Publicidade Topo

notícias

Centro de Saúde Erasto Gaertner está funcionando em nova estrutura em Irati

A Unidade Avançada do Erasto Gaertner transferiu seus serviços para as instalações do Centro de Saúde Erasto Gaertner, localizado onde está o Hospital Agnus Dei/Karin Franco, com reportagem de Rodrigo Zub e Paulo Sava

Estrutura do hospital Erasto Gaertner já está atendendo em novo endereço no bairro Canisianas. Foto: Assessoria do Erasto Gaertner
Os serviços da Unidade Avançada do Erasto Gaertner de Irati foram transferidos para as instalações do Centro de Saúde Erasto Gaertner, no mesmo local onde está localizado o hospital Agnus Dei, no bairro Canisianas, que continua oferecendo seus serviços normalmente.

A transferência para o Centro de Saúde iniciou no ano passado e agora todos os serviços oncológicos prestados pela unidade são oferecidos no novo endereço. “Já estamos instalados em definitivo na unidade do Agnus Dei e o funcionamento está em 100%. Teve a inauguração no ano passado e agora em definitivo estamos no Agnus, em todo o funcionamento, com todo o nosso sistema, toda nossa equipe, pessoal, funcionando 100% já no Agnus Dei”, explica a enfermeira-chefe da unidade, Daniela Raffo.

Com a transferência, o prédio que estava a Unidade Avançada voltou a ser ocupado pela Associação do Núcleo de Apoio ao Portador de Câncer de Irati (ANAPCI), que volta a oferecer os antigos serviços.


O superintendente do Hospital Erasto Gaertner, Adriano Lago, destaca que a fusão concretiza o planejamento inicial para o Erasto em Irati. “Há muito tempo já tinha iniciado essa negociação e lembrando a todos que quando fomos para Irati, sempre colocamos três fases importantes ao longo de dez anos do projeto. A primeira era iniciar atividade com os atendimentos e graças à parceria da ANAPCI, fica todo nosso agradecimento a todas as voluntárias da ANAPCI, que cederam sem custo algum para o Erasto Gaertner, a casa delas, e agora estamos devolvendo e agradecendo a oportunidade de ter trabalhado lá. Nós ficamos ao longo desses quatro anos lá. E a etapa 2 seria aumentar o tamanho desse atendimento. Tamanho em quantidade, espaço por metro quadrado, possível complexidade e agora conseguimos concretizar com essa parceria, através dos sócios administradores do Agnus Dei, tornando e transformando aquele espaço no Complexo Hospitalar Erasto”, disse Adriano.

O atendimento para o paciente SUS, que já era tratado na Unidade Avançada, não irá mudar, apenas será feito no novo endereço. “Não muda nada. A forma de encaminhamento continua sendo a mesma para o paciente oncológico. Nós atendemos o paciente oncológico SUS. O perfil do Agnus Dei permanece o mesmo. Qual que é o perfil de atendimento do Agnus Dei, agora Centro de Saúde Erasto Gaertner? Vamos atender esse perfil que trouxemos do Erasto, do paciente oncológico, e agregando todo o centro de especialidade que o Agnus Dei oferece. São diversas especialidades médicas, atendemos pelo Consórcio Intermunicipal de Saúde também, na especialidade de vascular, com procedimentos de consultas, colonoscopia, endoscopia. O atendimento não muda. O que nos agrega agora é que o Centro de Saúde Erasto Gaertner oferece esse outro perfil de atendimento que trouxe então do Agnus Dei”, explica Daniela.

Entre os serviços de atendimento clínico e cirúrgico que foram incluídos a partir da fusão com o hospital Agnus Dei estão urologia, ortopedia, oftalmologia, ginecologia e obstetrícia, gastroenterologia geral, plástica, angiologia vascular e anestesiologia. “Lembrando que essas especialidades são de forma particular e convênio ou aquelas encaminhadas através do Consórcio de Saúde”, conta a enfermeira-chefe.

Nos próximos dias, a fachada do Centro de Saúde Erasto Gaertner será alterada com a colocação das cores e logotipo do hospital. Foto: Assessoria do Erasto Gaertner
Outros atendimentos que também estão incluídos estão internações em apartamentos individuais ou enfermaria, exames de endoscopia, colonoscopia e eletrocardiograma. Há, ainda, os atendimentos ambulatoriais (retornos cirúrgicos, administração de medicamentos e pequenos procedimentos).

O superintendente ressalta que os serviços particulares poderão ser acessados por meio de operadoras de plano de saúde. “Lembrando que a oncologia privada, através das operadoras de planos de saúde, agora com esse espaço, nós vamos poder atender também. É óbvio que o beneficiário tem que ter a sua operadora credenciada conosco nessa unidade. O que queremos fazer é ampliar o atendimento de oncologia, atendendo outras fontes pagadoras como plano de saúde”, explica.

Para Adriano, a parceria ajudará as duas instituições. “Eu acho que é uma soma de esforços, uma soma de experiência. O Agnus Dei é uma instituição de longa-data para Irati e região. E agora vamos acrescentar toda a experiência, toda a estrutura, toda a equipe multiprofissional para ajudar a alcançar mais do que o próprio Agnus Dei fazia. Por outro lado, para a própria estrutura do Agnus, para os próprios sócios que investiram ali, eu acho que toda a sua história, toda a sua vida é poder agora contar com uma instituição como a do Erasto para levar mais qualidade, mais segurança ao paciente, mais experiência. Eu acho que todos tenham a ganhar com essa parceria e essa nova estrutura”, analisa.

A enfermeira-chefe destaca que o agendamento continua sendo feito por encaminhamento, principalmente em paciente do SUS. “O paciente não pode agendar uma consulta por uma procura direto. O paciente precisa ser encaminhado através de um médico, que vai solicitar essa consulta na oncologia. O paciente não pode ir consultar de forma pelo SUS, na oncologia. Ele precisa então do encaminhamento, onde, por exemplo, o médico do município de Imbituva solicitou esse encaminhamento. O paciente vai até um setor de marcação do seu município onde é encaminhado todo uma documentação, encaminhada para regional de saúde, que então é gerado um código de transação, que é através da Secretaria de Saúde de Curitiba. E com esse código, ele sai o endereço e a data da consulta no primeiro atendimento”, conta Daniela.

Recentemente, prefeitos da região pressionaram para que houvesse um número maior de vagas para pacientes com primeira consulta. Atualmente, como o Erasto possui sede em Curitiba, é a capital que gerencia as vagas pelo SUS que são encaminhadas para o hospital. Desse modo, a 4ª Regional precisa pedir encaminhamento por Curitiba para conseguir vaga de tratamento na oncologia.

De acordo com Adriano, ainda não há solução para conseguir melhorar esse atendimento. “Infelizmente, esses termos não mudaram. É um entendimento entre Governo do Estado, Prefeitura Municipal de Curitiba e os gestores da região. O Erasto Gaertner como um prestador não tem interface nessa negociação”, conta.

O superintendente do hospital destaca que a fila para consultas não é gerada pelo Erasto, mas pelo sistema do SUS que gera um código a partir das vagas disponíveis no sistema. Segundo ele, no momento que a consulta é encaminhada para o Erasto, o procedimento é feito de forma ágil. “Essa fila, esse tempo de espera não é do Erasto Gaertner. É do encaminhamento, até ser gerado um código. Esse código gerado, é a partir deste momento que o Erasto Gaertner visualiza no sistema esse número. Se transforma num nome de pessoa –nunca tratamos por números e sim por nomes, por pessoas - esse paciente começa estar conosco a partir de gerar esse código. Esse tempo de espera, que alguns casos acabam nem indo para o Erasto Gaertner, é o tempo de até gerar o código. Agora gerado o código, temos a capacidade, atendemos imediatamente”, afirma Adriano.

Conforme o superintendente, cerca de 60% dos atendimentos do Hospital Erasto Gaertner são realizados em até 15 dias após a geração do código. Outros 40% são atendidos dentro de 30 dias. O Ministério da Saúde preconiza que o tempo máximo entre o atendimento e a geração do código seja de 60 dias.

Com a transferência de serviços finalizada, o local receberá também reformas que ajudarão a ampliar os serviços. As obras deverão usar recursos públicos por meio de emendas apresentadas por deputados. “Nós estamos com uma parceria com alguns deputados através de emendas individuais estaduais ou até mesmo federais, através do consórcio também, com as prefeituras dos municípios da 4ª Regional e estamos finalizando o projeto de adaptação de algumas áreas, principalmente, no andar térreo aonde será, principalmente, quem entra ao Agnus à direita, toda parte infusional, toda a parte de oncologia, que será exatamente a mesma prestação de serviços que tínhamos na antiga ANAPCI”, conta Adriano.

As obras devem ser realizadas ao longo do ano. “Nós não executamos ainda nenhum tipo de adaptação ou obra. Isso será feito agora ao longo dos próximos 18 meses, provavelmente. Além de uma mudança visual da fachada, tornando-a com as cores, com o padrão e logo do Erasto Gaertner”, explica o superintendente.

De acordo com Adriano, uma das dificuldades com as obras é a readaptação do orçamento. “Uma grande dificuldade que estamos passando agora são as mudanças de valores na área de construção civil. O ferro, por exemplo, teve um reajuste ou adequação de valor de 200% e sinaliza que pode até aumentar frente, não só à pandemia, mas agora um fator novo que nós temos que é uma guerra. O valor inicial estimado para as adequações que precisávamos era de R$ 1 milhão para estrutura civil, a construção, e R$ 4 milhões para adequação de alguns equipamentos, principalmente de centro cirúrgico, hotelaria”, explica.

O aumento de recursos forçará a adaptação do atual orçamento. “Já temos certo esse recurso de R$ 1 milhão que vai vir através de emenda para o consórcio. Os outros R$ 4 milhões ainda estamos em fase de negociação, em breve devemos anunciar. Nós só estamos com essa perspectiva de adequar o projeto inicial deste R$ 1 milhão dentro dos valores atuais que eu acho que vamos ter alguma dificuldade. Além dessa mudança interna, que seria a área infusional, a farmácia de manipulação, a capela de fluxo laminar, assim são itens técnicos, para fazer a manipulação dos medicamentos e a infusão com segurança nos pacientes”, explica.

O superintendente do hospital Erasto Gaertner destacou que a decisão de iniciar as atividades antes das obras é poder dar mais conforto para os pacientes. “Achamos mais prudente essa mudança e fazer gradativamente para que não esperássemos este tempo e já conseguisse oferecer mais conforto para os pacientes. Agora nós temos uma recepção maior, um local mais adequado para estacionamento interno ou até mesmo externo na rua, um acesso mais facilitado do que o local onde estávamos. Enfim, é colocar a mão na massa e iniciar toda essa operação que já foi feito”, disse.

Com a fusão, o hospital Erasto Gartner também atenderá a rede privada. “Agora nós podemos atender de maneira privada o paciente oncológico e outras especialidades. Qual é a nossa intenção? O pouco que sobra ali no atendimento privado ser reinvestido na operação e também fazer o suporte para adequar essa operação”, conta o superintendente.

Apesar do atendimento privado, o Erasto Gaertner continuará a receber o repasse de R$ 200 mil do governo estadual para custear os tratamentos que são feitos pelo SUS. “A outra parte que era o custeio do SUS, ele continua pelo governo do Estado, através da Secretaria Estadual da Saúde e faz um repasse mensal e este repasse é que suporta todo o atendimento SUS oncológico da instituição”, explica.

Adriano destaca que esse repasse é fundamental para oferecer o atendimento gratuito. “Lembrando que a infusão, o quimioterápico, o medicamento tem um alto custo, mas o grande desafio e o grande sucesso que nós tivemos nesse tempo que já estamos prestando serviço é que os atendimentos de baixa complexidade, média complexidade são suportados graças a este aporte do governo mensal. Exemplo, uma consulta médica SUS nos reembolsa R$ 10, uma consulta é multiprofissional R$ 7. Jamais alguém consegue pagar o profissional médico ou a equipe multiprofissional com esses valores. É este valor recebido mensalmente do Governo do Estado que nos dá o suporte de atender”, destaca.

Os demais custos de operação em outras especialidades serão pagos pelo hospital de Curitiba e por meio da rede privada. “Os outros custos serão suportados pela nossa instituição, pela matriz aqui de Curitiba, pela mantenedora, assim como esperamos que o desenvolvimento e o atendimento dos pacientes privados, o resultado desse atendimento privado também dê suporte para toda essa operação”, explica.

A parceria entre os hospitais Erasto Gaertner e Agnus Dei é de 15 anos. Adriano conta que há possibilidade de estender esse prazo. “Tivemos muita sincronia com os sócios, eles entenderam muito bem o projeto. É um contrato para 15 anos, então acho que temos uma garantia muito boa para a população, para o Erasto Gaertner, assim como para os sócios do Agnus Dei. Esperamos até poder nos próximos anos ou dentro da primeira década até anunciar o aumento desse tempo de contrato que hoje é de 15 anos”, conta.

O novo Centro de Saúde Erasto Gaertner em Irati está localizado na Rua Albino Grigoletti, nº 105, no bairro Canisianas, em Irati. Mais informações podem ser obtidas por meio dos telefones (42) 9-9909-0154 (WhatsApp), (42) 3132-6000, (42) 3132-6400, (42) 3422-2800 e (42) 3422-3564.

Foto: Assessoria do Erasto Gaertner 

Foto: Assessoria do Erasto Gaertner