Publicidade Topo

notícias

Câmara aprova homenagem a iratiense que foi voluntária na Segunda Guerra Mundial

Projeto de Lei denomina edifício administrativo do Corpo de Bombeiros com o nome da enfermeira Virgínia Leite/ Lenon Diego Gauron

Prédio histórico do Corpo de Bombeiros

Os vereadores aprovaram por unanimidade na sessão da Câmara de Irati realizada ontem (14), o Projeto de Lei que denomina o edifício administrativo do Corpo de Bombeiros de Irati de Virgínia Leite, em homenagem a iratiense que foi enfermeira voluntária durante a Segunda Guerra Mundial.

O Projeto de Lei nº 011/2021, de autoria do vereador Nei Cabral (PV), foi aprovado em segunda votação e agora segue para sanção do Executivo Municipal.

Nei disse durante a sessão que o espaço está bem cuidado pela atual administração do Corpo de Bombeiros e justificou a sua proposta. “Esse espaço para quem ainda não tem conhecimento, é aquele localizado na frente da prefeitura, onde hoje é utilizado pela administração do Corpo de Bombeiros, que é muito bem cuidado atualmente. E a senhora Virgínia contribuiu muito para o nosso município e com certeza merece essa homenagem no dia de hoje”

Já o presidente da Câmara, Hélio de Mello (PV), elogiou o projeto de seu colega e lembrou que a sugestão de nomes a espaços públicos é uma das muitas atribuições dos vereadores. “Importante projeto porque é uma das atribuições do vereador a denominação de espaços e de logradouros públicos e de grande importância a escolha do nome a ser homenageado, eternizando na história do nosso município, pessoas que viram o progresso e fizeram história”

Prédio Histórico: O edifício que receberá o nome da enfermeira foi construído em 1927 e já funcionou como sede da Prefeitura de Irati, na gestão de Zeferino Salles Bittencourt. O prédio já foi sede de algumas secretarias municipais, como de Meio Ambiente, na gestão do ex-prefeito Sérgio Stoklos. 

Voluntária na Segunda Guerra Mundial: A professora e enfermeira Virgínia Leite nasceu em Irati em 1916. Com 29 anos, ela passou oito meses na Itália, entre os anos de 1944 e 1945, auxiliando nos cuidados dos brasileiros feridos em combate após realizar um curso de enfermagem na Cruz Vermelha.

Voluntária foi para a Itália cuidar de feridos na guerra. Imagem: Reprodução JWS/ YouTube

A professora ainda foi reformada pelo Exército e ganhou o cargo de Primeira Tenente, além de diversas medalhas, como uma com o símbolo da Força Expedicionária Brasileira (FEB), entregue a todos que estiveram em batalha e a de Ana Néri, a primeira enfermeira brasileira que esteve na Guerra do Paraguai.

Virgínia foi uma das fundadoras da legião Paranaense do Expedicionário e depois do próprio Museu, em Curitiba, no ano de 1982. Ela também foi Diretora Social da Casa do Expedicionário por mais de 50 anos. Virgínia faleceu em Curitiba no dia 5 de janeiro de 2012 aos 95 anos.