Publicidade Topo

notícias

Moradores de Guamiranga denunciam venda ilegal de lotes em Assentamento

Áreas que fazem parte do programa de Reforma Agrária foram adquiridas por terceiros de forma irregular, conforme denúncia apresentada ao Incra

Foto: Imagem ilustrativa

Após a Polícia Militar divulgar que três propriedades rurais no interior de Guamiranga foram invadidas por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a Rádio Najuá foi procurada por algumas pessoas que denunciaram a prática ilegal de comercialização de lotes para quem não faz parte do programa da Reforma Agrária. A nota repassada para a imprensa foi assinada por Alexia Kauana Kingerski, Irineu Metnek, João Natal Juroski e Rodrigo Pereira.

No documento, eles relataram que famílias que residem no Assentamento Pedra Preta têm observado a compra e venda de terras na comunidade. Por esse motivo, eles encaminharam uma denúncia ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) na sexta-feira, 13. Na nota, o grupo diz que aproximadamente 30 pessoas ocuparam as terras no domingo, 15, de forma livre, espontânea e pacífica. O objetivo, segundo o informado, era chamar atenção das autoridades sobre as irregularidades cometidas na comercialização das áreas no interior de Guamiranga. “O objetivo central é reivindicar que pessoas/famílias que se enquadrem no Programa Nacional de Reforma Agrária sejam contempladas com as terras, que, aliás, de forma irregular foram adquiridas por terceiros. Ainda, o movimento esclarece que desde a ocupação (15/05/2022), estão prezando pelo diálogo e respeito às pessoas e autoridades do município de Guamiranga”, diz um trecho da nota.


A PM de Guamiranga divulgou em seu boletim repassado para a imprensa na segunda-feira, 16, que um homem procurou o Destacamento da corporação para informar que sua propriedade e de mais duas famílias estavam sendo invadidas por pessoas que fazem parte do MST. A Polícia Militar foi até a comunidade rural e constatou que aproximadamente 30 pessoas estavam em três propriedades. Elas confirmaram que são integrantes do MST e que eram representadas por um suposto advogado que mora em Irati.

Em um primeiro momento, as pessoas concordaram em sair das propriedades e disseram aos policiais que devem comparecer no Incra e no Fórum da Comarca para tomar providências, pois alegam que as áreas são desapropriadas.

Segundo as pessoas que estavam nos locais, as propriedades foram compradas ilegalmente, já que as vendas dessas áreas são proibidas. Porém, segundo relatório da PM, os integrantes do MST resolveram permanecer no local após conversarem com o suposto advogado. Os supostos proprietários das áreas em Guamiranga não apresentaram documentos dos terrenos. Por esse motivo, eles foram orientados para entrarem com pedido de reintegração de posse no Fórum da Comarca de Imbituva, que atende situações do município vizinho de Guamiranga.