Publicidade Topo

notícias

Luiz Carlos Júnior lança pré-candidatura a deputado estadual

Rodrigues ainda não exerceu nenhum cargo político, mas tem forte atuação nas redes sociais. Ele aceitou o convite feito pela deputada federal Aline Sleutjes, que deve concorrer ao Senado pelo PROS/Paulo Henrique Sava

Luiz Carlos Rodrigues Júnior anunciou sua pré-candidatura a deputado estadual pelo PROS. Foto: Paulo Henrique Sava

O representante comercial Luiz Carlos Rodrigues Júnior, o Luiz Carlos Júnior, lançou recentemente sua pré-candidatura a deputado estadual pelo PROS. Em entrevista à Najuá, ele contou que o convite partiu da deputada federal Aline Sleutjes, que deve concorrer ao Senado pelo partido. Segundo Rodrigues, o trabalho feito pela deputada em prol da região foi primordial para sua decisão.

“Tudo isto juntando com a pessoa honesta e séria que ela é, e pela proximidade e amizade que temos, eu aceitei este desafio, em primeiro lugar, de me filiar ao PROS, partido que aqui no Paraná tem um apoio 100% ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e vem muito forte para esta eleição de 2022, com nomes muito fortes que já são deputados federais e estaduais, e estamos à disposição para, a partir de agosto, podermos colocar nosso nome para o povo da nossa região e do Paraná poder apreciar”, frisou.

O pré-candidato ainda não exerceu nenhum cargo político, mas tem uma forte atuação nas redes sociais. Júnior disse que vem mantendo conversas com vereadores e lideranças da região em prol de sua pré-candidatura. Entretanto, ele acredita que a força maior para seu trabalho vem da população. “Eu sou um cidadão comum, trabalhador, não sou do meio político, nunca tive cargo público, e fui crescendo através das redes sociais. Ao contrário dos que já estão há muito tempo na política, eu tenho um acesso muito pequeno com as autoridades, prefeitos e vereadores. Tenho conversado, como representante comercial há 20 anos, com alguns vereadores de cidades da região e lideranças que vêm e me perguntam se estou animado com a pré-candidatura. A minha força maior vem das pessoas, do próprio povo, e muito pouco dos governantes, das autoridades”, pontuou.

Reivindicações - A maior reivindicação que Júnior tem ouvido dos produtores é a pavimentação da estrada entre as localidades de Gonçalves Júnior e Itapará, onde ele reside. “Esta é uma das maiores reivindicações, um asfalto de qualidade para que eles possam trazer sua produção até a cidade com maior rapidez. Neste ano, através da página “Fiscal do Povo”, teve semana que eu tive 42 solicitações de estradas por causa da safra da soja, pois havia caminhões que não conseguiam sair. Graças a Deus tivemos um apoio da Secretaria de Viação e Serviços Rurais de Irati, que conseguiu dar uma remediada para a produção sair. Se tivéssemos um asfalto que ligasse a cidade até Itapará, a produção seria de uma rapidez muito maior, e este pessoal que trabalha nas estradas grandes cuidaria das menores e de outras regiões, o trabalho seria muito mais rápido”, comentou.

Júnior acompanhou também a situação dos produtores que tiveram prejuízos com o granizo e a estiagem no final de 2021. Ele ressaltou que todo apoio dado ao produtor rural é essencial para a economia do município, e que a agricultura, mesmo durante a pandemia, não parou. “Todo apoio que os órgãos públicos dão para o produtor rural tem um retorno gigante. Eu vou além: se tem um investimento que o órgão público faz e tem retorno certo é no agricultor, disto você pode ter certeza absoluta. É o povo que trabalha, nos dá de comer e movimenta a economia não só de Irati, mas do Brasil”, enalteceu.


Outra bandeira a ser defendida por Júnior é a questão da saúde. No último final de semana, em postagem nas redes sociais, Júnior relatou que levou sua filha de 08 anos até o Pronto Atendimento da Vila São João e alega que a menina não foi atendida. Na postagem, ele ainda contou que uma idosa de 80 anos aguardou por mais de 3 horas e meia para receber atendimento médico. “Foi isso que eu vivi na pele, ninguém me contou, tirou uma foto, eu vivi isso na pele, então eu conto o que é esta realidade. Eu até perguntei numa mensagem para a secretária (que até então era Jussara Aparecida Kublinski Hassen), perguntando o que está acontecendo, o que é preciso, pois podemos correr atrás para ajudar, mas não me falaram se falta médicos, profissionais de enfermagem. Eu não sei o que está acontecendo lá dentro, mas dá para resolver com certeza e a população não pode esperar”, frisou Júnior.

Outra grande necessidade da região é a atração de indústrias para a geração de empregos. O pré-candidato citou como exemplos as fábricas da Tirol e da Nissin, que se instalaram em Ipiranga e Ponta Grossa. “Urgentemente é preciso trazer recursos do Estado, da Federação, para serem investidos em infraestrutura. A logística de Irati é maravilhosa, você pode ir para Foz do Iguaçu, União da Vitória, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Norte do estado. A nossa região é o centro do Paraná, então aqui o acesso é fácil, temos espaço para crescer, mas é preciso urgentemente investir em infraestrutura, trazer as grandes empresas para a cidade e valorizar as médias e pequenas que já estão aqui”, pontuou.

“Precisamos olhar e nos unir com a comunidade, com os políticos da cidade, para trazer empresas e parar de pensar um pouco em partidos, em lado A ou B. Nós não somos lado, mas somos Irati e região, Imbituva, Rio Azul, Prudentópolis. É hora de darmos as mãos e pararmos de ser egoístas. Não pode haver lado: se o nosso trabalho é em prol do povo, temos que ser um só”, completou Júnior.

Representatividade - O pré-candidato acredita que a região precisa de mais representatividade política a nível estadual e federal. “Precisamos de iratienses que representem a região urgentemente, de pessoas que estejam com o povo. Não adianta o cara estar engravatado no seu escritório, no ar condicionado, e não visitar os postos de saúde, sentindo na pele o que está acontecendo. Não adianta ele estar na sua empresa, bonitinho, com o cabelo penteadinho, ajeitadinho, sendo que lá no interior ele nunca pisou no barro, foi empurrar um trator ou puxar um caminhão e nem ficou em um posto de saúde no interior que leva 15 dias para ter um médico. Precisamos de representatividade de quem conheça as dores do povo, de quem saiba realmente do que o povo precisa e não, com todo respeito, dessas políticas defasadas que não cabem mais para a nossa cidade, região e o Paraná”, finalizou.