Publicidade Topo

notícias

Rota do Pinho poderá ser incluída no programa “Pedala Paraná”

Projeto, lançado pelo Governo do Paraná, contará com 80 ciclorrotas por todo o estado em sua fase inicial/Paulo Henrique Sava. com informações da AEN e reportagem de Sidnei Jorge

Ciclistas foram convidados a conhecer a Rota do Pinho, que poderá ser incluída no programa Pedala Paraná. Foto: Sara Sarraff

O governo do Paraná lançou no dia 10 de agosto o programa “Pedala Paraná”, em evento realizado na Superintendência Estadual de Esporte em Curitiba. O estado assinou um termo de cooperação com entidades parceiras e o termo de adesão com os municípios para a execução do programa.

No total, o programa terá 80 ciclorrotas em sua fase inicial. O município de Irati entrou com um protocolo junto à Paraná Esporte para que a rota do Pinho seja incluída no programa. Representantes de grupos de ciclistas tiveram a oportunidade de conhecer a rota no último sábado, 21. Em entrevista à Najuá, o professor Eduardo Teixeira, um dos responsáveis por elaborar a rota no município, ressaltou que um dos principais motivos da escolha da comunidade do Pinho foi seu potencial turístico.

“Nós sabemos do potencial aqui do Pinho, da comunidade e das famílias tão tradicionais desta região e que veio bem de encontro com os nossos objetivos enquanto ciclistas. Fomos até Curitiba e entregamos um ofício solicitando um protocolo para oficializar esta ciclorrota aqui do Pinho, com objetivo de oferecer estrutura, orientação, segurança e que possamos atingir um número ainda maior de pessoas e ciclistas não só de Irati, mas de toda a região, que participam das nossas rotas”, frisou.

Eduardo contou como a rota foi elaborada. “A rota foi pensada de acordo com o que nós já conhecíamos na região. Tivemos algumas orientações do Governo do Estado em relação à altimetria, distância e nível de dificuldade, que deveria ser de iniciante até, no máximo, intermediário, sem muita subida. O ciclista iratiense sempre sai para o lado que sai, com algumas subidas. Pensamos em primeiro lugar na segurança dos ciclistas, na estrutura, com estradas boas e seguras, sempre estradas principais e nada de trilhas, e aproveitando todo o histórico do Pinho, partindo da BR 277, passando pelos Pinhos, Caratuva 1 e 2, São Miguel, e volta para a 277”, comentou.

A família Zanlorenzi foi uma das primeiras a procurar Eduardo para oferecer uma estrutura completa e o que a gastronomia italiana tem de melhor para os cliclistas, através do Bike Point Pasta Dei Nonni, um dos pontos de apoio na rota do Pinho. “Foi muito bem pensado, bem preparado com muito carinho, como a família tradicional italiana costuma tratar bem seus visitantes. Aqui, pudemos vivenciar exatamente isto, a ótima recepção, a preocupação e o oferecimento da estrutura que eles têm aqui”, frisou.

Vanessa Alberton, presidente do Conselho Municipal de Turismo, ressalta o potencial da comunidade do Pinho para o turismo em relação à cultura italiana, especialmente no que diz respeito à religiosidade, gastronomia, tradições e artesanato. “É uma comunidade muito organizada, que está muito à frente e tem destaque em Irati. Enquanto conselho, estamos tentando fazer ações para fortalecer a comunidade e desenvolver ações para fortalecer a comunidade e desenvolver vários produtos e serviços em muitos segmentos aqui”, comentou.


A turismóloga Samantha Regina dos Santos ressaltou que, com a inclusão da rota do Pinho no programa, a comunidade poderá ser divulgada para todo o Paraná e para o Brasil. “Desta forma, convidamos todos a vir conhecer o Pinho, que é esta comunidade com esta riqueza gigantesca que temos. O trabalho já vem ocorrendo há muito tempo, e acredito que agora, principalmente após a pandemia, as pessoas buscarão este turismo natural, de esportes e de aventura, e acreditamos que esta rota sairá do papel e estará para todos que tenham interesse em conhecer o local”, frisou.

No total, 27 municípios já aderiram ao programa e outros entraram com protocolos solicitando a adesão, a exemplo de Irati. Conforme Samantha, outros projetos de ciclorrotas devem ser elaborados no município. “Esta ciclo-rota é a primeira; daqui a pouco surge uma rota de caminhada. Já tem projetos junto à ADECSUL com o turismo religioso. São vários projetos que estão em andamento, saindo do papel e florindo”, ressaltou.

Gabriele Zanlorenzi, uma das responsáveis pelo Bike Point Pasta Dei Nonni, ponto de parada montado na propriedade da família, destacou que a tradição da culinária italiana está presente na comunidade há quase 100 anos, quando seus ancestrais chegaram à região. “Mesmo eles vindo para cá, a tradição da culinária continua até hoje. Inclusive, a ideia principal da Pasta Dei Nonni foi a macarronada italiana, uma receita das minhas bisavós, que passou para a nonna, e ela passou para nós fazermos. Os outros alimentos que estamos servindo no café são feitos por mim, pela minha mãe e pela nonna, todos italianos e preparados com muito carinho”, comentou.

O jornalista Pedro Henrique Wasilewski, um dos fundadores do Bike Point Pasta Dei Nonni e namorado de Gabriele, ressaltou que o local é um ponto de apoio para os ciclistas que fazem a rota do Pinho e aproveitam para degustar um pouco da gastronomia local. Ele destacou que a inclusão da rota no Pedala Paraná é importante para fortalecer o turismo na região, mesmo entre as pessoas que não praticam o ciclismo. “Estaremos recebendo grupos de turistas que vão fazer o cadastro previamente, para podermos recebê-los. Estamos com vários projetos futuros, talvez até com almoço cultural”, frisou.

Para agendar visitas, os interessados podem entrar em contato pelas redes sociais da Pasta Dei Nonni no Instagram (@pastadeinonni) ou no Facebook (facebook.com/pastadeinonni) ou ainda pelo WhatsApp (42) 3423-1491.

Fotos: Sara Sarraff e Sidnei Jorge


Quadro com mensagem de boas-vindas aos turistas na entrada do Bike Point Pasta Dei Nonni

Antoninho Zanlorenzi, um dos pioneiros da comunidade

Ciclistas reunidos para conhecer a Rota do Pinho

Gabriele Zanlorenzi e Pedro Henrique Wasilewski, fundadores do Bike Point Pasta Dei Nonni