Publicidade Topo

notícias

Imbituva passa a contar com base do SAMU

Nova base irá atender também o município de Guamiranga e conta com uma ambulância básica e equipes de urgência e emergência/Paulo Henrique Sava
Base do SAMU foi inaugurada na última semana em Imbituva. Foto: Jornal Hoje Centro Sul

Na última semana, o Consórcio Intermunicipal SAMU Campos Gerais (CIMSAMU) inaugurou uma nova base do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) em Imbituva. A nova base irá atender também o município de Guamiranga e conta com uma ambulância básica e uma equipe para atendimentos de situações de urgência e emergência, composta por motorista, socorrista e técnico de enfermagem. A nova base foi instalada junto ao prédio da Defesa Civil do município, nas proximidades da rodoviária, conforme explicou em entrevista à Najuá o vice-prefeito de Imbituva, Zaqueu Luiz Bobato (Podemos).

“Vai ser um trabalho integrado junto com a Defesa Civil. Nós construímos toda uma área, um prédio para abrigar a Defesa Civil e a unidade do SAMU. Esta foi a grande conquista que nós tivemos na última semana e que traz uma tranquilidade para a população de Imbituva. Investir na saúde é investir na vida”, frisou.

O município investiu quase R$ 300 mil na construção do novo prédio. Mensalmente, serão repassados R$ 78 mil para custeio do SAMU, segundo Zaqueu. Este valor será utilizado para cobrir despesas com pessoal, água, energia elétrica, internet, telefone, entre outros. “É um valor que muitos podem dizer que é elevado, mas não é, porque investir em saúde nunca é elevado, a vida humana não tem preço. Quando chegamos ao prefeito e dissemos que é um anseio e necessidade da população de Imbituva ter o SAMU, ele disse que, independente do que custar, teríamos o SAMU em Imbituva. Foi uma grande conquista”, frisou.

Zaqueu destacou que a nova base do SAMU, além de ser um anseio e uma necessidade da população, é um “presente” para o município, que comemorou recentemente 150 anos de emancipação política. Ele explicou os motivos para a escolha da área próxima à rodoviária para abrigar a Defesa Civil e o SAMU.

“Os critérios do prédio, de uma construção nova para dar uma qualidade para os profissionais, mas também a questão logística. Imbituva fica situada em um importante entroncamento rodoviário do estado, e esta área que nós destinamos para a base do SAMU dá acesso a uma urgência e emergência de uma forma mais facilitada para percorrer o município, sem falar que dá acesso tanto para a BR 373 quanto para a 277 e a 153. É uma área estratégica”, comentou.

Dependendo da gravidade da situação, por dispor da “vaga zero” do SAMU, através da qual pacientes com risco eminente de morte ou sofrimento intenso devem ser atendidos imediatamente, a base de Imbituva contará com apoio das unidades de Irati e Ponta Grossa.

“O SAMU é uma grande conquista porque se trabalha com a ‘vaga zero’. Muitas vidas serão salvas. É claro que nós torcemos para que as pessoas não precisem do SAMU, mas infelizmente sabemos que, nas situações do dia-a-dia, na vida em sociedade, há esta necessidade de estarmos à disposição com o sistema de saúde. Eu tenho absoluta certeza de que estes profissionais do SAMU estarão amenizando a dor e o sofrimento de pessoas, quando solicitados, porque é um serviço de agilidade e eficiência. E, em uma sintonia muito forte com os profissionais do nosso Pronto Atendimento, na saúde pública do município, vamos cuidar muito bem da saúde dos imbituvenses”, frisou.

O município de Imbituva fechou o ano de 2021 com um investimento de 35% do seu orçamento na saúde pública, acima do percentual estabelecido por lei, que é de 15%, conforme explica Zaqueu. “São quase R$ 35 milhões destinados somente para a saúde. Isto mostra o compromisso e o empenho da gestão em utilizar os recursos obviamente na área da saúde pública. Nós temos uma demanda grande no município”, pontuou.


Novo Hospital - Zaqueu também falou sobre a construção de um novo hospital no município, cujo projeto está em fase de elaboração. “Nós temos uma demanda muito grande no município, pois não temos hospital, estamos no processo de elaboração do projeto, mas Imbituva vai ter sim um hospital, e, se Deus quiser, e é uma necessidade da população, ainda neste ano nós daremos início à construção do novo hospital”, frisou.

Desde o início da atual gestão, a Prefeitura de Imbituva vem tratando sobre questões burocráticas para a construção do novo hospital, através de reuniões semanais com uma engenheira hospitalar que está prestando apoio na elaboração do projeto.

“Então, nós estamos concluindo toda esta parte burocrática, tudo tem que ser minimamente pensado, como metragens, os procedimentos que serão feitos, os tipos de especialidades. As pessoas acham que é só um projeto arquitetônico, mas não, tem toda uma norma de RDC (recomendações da Anvisa que os espaços hospitalares devem seguir à risca, para não colocar em risco os profissionais que atuam no local e os pacientes), tem portarias do Ministério da Saúde, tem uma legislação ‘ferrenha’, e é necessário existir isto porque a saúde é algo muito sério. Estamos, durante todo este tempo, discutindo e fazendo reuniões. Temos uma comissão da qual profissionais da saúde participam sugerindo e opinando. Estamos na fase final”, comentou.

O projeto deve ser apresentado em um prazo máximo de dois meses. Em seguida, a obra deverá ser licitada até o final do primeiro semestre, conforme Zaqueu. “É uma obra grande, pois Imbituva e a população merecem, é um sonho dos imbituvenses. Um município com 35 mil habitantes e que já teve em sua história dois hospitais e que foram fechados, inclusive um deles foi demolido. Nós nos comprometemos com a população de Imbituva, que pode ficar tranquila, pois este foi o nosso compromisso. Nós assumimos a gestão e daremos início à construção do hospital”, afirmou.

Mesmo com o projeto ainda em fase de elaboração, Zaqueu estima que o município terá um investimento aproximado de R$ 8 milhões a R$ 10 milhões no novo hospital.

“Nós vamos ter este parecer sobre os valores, a engenheira está concluindo a partir do levantamento que fizemos das demandas de saúde, do que será necessário na estrutura do hospital. Temos que pensar quais procedimentos cirúrgicos vamos fazer, e tudo isto interfere nas metragens das salas, nos tipos de equipamentos, é algo muito delicado e por isto é demorado. Pretendemos fechar um valor aproximado de R$ 8 milhões a R$ 10 milhões que o município terá que investir na construção deste prédio para poder dar a estrutura que a nossa população merece”, comentou.

Para auxiliar no custeio da obra, a Prefeitura de Imbituva deverá solicitar apoio ao Governo do Estado, de acordo com Zaqueu. “O governador Ratinho Júnior já se manifestou e deixou bem claro que vai ajudar Imbituva a ter um hospital, é um compromisso. Nós estamos correndo para finalizar este projeto para podermos trazer para a população esta notícia desta conquista, que vai ser um marco histórico para Imbituva. É algo que nos motiva a cada dia na gestão. Toda semana, nas reuniões que fazemos com a engenheira hospitalar, é muito gratificante, e como aprendemos e entendemos a complexidade da saúde pública no Brasil”, frisou.

Zaqueu acredita que o novo hospital deve ser concluído em aproximadamente dois anos a partir do início da obra. Ele acredita que a tramitação do projeto está em um ritmo bastante acelerado.

“Há casos de municípios no Brasil que tiveram a experiência de projetar hospitais que levaram 3 ou 4 anos na discussão do projeto. Nós, com aproximadamente um ano, estamos praticamente finalizando. É uma corrida contra o tempo porque é uma necessidade. Eu diria que é inadmissível nosso município não ter um hospital, não ter nascimentos e as mães terem que se deslocar para outros municípios, causando transtornos e preocupação para as famílias na hora do parto. Isto nos entristece, por isto estamos correndo contra o tempo porque é uma necessidade para a população de Imbituva”, finalizou.

Fotos: Jornal Hoje Centro Sul

Equipe do SAMU de Imbituva


Na foto, o vice-prefeito de Imbituva, Zaqueu Luiz Bobato, a prefeita de Ponta Grossa, Elizabeth Schmidt, a primeira-dama de Imbituva e o prefeito Celso Kubaski