Publicidade Topo

notícias

Sarau poético virtual faz homenagem à poetisa iratiense Olga Grechinski Zeni

Homenagem comemorou os 100 anos da poetisa que faleceu em 2018. Evento também faz parte das comemorações aos 150 anos da imigração polonesa no Paraná/Karin Franco, com reportagem de Jussara Harmuch

Sarau virtual contou com a presença dos filhos e amigos de Olga que puderam relembrar a trajetória da poetisa

A Academia de Letras, Artes e Ciências do Centro Sul do Paraná (ALACS) promoveu na segunda-feira (09) um sarau poético virtual em homenagem aos 100 anos da poetisa iratiense Olga Grechinski Zeni. O evento integrou as comemorações aos 150 anos da imigração polonesa no Paraná.

A homenagem no sarau virtual contou com a presença dos filhos de Olga que puderam relembrar a trajetória da mãe. 

Confira o áudio no fim deste texto com a declamação de algumas poesias da autora gravadas por pessoas do meio artístico cultural iratiense: Caterina Bálsamo Gaioski, Gaspar Gaioski, professor Edson Santos Silva, Claudete Basen, Marili Teixeira, Genoveva Zavlinski e também o presidente da ALACS, Herculano Batista Neto.

Nascida em 9 de agosto de 1921, Olga era a filha primogênita de João Greczynski e Maria Wasilewski Greczynski. Foi casada com José Cantídio Zeni (In Memoriam), com quem teve três filhos, José Eugênio, Raul Marcos, e Arthur Humberto Zeni. Faleceu aos 97 anos, em 7 de agosto de 2018.


Olguinha como era conhecida foi uma das primeiras proprietárias de uma escola infantil em Irati, que funcionava atrás da Casa Santa Maria. Em entrevista a nossa reportagem, a vice-presidente da ALACS, Luiza Nelma Fillus, falou que Olga se preocupava com a formação dos professores. “Dona Olga sempre se preparava para que seus professores fossem bem capacitados, os levava para a capital do estado e ainda essa escola era movida à literatura infantil, à muitos momentos agradáveis que ela própria dirigia”, conta.

Olga também teve papel importante no comércio iratiense, onde montou uma loja de roupas e promoveu desfiles de moda para a comunidade. “Ela foi uma mulher além do tempo dela porque além de ela ser proprietária de um comércio de roupas, sempre eram roupas de última geração, sempre coisas bonitas. Ela tinha bom gosto. Além disso, ela foi uma pessoa que fazia desfiles com os trajes que tinha na loja”, relembra Luiza.

Vice-presidente da ALACS, Luiza Nelma Fillus, relembrou momentos da vida de Olga durante participação no programa "Meio Dia em Notícias" quando foi entrevistada por Jussara Harmuch. Foto: Divulgação

 Autora de diversas obras, Olga também fez parte da ALACS, como Patronesse da cadeira 26, além de pertencer a diversas entidades culturais do Brasil e do Exterior.

O primeiro de seus livros, intitulado Poesias, foi publicado em 1960. Depois vieram Escrínio, em 1968; ABC da Literatura em Irati, 1969; Fragmentos, em 1971; 2ª Edição Escrínio, 1971; Poesias Livro 1, Escrínio Azul livro II, Símbolos livro III, e Fragmentos livro IV, em 1971, Clarões da Noite ou Perfis edição 1982; Acordes Submissos e Digressões Estilísticas em 1984; Idílio Tropical em 1985; Espírito da Floresta e Pássaros Azuis, dois em um, edição 1989, Prosas e poesias, Vagas Insubmissas e Marcos Cambiais em 1991; Rufos: Poesias Sempre, edição 2000, Movimento Literário em 1985; Antologia de Poesias (Bienal de S. Paulo) em 1988; Garimpeiros em 2003, Palavras Assumidas em 2003; No Limiar da Luz em 2003; Poesia Integral Contemporânea em 2005; Prosa e Poesia, Barcaça: Décadas de Correspondência Literária entre dois poetas nacionais em 2006; O Grande Objetivo: Bases e Comunicação a Serviço da Oratória em 2009 e Caminheiros, Irmãos da Jornada, também em 2009.

Olga ainda conseguiu reunir em um livro, todos os discursos realizados entre 1962 e 1997, em diversos eventos da cidade. “Ela fez um trabalho que até quem a ajudou complementar foi o Herculano Batista Neto, o atual presidente da ALACS. O livro se chama O Grande Objetivo. E esse livro contém os discursos que ela fez desde o ano de 1962 até 1997, perfazendo 35 anos. Porque onde tinha algum evento, alguma inauguração, alguma festa, algum curso, uma palestra, Dona Olga primeiro era convidada, porque era uma pessoa muito amável, muito comunicativa. Em segundo, ela levava dentro da bolsinha o discurso. Como ela era uma pessoa muito organizada, ela guardou os discursos todos. E para a nossa alegria, esses discursos todos foram publicados”, conta Luiza.

Ainda em sua vida, Olga publicou mais livros como Escrínio, Clarões da Noite ou Perfis, Acordes Submissos e Digressões Estilísticas e Espírito da Floresta e Pássaros Azuis. Pelos livros, Olga foi premiada com diplomas e medalhas de ouro, em concursos internacionais de 1974, 1975,1976 e 1989.

Ela também seria premiada na década de 1980 com o poema Eu sou o Futuro e a obra Idílio Tropical, que receberam diplomas e medalhas de Vermeil nos concursos de 1983 e 1985. Todos os concursos foram feitos pela outorga da Academia Internacional de Lutéce, de Paris, na França.

Ouça as declamações dos poemas de Olga no áudio abaixo