação nessa área e também trazendo noções de cidadania, prevenção e enfrentamento de violência doméstica, que temos tido muitos problemas na nossa cidade em razão de agressões e questões familiares. Enfim, queremos e através desse projeto, vamos nos aproximar da comunidade”, conta.

A posse da nova diretoria da subseção de Irati contou com a presença da presidente da OAB do Paraná. Marilena Winter é a primeira mulher eleita para o cargo de presidente da OAB estadual. “Isso é uma conquista, uma quebra de paradigma, com certeza, porque a nossa instituição já tem 90 anos de constituição e, pela primeira vez, uma mulher, inclusive, foi candidata a esse cargo. Na primeira vez que nós fomos candidatas já também tivemos sucesso. Eu fui eleita com 60% dos votos tendo três chapas concorrentes. Foi uma vitória realmente é muito significativa”, analisa Marilena.

Ela destacou que tem o desafio de representar todos os advogados do estado, mas sem esquecer do valor de sua representatividade. “Eu não sou representante das mulheres advogadas e sim representante de toda advocacia do Paraná. Mas nós estamos inseridos num universo que até aqui se mostrou predominantemente um universo masculino. Agora, a Ordem dos Advogados do Brasil está antenada com o que está acontecendo no mundo na realidade. As mulheres cada vez mais estão ocupando espaços, nós somos já hoje a metade da população, uma população ativa, uma população produtiva. As mulheres contribuem para o desenvolvimento humano, contribuem para o desenvolvimento econômico e social de toda a sociedade. Não há mais motivo para se questionar a sua capacidade, a sua competência”, relata Marilena.

Marilena Winter é a primeira mulher a comandar a OAB/PR. Ela esteve presente na posse da nova diretoria da Subseção de Irati. Foto: Jussara Harmuch

Para a presidente da OAB/PR, sua atuação pode inspirar outras mulheres e também auxiliar uma melhor representatividade na justiça. “Eu espero sim, que essa quebra paradigmática aqui na OAB do Paraná, ela seja inspiradora para outras mulheres, para que outras mulheres venham a suceder, mas não só isso, para que a Ordem dos Advogados do Brasil, como instituição, como um todo, ela também inspire outros setores da sociedade e outros setores, inclusive, do próprio sistema de Justiça, para dar mais espaço para as mulheres, mas também para julgar com mais justiça as questões relacionadas às mulheres, o julgamento com perspectiva de gênero, compreendendo a singularidade da situação feminina e em, muitos casos, ele é uma urgência”, disse.

Marilena ainda destacou trabalhos de valorização dos advogados e também do Observatório Judiciário. “O Observatório Judiciário já está implementado, já está atuando. Importante esclarecer que a nossa ideia aqui não é simplesmente fazer uma leitura crítica do que vem acontecendo no Judiciário, ao contrário, é nós auxiliarmos, cooperarmos, identificando de que forma é possível trazer mais eficiência, trazendo o ponto de vista do advogado, de que forma o advogado, que representa a sociedade nesses casos, está percebendo as necessidades em cada localidade, em cada local”, conta.

Um dos exemplos mencionados é o do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). “O CNJ tem uma norma que fala de lotação paradigma, que tem lá um número X de servidores para o primeiro grau adequado para cada comarca. É um número abstrato, é um número frio. É o advogado que está ali no balcão ou num processo virtual que sente, efetivamente, se aquela lotação está atendendo ou não as necessidades. O que muitas vezes, situações singulares, particulares de uma ou outra comarca, não estão contempladas nesse relatório, exemplo disso, uma licença eventual de um servidor por vários anos, como isso vai acontecer e que não é contemplado nesse número ideal postulado”, explica.

Posse da nova diretoria da subseção da OAB de Irati foi realizada na Câmara de Irati. Foto: Jussara Harmuch
 
Demais integrantes da diretoria da subseção de Irati observando discurso de Marinho no púlpito. Foto: Jussara Harmuch