Publicidade Topo

notícias

2º Festival Central Cultural acontece no dia 2 de abril em Irati

Evento foi criado para valorizar a construção do Centro Cultural Denise Stoklos- Karin Franco, com reportagem de Paulo Sava e Rodrigo Zub

Foto: Divulgação

A 2ª edição do festival Central Cultural acontecerá no dia 2 abril, a partir das 13h, nas proximidades do Centro Cultural Denise Stoklos. O evento foi criado por artistas locais para valorizar a construção do teatro e pressionar o Governo do Estado para a finalização da obra.

“O objetivo principal dele é mostrar o quanto a cultura e artes são ricas no nosso município, quanta diversidade possuímos e, principalmente, trazer junto com toda essa manifestação cultural uma amostra de que precisamos que aquele espaço seja finalizado, que aquela obra seja concluída, porque a cultura é um fator que movimenta não só a arte, a dança, a música, mas a economia, a educação e a sociedade como um todo”, conta a integrante do Conselho da Cultura, Milene Aparecida Galvão.

Para o presidente do Conselho da Cultura, Leonardo Schenato Barroso, a realização da segunda edição do evento mostra que a cidade possui condições de abrigar um local como o Centro Cultural. “Se conseguimos fazer um bom evento em nível cultural, mesmo nesse espaço de uma obra inacabada, imagine o que seríamos capazes de apresentar com esse Centro Cultural concluído? Estamos chamando o pessoal de outras cidades da região, estamos mobilizando as pessoas de Irati porque essa é uma causa regional, essa é uma causa da Amcespar [Associação dos Municípios Centro-Sul do Paraná]. E demonstrar para o Governo do Estado que temos interesse que a obra seja concluída. Talvez não esteja no cronograma do Estado, mas vamos batalhar para que entre de alguma maneira”, explica Leonardo.


A primeira edição do evento ocorreu no ano passado e foi bem avaliada pelos organizadores. “O primeiro evento consideramos que ele teve muito sucesso, no sentido de trazer essa discussão à tona e mostrar para as pessoas que é possível você fazer uma mobilização do bem, uma mobilização que culturalmente foi muito rica e que, mesmo assim, foi capaz de atingir muitas pessoas. Tivemos transmissão ao vivo do evento pela página do Conselho de Cultura, que chegou a muitos e muitos números elevados”, afirma o presidente do Conselho de Cultura.

Com a participação de vários artistas e uma vasta programação, a organização optou nesta segunda edição em diminuir o número de atrações para que o evento não se estenda. “Para essa segunda edição queremos fazer um evento menor, mais resumido para não ter que ficar algumas atrações para à noite, que não temos muita condição de fazer uma iluminação bacana por ser um espaço limitado”, explica Leonardo.

Entre as apresentações confirmadas estão uma peça do Grupo de Teatro Ir a Ti, do grupo Me Vou Para Vaneira, uma performance por Vitória Andreazza e uma apresentação do grupo de capoeira, Capoeira Me Chama. A programação ainda está aberta, com a possibilidade de um grupo de viola de Inácio Martins também participar do evento.

O evento contará ainda com a exposição de trabalhos de artistas e artesãos, além da venda de ambulantes. O grupo Aprendiz da Sabedoria estará presente no evento com uma Tenda da Cura.

Segundo o presidente do Conselho, a intenção é que o evento mostre a diversidade de arte produzida em Irati e na região. “Estamos procurando mesclar, diversificar. Não ter as mesmas pessoas que já se apresentaram no primeiro, com exceção do grupo Ir a Ti, que é o grupo de teatro muito ligado à Denise Stoklos. Eles fizeram uma leitura dramática de uma peça da Denise na primeira edição, então percebemos que eles têm uma característica muito de acordo com aquilo que o evento está pedindo. É uma maneira de demonstrar o que estamos pedindo, uma crítica feita com cultura, é muito de acordo com o evento, mas fora isso estamos procurando diversificar”, conta.

O próximo desafio do grupo é conseguir arrecadar recursos para a realização do evento. Segundo os organizadores, são necessários R$ 1.200 para o pagamento de taxas como o alvará do Corpo de Bombeiros, do Ecad, além do pedido de ligação de energia para a Companhia Paranaense de Energia (Copel), entre outras taxas. “É um evento independente. É formado pelo movimento dos artistas de rua de Irati, pelo movimento dos Artistas Independentes. Cada artista contribui, além da sua apresentação, também com um valor financeiro, cada grupo contribuiu. Pedimos que o pessoal se mobilize, nos ajude a pagar essas taxas porque a nossa pretensão é que o evento seja realizado com periodicidade, bimestral ou trimestral. Mas não podemos fazer dois ou três e parar porque a nossa meta precisa ser atingida. Precisamos chegar lá no governo e falar precisamos que a obra seja concluída para usarmos lá dentro”, disse Milene.

As doações podem ser feitas por meio de Pix no endereço yasmimcaetanoo@gmail.com. É necessário colocar “Centro Cultural” na descrição.

As estruturas usadas durante o evento são fornecidas por empresas que apoiam o festival. Contudo, o presidente do Conselho de Cultura revela que estão procurando outros empresários para que tenha um revezamento de empresas, assim o apoio não sobrecarrega apenas uma empresa. “Estamos tentando diversificar eles. Fizemos um pedido para um grupo de empresários na primeira vez para que cedesse essa estrutura. Agora vamos procurar outras pessoas que trabalham no mesmo ramo, para também não ficar [sobrecarregado]. Sabemos que se ele trabalha com isso, porque ele tira o sustento dele disso. Então, ficar a cada dois meses, cada três meses pedindo para mesma pessoa: ‘Nos ajude com isso, com aquilo”. A gente vai dar prejuízo para uma pessoa que também de algum modo, também trabalha na área cultural. Trabalhar com eventos, com show, com som é trabalhar na área cultural. Temos diversificado nosso pedido. Não queremos sempre estar com os mesmos para não ser chato e para não pesar para ninguém”, explica Leonardo.

O evento surgiu no ano passado motivado por uma enquete que a Prefeitura de Irati lançou sobre a continuação ou não da obra do Centro Cultural Denise Stoklos. O debate em torno da continuação ou da transformação do local em outra finalidade trouxe a necessidade de artistas mostrarem o que está sendo feito no município e a necessidade do local para os artistas.

O Conselho de Cultura de Irati chegou a realizar uma votação e por unanimidade os membros votaram pela continuação do Centro Cultural Denise Stoklos. Para Leonardo, muitos que dizem que querem transformar o local em outro prédio para outro propósito não possuem informações sobre a obra. “O pessoal que é contrário à conclusão da obra como Centro Cultural é um pessoal muito barulhento e um pessoal que muitas vezes não tem muito critério técnico, por exemplo, para ir lá e ver que aquilo não serve para outra coisa. Você vai fazer outra coisa daquilo, você vai ter que derrubar a obra, você vai ter que modificar. Vai ser tão caro quanto começar do zero”, explica.

O presidente conta que o apoio ao Centro Cultural foi surpreendente e pediu que mais pessoas se manifestem, caso sejam favoráveis. “Qual foi a nossa surpresa, uma surpresa positiva, quando percebemos que a população está conosco. O que pedimos é que se manifeste. Você que é a favor da continuidade da obra como sendo cultural, se manifeste, nos apoie e nem que seja com um comentário na rede social. Temos que demonstrar que existem aqueles que são favoráveis e que também não temos medo de se posicionar favorável”, disse.

Mais informações sobre o evento podem ser conferidas no perfil do Instagram @centralcultural.irati.
Foto: Divulgação