Publicidade Topo

notícias

Mãe e filho são atacados por cachorro em Irati

Guarda Municipal foi acionada, mas o proprietário do animal não estava na casa

Foto: Divulgação

Mãe e filho foram atacados por um cachorro na Vila Matilde, em Irati, na manhã de ontem, 14. O fato ocorreu quando as vítimas passavam em frente de uma residência. O proprietário do animal não estava na casa. A mulher que foi atacada pelo cachorro acionou a Guarda Municipal. Ela foi orientada sobre as responsabilidades do proprietário do animal e as medidas que podem ser tomadas.

A Guarda Municipal também foi solicitada para dar apoio aos funcionários da Polícia Civil no encaminhamento de dois detentos que necessitavam de tratamento médico. Eles foram atendidos na unidade Ildefonso Zanetti. Em seguida, eles foram levados novamente para a Delegacia. 

Já no início da noite de ontem, 14, foi registrado um incêndio em uma Área de Preservação Permanente (APP) nas margens do Rio das Antas, na rua Abílio Carvalho Bastos, no bairro Rio Bonito. O Corpo de Bombeiros foi acionado para controlar o fogo. A Guarda Municipal foi acionada para tentar localizar a pessoa que ateou fogo no local. Os agentes conversaram com moradores próximos, mas o autor não foi encontrado.

Ainda em Irati, uma TV de 32 polegadas e um home theater foram furtados de uma residência na localidade de Cochinhos, na tarde de ontem. O proprietário da casa relatou que saiu do local por volta das 8h20. Quando retornou às 16 h, o morador notou que a porta da frente do imóvel havia sido arrombada.

Em outra situação, uma moto Honda CG foi apreendida por apresentar irregularidades no escapamento. Os policiais tentaram abordar o motociclista, mas ele não acatou a ordem de parada e fugiu em alta velocidade. O homem ultrapassou várias preferenciais, colocando em risco a segurança de outros motoristas e pedestres que transitavam pela Avenida Teixeira Soares. O condutor foi abordado, mas não portava objetos ilícitos. Já a moto estava com o escapamento alterado. Em virtude da irregularidade, o condutor foi levado para a sede da 8ª Cia, onde assinou o Termo Circunstanciado. Ele foi autuado por direção perigosa e desobediência. Já a moto foi apreendida.

Em outra ocorrência na madrugada de hoje, 15, policiais constataram uma situação de som alto e perturbação de sossego na rua José Floriani. Vizinhos relataram que a circulação de pessoas no local é intensa sempre com som alto e algazarras. O barulho se estende até tarde e incomoda os vizinhos. Os moradores demonstraram interesse de representar contra a proprietária da casa. Por isso, ela foi conduzida para a sede da 8ª Cia para assinar Termo Circunstanciado.

Em Rio Azul, um homem agrediu seu sogro com uma barra de ferro na quarta-feira, 14. O morador disse que o genro chegou em sua casa embriagado e agindo de forma agressiva. Ele discutiu com a esposa. Na tentativa de defender a filha, o homem foi agredido com a barra de ferro. O genro danificou alguns objetos da residência. Ele chegou a quebrar uma impressora. O agressor foi conduzido ao Destacamento da PM, onde assinou o Termo Circunstanciado.

Em Imbituva, uma moto Honda CG 160 Fan foi furtada na localidade de Nova Esperança, na tarde de ontem. A proprietária relatou que estava vendendo a moto. Um homem combinou de ir até a casa da mulher, pois havia demonstrado interesse de comprar a motocicleta. Ele foi até o local e pediu para testá-la. Entretanto, ele saiu e não retornou. Policiais realizaram buscas, mas não encontraram o autor do furto. Segundo a vítima, o homem é moreno, possui cabelo descolorido em tom amarelado e usava um capacete branco.

Também em Imbituva, uma mulher relatou que está sendo ameaçada pelo ex-convivente. A vítima afirmou a PM que teve um relacionamento com ele há oito anos. Conforme a moradora, a partir de novembro de 2020, o homem passou a persegui-la no local de trabalho e na sua residência. Ele costuma transitar com um veículo Montana, de cor prata. O homem passa em frente à casa da vítima e pede para a mulher entrar no seu carro. Ele também solicita que a mulher passe o seu número de celular. A moradora disse que desenvolveu crise de ansiedade pela situação e precisa tomar medicamentos controlados. Ela também falou que não consegue dormir à noite, pois fica preocupada com a situação e teme que seja agredida.