Publicidade Topo

notícias

Ex-governador Roberto Requião cumpre agenda política nesta quinta-feira em Irati

Evento, denominado “Caravana Requião”, será realizado na Câmara de Irati nesta quinta-feira, 31, a partir das 19 horas/Paulo Henrique Sava
Ex-governador do Paraná e ex-senador Roberto Requião, que recentemente se filiou ao PT e foi anunciado como pré-candidato do partido ao governo do estado, estará em Irati na noite de hoje, 31. Foto: Juarez Oliveira/Arquivo Najuá

O ex-governador do Paraná e ex-senador Roberto Requião, que recentemente se filiou ao PT e foi anunciado como pré-candidato do partido ao governo do estado, estará em Irati na noite de hoje, 31, para cumprir agenda política. O evento, denominado “Caravana Requião”, será realizado na Câmara Municipal a partir das 19 horas.

Em entrevista à Najuá, o deputado estadual Requião Filho (PT) falou sobre os objetivos do encontro em Irati. “O objetivo principal da nossa caravana é discutir o Paraná, os motivos de as contas de água e luz subirem tanto, por que o desemprego assusta tanto a nossa população, com tanta gente trabalhando de forma precária, por que as contas não fecham e os motivos de tanta propaganda e tão pouca realização. É uma ideia de discutir melhor o Paraná com os paranaenses”, pontuou.

Além do ex-governador, estarão presentes os deputados Requião Filho, Arilson Chioratto, Tadeu Veneri, deputados federais e lideranças locais da região. Segundo Requião Filho, as caravanas estão sendo feitas com o objetivo de ouvir as principais dificuldades de cada região do estado. “Não estamos indo apenas para fazer discurso, mas queremos saber as dificuldades de cada região para que possamos montar um plano em contraproposta ao que temos hoje no Paraná”, frisou o deputado.

Durante o evento, também serão discutidos assuntos nacionais, como a inflação e a situação econômica do Brasil, segundo Requião Filho. “São sempre discutidos, sempre levados, alguém sempre aborda temas nacionais. Nós estamos com inflação de dois dígitos não por causa de consumo ou demanda, mas por causa de preços indexados. A inflação hoje no Brasil se dá por causa dos preços indexados da gasolina, do diesel, do álcool, das contas de luz e de água, é uma inflação de monopólios, que vem sangrando o povo brasileiro. Também tocamos nestas questões federais para discutirmos e entendermos melhor, afinal de contas, a economia, o nosso poder de compra e o salário do povo passam pela política”, frisou.


Filiação ao PT - Requião Filho também se filiou recentemente ao PT. Ele esclarece que o partido está negociando federações com outras legendas, como o PDT, o PSB, o PV, a Rede, PSOL e PCdoB. Ele exaltou a importância da presença de candidatos regionais nas eleições de outubro.

“O que nós temos é uma frente ampla contra a política atual. Eu acho importante termos candidatos locais para podermos ter este debate. Existe a possibilidade de candidatos a deputados federais e estaduais da região, mas eu gostaria de vê-los, após eleitos, discutindo o Paraná como um todo. Se você, sendo deputado estadual, se comporta como um super vereador, não está ajudando o todo, se perde no pequeno e esquece o grande, você vai se preocupar com a pintura da escola e não com a qualidade do ensino no estado. Não vejo problema nenhum com deputados locais e regionais, mas, após eleitos, eu acho que, para melhorar a política, temos que prestar um bom serviço ao povo do Paraná, e temos que pensar como deputados de todo o Estado”, comentou.

Durante a entrevista, o deputado Requião Filho justificou a migração dele e do pai do MDB para o PT. “O que nos motivou foi a venda do nosso partido. O MDB foi vendido, aqui no Paraná, para o Rato (governador Ratinho Júnior, do PSD), e espero que tenham recebido um bom pedaço de queijo. O MDB defende hoje os pedágios, a conta de luz, o abandono do pequeno agricultor, do micro, médio e do pequeno empresário. O MDB do Paraná perdeu hoje as características que formaram este partido, que eram a defesa da população e de quem trabalha. O MDB foi diluído no Paraná. O PT foi o único partido que nos garantiu, sem negociação e nenhuma ponderação, uma candidatura de oposição ao governo Ratinho, e achamos que isto é mais do que necessário neste momento em que o Paraná se encontra”, ressaltou.

Em sua apresentação como filiado ao PT, Requião Filho classificou o atual governo como “pequeno governo de grandes negócios”. Ele justificou o uso desta expressão afirmando que o estado dará uma isenção de impostos no valor de R$ 17 bilhões a grandes empresas.

“Eu não sei quais são, mas provavelmente serão multinacionais e nós não temos acesso a estas informações. O que eu sei é que não são pequenos empresários, microempresários que estão com dificuldades para pagar as contas de água e luz, que subiram muito acima da inflação, e estão com fiscais à sua porta cobrando a substituição tributária, o pagamento antecipado do ICMS sobre seu estoque, são grandes empresas que conseguem grandes benefícios enquanto o agricultor, o empresário e a indústria paranaense não têm atenção do governo”, ressaltou.

Foto: Divulgação