Publicidade Topo

notícias

Secretária de Educação de Irati afirma que menos de 30% dos alunos matriculados voltaram às salas de aula

Segundo Jandira Terezinha Girardi, profissionais que atuam nas escolas e CMEI’s do município foram preparados antecipadamente para o retorno. Escolas também adotaram medidas de combate ao coronavírus. Turmas foram divididas em grupos e estão se revezando semanalmente nas aulas/Paulo Henrique Sava
Escolas municipais de Irati retomaram aulas presenciais na última segunda-feira, 19. Foto: Paulo Henrique Sava

Escolas e CMEI's da rede municipal de educação de Irati retomaram as aulas presenciais na última semana. Em entrevista à Najuá, a secretária municipal de educação Jandira Terezinha Girardi, afirmou que, apesar da capacidade das salas de aula ter sido estabelecida em 30% dos alunos matriculados, a frequência dos alunos está abaixo deste percentual. A secretária afirmou que o número exato de crianças que voltaram às aulas presenciais varia de escola para escola. 

“Nós temos escolas com quatro turmas de 5º ano e outras com apenas uma. Tem muita gente que pergunta por que seus filhos vão à escola todos os dias e na outra escola as crianças do 5º ano não vão, mas isto é por causa deste número de alunos. Uma escola que tem 30 alunos por sala vai ter que fazer uma escala, diferente de uma que tenha 12 em uma turma, por exemplo. Temos escolas que têm de 10 a 12 alunos, então cada uma fez o seu cronograma. Demos esta autonomia, então elas trabalham desta forma, que é melhor para cada escola”, frisou.

O retorno das turmas está sendo feito de forma gradativa. Inicialmente, retornaram às aulas alunos dos 5ºs anos das escolas e do Maternal III dos CMEI’s. O restante das turmas irá voltar às salas de aula de forma gradativa, conforme a secretária. “Nós vamos fazer de forma lenta porque não sabemos como virá esta terceira onda (da Covid-19). Todos estão agoniados e, querendo ou não, ficamos na expectativa deste vírus (coronavírus). Então, estamos fazendo gradativamente, com o 5º ano, que vai permanecer por mais dias, e o Maternal III para eles se habituarem a utilizar as máscaras direto, pois em casa sabemos que ninguém usa. Precisamos fazer esta preparação para que eles fiquem com a máscara, e leva um tempo para eles se acostumarem. Gradativamente, vamos colocando as outras turmas”, afirmou.

Na Escola Municipal Irmã Helena Olek, por exemplo, que tem 120 alunos matriculados, 72 voltaram às aulas, divididos em dois grupos. A capacidade máxima de cada turma é de 10 alunos por sala, segundo a diretora Nelci Rozyski Wolski. “Em cada grupo, a gente não ultrapassa 10 alunos por turma e por atendimento: um grupo vem em uma semana e o outro na seguinte. Em média, cada grupo tem entre 8 a 10 crianças”, ressaltou. Os grupos de alunos são intercalados semanalmente.

Nelci contou quais são os procedimentos adotados junto aos alunos durante o período de aulas. “Quando a criança chega à escola, no portão é aferida a temperatura, ela passa o álcool gel nas mãos e se dirige diretamente à sala de aula. Estamos evitando deixar as crianças no pátio para que elas tomem cuidado com o distanciamento. Na hora do lanche, eles vão no refeitório com o professor. Tem alguns que trazem o lanche. No banheiro, sempre tem um funcionário atendendo e tomando conta, e cuidamos para que não vão vários alunos ao mesmo tempo. Estamos tendo este cuidado pela segurança das crianças”, comentou.

Na hora do recreio, cada turma vai para o lanche em um horário diferenciado. As crianças que não utilizam o refeitório podem lanchar na sala. Depois, elas são levadas para o pátio, sempre acompanhadas de professores e funcionários.

Jandira afirmou que os profissionais já vinham sendo preparados para a retomada das atividades, através da realização de cursos online com professores e funcionários da rede municipal de ensino. Além disso, foram adotadas medidas de combate à Covid-19, como a aquisição álcool gel, máscaras e termômetros para aferição de temperatura.

“Teve a preparação em termos da volta às aulas para psicologicamente e emocionalmente recebermos estes alunos, como também a preparação quanto aos EPI’s e tudo o que o COEF (Centro de Operações Especiais e Fiscalização) nos pede que seja feito para a volta às aulas. Fizemos toda a preparação e enviamos tudo com antecedência para que, quando os alunos chegassem às escolas, tivessem o álcool gel, os termômetros e as máscaras. Não vamos deixar de pedir isto e mandar estes materiais para as escolas”, frisou.

Segundo Jandira, a formação dos professores oferecida pela secretaria foi mantida mesmo durante a pandemia. Os psicólogos da secretaria Vitor e Tereza e o enfermeiro Agostinho Basso (coordenador do COEF) tiraram todas as dúvidas a respeito da Covid-19 e como proceder com os alunos nas escolas.


Aulas remotas - Sobre as aulas remotas, as apostilas continuam sendo entregues para os alunos cujos pais optaram pela permanência neste sistema, conforme explica a secretária. “É claro que dobra (o trabalho) para os professores, que já tinham trabalho a mais por causa da pandemia, porque eles estão no dia-a-dia com os alunos que vão e têm que atender os que não vão. Elas estão fazendo lives, meet e material impresso. O professor sempre aprendeu a se virar, e não seria nesta pandemia que ele não faria isto. Então, tanto os CMEI’s quanto as escolas executam bem este trabalho”, enalteceu.

Na escola Irmã Helena Olek, as atividades remotas são impressas e entregues para os pais semanalmente ou a cada 15 dias. Eles também têm a opção de baixar o material pelo WhatsApp e imprimir em casa. Além disso, nos grupos das turmas, são postados vídeos e feitos encontros online junto às crianças para orientações dos professores.

Caso os pais que optaram pela continuidade do ensino remoto decidam enviar seus filhos para as escolas, eles devem conversar antes com as diretoras e avisá-las sobre esta decisão. “Como dissemos que cada escola assumiu uma postura diferente, desde o cronograma das aulas, os dias e tudo o mais, ele tem que ir até a escola e conversar com o diretor. Eu peço que eles esperem mais um pouco, já que disse não. Os pais que colocaram “não” já estavam pensando nesta terceira onda, na minha opinião. Então, eu acho que eles vão aguardar mais um pouco para ver como o vírus vai se portar. Eles têm esta liberdade: é só ir direto na escola e conversar com o diretor para resolver esta questão”, pontuou.

Nelci ressalta que os pais que escolheram enviar seus filhos para a escola e optarem novamente pelo ensino remoto, também terão este direito. “Por exemplo, pode que uma criança esteja vindo para o presencial e ter surgido caso na família, que deve optar pelo isolamento, ou fica receoso com o aumento no número de casos, os pais vêm até a escola, registramos que eles querem que o filho passe para o remoto e a criança passa para o remoto”, frisou.

Nova paralisação - O cronograma para retorno de todas as turmas já foi estabelecido. Porém, como ele pode ser alterado, Jandira preferiu não divulgar as dadas. Entretanto, se for necessário, as aulas poderão novamente ser paralisadas. “Nós não sabemos do amanhã, pois a Covid-19 é muito surpreendente. Ficamos aguardando o que vai acontecer. Por mais que você saiba o que está acontecendo fora e os comentários, ficamos apreensivos para saber o que vai acontecer. Se for necessário, paralisaremos as aulas porque temos que fazer isto para preservar todos os funcionários das escolas e principalmente os alunos e as famílias. Todos temos famílias, e daí fica difícil, por isto é claro que iremos paralisar se for necessário”, finalizou.

Fotos: Paulo Henrique Sava

Secretária de Educação, Jandira Terezinha Girardi.


Refeitório da Escola Municipal Irmã Helena Olek

Diretora da Escola Municipal Irmã Helena Olek, Nelci Rozyski Wolski

Corredor da Escola Irmã Helena Olek tem marcações no chão