Publicidade Topo

notícias

Mulher e amante são presos suspeitos de envolvimento em homicídio no interior de Irati

Caso tratado como latrocínio (roubo seguido de morte) teve outro desfecho com a prisão de duas pessoas, que teriam planejado o crime

Em entrevista à Najuá, Delegado Paulo César Eugênio Ribeiro contou detalhes das investigações. Foto: Rádio Najuá/Arquivo

Uma mulher e seu amante foram presos suspeitos de ter participação no homicídio de Silmonei Sluzala, de 41 anos, que morreu após ser atingido com tiros no sábado passado, dia 7, na Serra do Pirapó, no interior de Irati.

Inicialmente, o crime era tratado como latrocínio (roubo seguido de morte). Porém, as investigações tiveram outro desfecho, conforme revelou o Delegado Paulo César Eugênio Ribeiro durante contato com nossa reportagem.

“A ocorrência nos foi apresentada inicialmente com um latrocínio em que a vítima e sua esposa estavam retornando para a sua residência quando foram abordados por uma terceira pessoa e essa terceira pessoa veio a subtrair alguns objetos da esposa da vítima e efetuou diversos disparos de arma de fogo contra a vítima, principalmente na região da cabeça. A partir deste momento, as investigações iniciaram e o setor de investigações conseguiu identificar que autor e a esposa da vítima tinham um relacionamento afetivo há algum tempo e nessa linha nós traçamos uma investigação. Após algumas diligências, o autor do disparo de arma de fogo acabou se apresentando na Delegacia espontaneamente ocasião que foi solicitada ao poder judiciário a prisão preventiva dele que foi concedida. Nessa ocasião, ele foi imediatamente preso”, afirma Ribeiro.


Segundo o Delegado, a segunda fase da investigação teve o objetivo de comprovar o vínculo entre a esposa da vítima e o autor dos disparos de arma de fogo. “A gente conseguiu a partir de investigações de campo comprovar que existia realmente esse vínculo e que esse homicídio ele teria sido arquitetado, planejado pelos dois já há algum tempo. Nisso, foi solicitado na data de ontem a prisão da esposa da vítima como coautora e foi cumprida imediatamente no período noturno”.

As duas pessoas que foram presas estão na Delegacia de Irati. A partir de agora, o inquérito policial será concluído em dez dias para que sejam realizados os indiciamentos. “Considerando a gravidade dos delitos importante frisar que a pena que eles podem pegar deve chegar no máximo a 30 anos de prisão”, salienta o Delegado.

No dia seguinte ao crime, a informação repassada para a PM foi que Silmonei, a esposa e o filho, de 9 anos, jantaram na residência dos pais de sua mulher na localidade de Guamirim. Depois disso, eles retornavam para a casa de carro, quando constataram que haviam alguns galhos pesados na estrada. Por isso, o motorista parou o carro e teria sido rendido um homem encapuzado. No boletim da PM constava que o homem roubou uma pequena quantia em dinheiro e um celular. Também foi divulgado que o suposto autor do roubo havia mandado a mulher e a criança deixarem o local. A mulher foi até a casa dos seus pais para pedir ajuda. Em seguida, os familiares se deslocaram até o local do roubo e socorreram o homem. Ele estava ferido e havia desmaiado.

Silmonei chegou a ser levado para a Santa Casa de Irati, mas faleceu em função das perfurações ocasionadas por disparos de arma de fogo. O veículo conduzido pela vítima foi encaminhado para a Delegacia de Irati. “Com as investigações, elucidou-se que toda a ação e participação da esposa da vítima foi teatral, visto que a intenção dela e seu amante seria matar a vítima, que foi atingida por diversos disparos de arma de fogo, principalmente na cabeça. Toda a emboscada que culminou para a morte da vítima foi arquitetada pela esposa da vítima e seu amante que, tentando encobrir a empreitada criminosa, planejaram a morte da vítima como latrocínio”, informou a Polícia Civil de Irati.

Ribeiro confirmou a nossa reportagem que o autor dos disparos colocou um tronco na estrada para impedir a passagem do veículo da vítima. “O autor do disparo teria colocado um pedaço de tronco na estrada justamente para poder forçar a parada do veículo da vítima. Isso há indícios que o autor sabia exatamente o horário que a vítima passaria pelo local, supostamente segundo informações repassadas pela esposa da vítima. Teve sim, essa situação do tronco, inclusive a gente encontrou esse tronco que foi utilizado para poder impedir a passagem do veículo que a vítima estava”, confirma o Delegado.

Ele também disse que não existia Boletim de Ocorrência por ameaça ou alguma outra situação envolvendo o casal. O crime teria sido motivado pela paixão entre o autor e a mulher de Silmonei, que eram amantes. Segundo Ribeiro, o autor do crime foi preso inicialmente por porte ilegal de arma de fogo e depois pelo homicídio. A arma usada para atingir a vítima foi encontrada com o homem que foi preso.