Publicidade Topo

notícias

Provedor da Santa Casa diz que recredenciamento de leitos de enfermaria para Covid-19 depende da SESA

Leitos de UTI da ala Covid-19 continuam abertos até o dia 31. Porém, número de pacientes internados é baixo/Paulo Henrique Sava
Provedor da Santa Casa, Ladislao Obrzut Neto, acredita que alta no número de casos de Covid-19 se deve às aglomerações familiares durante as festas de fim de ano. Foto: Paulo Henrique Sava

Em entrevista à Najuá, o provedor da Santa Casa de Irati, Ladislao Obrzut Neto, relatou que, mesmo diante da alta do número de casos de Covid-19 no município, o recredenciamento de leitos de enfermaria para pacientes acometidos pela doença depende de uma decisão da Secretaria de Estado da Saúde (SESA). Entretanto, em conversa com o gestor da SESA, Vinícius Filipak, Ladislao recebeu a garantia de que os 12 leitos de UTI disponíveis no hospital para atender pessoas contaminadas pelo Coronavírus continuarão em funcionamento até o dia 31 de janeiro.

“Eu conversei com o gestor Vinícius Filipak a respeito da reativação de alguns leitos. Ele me colocou que os leitos de UTI funcionam até o dia 31 de janeiro, aptos para atenderem os pacientes. Já no caso dos leitos de enfermaria, para estes nós não temos credenciamento, então não tem como reverter e os pacientes seriam encaminhados para fora, para Guarapuava, Ponta Grossa ou Campo Largo, onde estão sobrando leitos”, frisou.

O Hospital de Guarapuava tem 40 leitos de enfermaria clínica, mas apenas 14 deles estão ocupados. Segundo Ladislao, os leitos estão sendo redirecionados pelo Estado para hospitais de referência maior, com complexidade um pouco maior que a da Santa Casa.

“Refazer isto vai depender muito da SESA, é questão de logística disto. Nós estamos aptos para isto, temos leitos, condições e profissionais, é só a SESA dizer quando que voltamos a trabalhar”, comentou. Neste momento, se houver necessidade de internar um paciente com Covid-19 em enfermarias, ele é cadastrado junto à Central de Leitos do Paraná.

Casos ativos - Na manhã de hoje, 20, Irati atingiu a marca de 956 casos ativos de Covid-19. Destes, 951 estavam em isolamento domiciliar e cinco internados, sendo 4 em enfermarias e um em UTI. Segundo Ladislao, o número de internamentos é pequeno porque a gravidade da doença tem sido menor. Entretanto, ele ressalta que os casos de internamentos estão relacionados a pessoas que não se vacinaram ou que, mesmo imunizadas, têm comorbidades e contraíram a doença.

“Nestes casos, mesmo com três doses da vacina, a gravidade é esta: tem o problema, está positivado, mas não tem a mesma gravidade das cepas anteriores, a Alfa e a Delta, que eram graves. O paciente chegava aqui já com insuficiência respiratória grave e, se não se cuidasse, poderia ter parada respiratória na hora. Graças a Deus, esta cepa está sendo mais infectante, mas a gravidade dos casos é menor. Também tem a questão da vacina, em que a maior parte da população já está com a 1ª dose. O que temos visto é que aqueles que chegam mais graves são os que não se vacinaram ou que não fizeram a dose que tinham que fazer na época certa e tomaram agora”, pontuou.

Até as 11 horas, haviam sido confirmadas mais 24 contaminações em Irati. Desde o início da pandemia, o município já registrou 11996 casos de Covid-19. Destes, 10778 se recuperaram e 193 morreram. Outros 10 casos seguem em investigação, nenhum contato está sendo monitorado e 11362 exames foram descartados.


Recredenciamento de leitos - Conforme Ladislao, o recredenciamento de leitos Covid-19 da Santa Casa somente será feito se houver um crescimento grande do número de pacientes internados. “Inclusive, conversando com o doutor Vinícius Filipak, dissemos que graças a Deus não estamos precisando usar estes leitos, e vamos ver se não precisamos. A questão é de ver como está a evolução da vacinação, do isolamento social, do uso do álcool gel e das máscaras. Eu acho que agora é uma proteção individual e para as crianças, os netos e filhos das pessoas que estão em casa”, comentou.

Crianças - A Santa Casa também atendeu crianças positivadas com Covid-19 na faixa etária de 05 a 11 anos. Porém, o provedor não soube informar qual foi a quantidade de pacientes atendidos nesta faixa de idade. Por isso, ele avalia que a vacinação para crianças chegou em uma boa hora. “Eu não tenho ideia, mas têm vindo crianças positivadas, a gravidade delas é relativamente pequena pela condição de imunidade que elas têm, mas acho que a vacinação para as crianças está vindo em uma boa hora”, frisou.

Festas de fim de ano - Ladislao afirma que a disparada nas contaminações é resultado das aglomerações para as festas de fim de ano. “Eu lembro que nós fizemos uma live no Facebook da Santa Casa pedindo para o pessoal não se aglomerar, evitar aglomerações e festas, mas o que vimos foi o contrário: aglomerações e festas, e daí houve a disparada deste vírus. Esta cepa é bem mais infectante que as outras cepas, é mais rápida na infecção. Poderíamos ter um pouco menos [de casos], porque o que temos visto são pacientes dizendo que estiveram em festas de Natal e Ano Novo e outros encontros”, comentou.

Novo decreto - O médico acredita que o novo decreto, que entrou em vigor ontem, 19, e tem duração de 30 dias, limitando a presença de público em até 50% da capacidade de todos os estabelecimentos, deve ajudar a reduzir o número de casos em Irati.

Falta de testes - Ladislao também reclamou da falta de testes rápidos RT-PCR para venda no mercado. A Santa Casa adquiriu recentemente 250 testes, que devem chegar até o final desta semana ou início da próxima. No ritmo atual de registros de casos, esta quantidade de testes daria para, no máximo, uma semana de trabalho. Ele também relatou que o custo por teste para a Santa Casa subiu de R$ 50 para R$120 por conta da pouca oferta dos produtos. “Estamos assistindo isto como aconteceu no passado com os anestésicos, que custavam um preço e foram lá em cima por causa da procura maior, e agora também, com procura maior, o preço vai lá para cima, infelizmente”, pontuou.