Publicidade Topo

notícias

Com 284 votos, Niltinho vence eleição para presidência do SISMI

Motorista da secretaria de Saúde venceu a disputa contra o atual presidente do Sindicato, Elton Ênio Fillus, por uma diferença de 66 votos

Niltinho comandará SISMI no próximo triênio 2021/2024. Foto: Vânia Andrade

A chapa 1 denominada “Renovação e Transparência” venceu a eleição do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Irati (SISMI) realizada na quarta-feira, 21. Com isso, o servidor Nilton Sérgio Olenik dos Santos, o “Niltinho”, que atua como motorista da secretaria de Saúde, será o presidente da entidade entre 2021 e 2024.

A chapa vencedora teve 284 votos. Já a chapa 2 “Quem tem esperança sempre alcança”, liderada pelo atual presidente do SISMI, Elton Ênio Fillus, ficou em segundo lugar com 218 votos. A diferença entre o primeiro e o segundo colocado foi de 66 votos.

Niltinho atua há dez anos como motorista do setor de saúde em Irati. Ele concorreu pela primeira vez ao cargo de presidente. Em contato com a nossa reportagem, Niltinho agradeceu as pessoas que apoiaram sua chapa e pediu a colaboração de todos os servidores na luta para atender as reivindicações da categoria. "Quero deixar aqui o agradecimento a todos os componentes da nossa chapa porque essa união que fez essa vitória acontecer. Quero deixar o agradecimento aos que não eram da nossa chapa, mas deram um apoio muito importante. Pedi o apoio de todos sem polarização. A eleição acabou agora temos que nos unir para que nossa classe seja mais forte. A partir do dia 1º de agosto estaremos lá para trabalhar em prol do coletivo sem imposição em paralelo com a administração, com o legislativo, com a associação de servidores e o CAPS. Nosso lema é transparência e será nosso carro-chefe", salienta o novo presidente do SISMI. 

A chapa "Renovação e Transparência" é formada pelos seguintes componentes:

Presidente: Nilton Sérgio Olenik dos Santos- Motorista da saúde

Vice-presidente: Rosângela Maria Likes- Professora de Educação Infantil do CMEI Santo Antônio

Tesoureiro: Hemerson Campagnaro- que atua no Departamento de Tributação da Prefeitura de Irati

1ª secretária: Natalia Mesquita- Setor de Engenharia da Prefeitura

2ª secretária: Cristiana Márcia M. Tech- Professora na Escola Ana Amaral Gruber e no EJA na Escola Padre Wenceslau

Secretária de Imprensa e Comunicação- Cleide da Cruz de Andrade- atua na secretaria de Planejamento da prefeitura

Secretaria de Organização- Luciane de Fátima Formankevski- atua na secretaria de Saúde; Viviane Portela- Técnica de Enfermagem; Jackeline Terezinha Sequinel Franczak- Aposentada; e Marcos Rodrigo Sprada- Pátio de Máquinas

Conselho fiscal- Cesar Bacil- Secretaria de Assistência Social; Lucimari Dwulatka- Professora no CMEI Alexandre Iarema; Marli Gorzinski- Centro Odontológico; Gilson Nicolau Santos- Enfermeiro; e Pedro Hélio Grocosky- Departamento de Tributação e Fiscalização

Suplentes

Conselho Fiscal: Juscinei das Graças Martins-Professora Aposentada; Rosemery Kremer- Serviços Gerais do CMEI Santo Antônio; Adão Denilson Alves- Motorista da Saúde; Jonas Lichacolwski- Motorista socorrista do Pronto Atendimento; Marlene Van Der Wall- Professora CMEI Planalto do Futuro

Secretaria de Organização: Sandra Maria de Almeida- Assistente Social aposentada; Cassia Menon- Professora do CMEI Planalto do Futuro; e Eber Ismael Zultanski Portela- Técnico em Enfermagem.

Resultado da eleição:
A eleição ocorreu das 8 às 17 h em cinco locais: sede do SISMI, na Avenida Vicente Machado, prédio da Prefeitura, na rua Coronel Emílio Gomes, sede da secretaria de Educação, na rua Coronel Pires, sede da secretaria de Saúde, na rua Zeferino Bittencourt, e pátio de máquinas, na rua Maria Bitar do Prado. Conforme a ata da comissão eleitoral, o total de votos foi de 517. Na urna da secretaria de Educação, 87 sindicalizados votaram. Foram registradas duas sobre-cartas e 87 cédulas apuradas. A chapa 1 recebeu 52 votos contra 33 da chapa 2. 

No pátio de máquinas, 60 sindicalizados votaram, sendo uma sobre-carta e 60 cédulas apuradas. O candidato Niltinho recebeu 43 votos contra 15 de Elton Fillus. Um voto nulo também foi registrado. No prédio da prefeitura foram registrados 91 votos, uma sobre-carta e 91 cédulas apuradas. 50 votos foram computados para a chapa 1 e 40 para a chapa 2. Na secretaria de Saúde, 88 servidores votaram. A comissão eleitoral registrou 88 cédulas e uma sobre-carta. Niltinho obteve 61 votos. Já Elton teve 25 votos. Um voto nulo foi contabilizado. No Sindicato, 180 pessoas registraram voto. Além disso, foram computadas cinco sobre-cartas e 180 cédulas. A chapa 1 recebeu 74 votos. Já a chapa 2 obteve 99 votos. Com isso, essa foi a única urna que a chapa 2 venceu. Mais dois votos nulos foram registrados.

No total, a Comissão Eleitoral registrou dez sobre-cartas, sendo que quatro votaram no candidato Niltinho e seis em Elton. Ao todo, quatro votos nulos foram computados.

A presidente da Comissão Eleitoral, Tânia Aparecida Surek, explica que as sobre-cartas são uma forma de registrar a presença das pessoas que foram votar e são sindicalizadas, mas não tinham o nome indicado na lista. “Então eles votaram em separado, colocando o voto num envelope e esse envelope foi colocado dentro de um novo envelope, mas foram computados esses votos no final da votação”, afirma Tânia.

Ela avalia que o processo ocorreu de forma tranquila e dentro do esperado com menos votantes do que o primeiro pleito realizado em abril, que foi impugnado. “Foi uma eleição bem tranquila, a gente já esperava que tivesse menos votantes do que na eleição anterior e aconteceu. Nós 7h15 da noite já tinha encerrado tudo. Então, foi uma eleição dentro do esperado. A gente já declarou eleita a chapa 1, na ata já consta isso que a chapa 1 foi eleita. Agora é só ver o prazo para que ela tome posse”, afirma Tânia.

Eleição impugnada:
Na primeira eleição realizada no dia 7 de abril, que foi impugnada, foram computados 513 votos contra 502 no pleito desta quarta. Na primeira disputa, a chapa 1 havia terminado em primeiro lugar com 238 votos. A chapa 2 obteve 191 votos. Já a chapa 3 "União faz a Força" do candidato a presidente Matheus da Silva Muller ficou na terceira colocação com 80 votos. Matheus não se inscreveu para participar do pleito desta quarta-feira, 21. 

Segundo Tânia, como a primeira eleição foi invalidada não havia necessidade da chapa 3 apresentar justificativa por não ter disputado o novo pleito. “Agora é uma nova eleição, então só duas chapas pediram para concorrer. A chapa do Matheus, que concorreu na eleição anterior, simplesmente não fez filiação para esta campanha”, explicou a presidente da Comissão Eleitoral.

Niltinho não foi declarado vencedor da primeira disputa, pois sua chapa não atingiu a maioria absoluta de votos, condição exigida pelo artigo 110 do Estatuto do SISMI. Para ser eleito em primeira votação, o candidato precisava atingir 50% dos votos mais um. Para ser eleita, a chapa 1 deveria ter atingido 257 votos. Porém, ela recebeu 238 votos. O fato da eleição ter mais de dois candidatos não alterou a exigência de maioria absoluta. A soma dos votos obtidos pelas chapas 2 e 3 foi de 271. Por esse motivo, segundo a comissão eleitoral, a maioria absoluta dos votantes não optou pela chapa 1 como sua representante naquela ocasião. Além disso, a comissão eleitoral também havia constatado que diversos associados aposentados foram impedidos de votar. Na oportunidade, os nomes não constavam na lista de votação. Em verificação no Caixa de Aposentadoria e Pensão dos Servidores Municipais de Irati (CAPS-Irati), a comissão apurou que a contribuição sindical não estava sendo recolhida dos associados aposentados que foram impedidos de votar.

Antes da eleição que foi impugnada, o pleito foi adiado por duas vezes no mês de março como medida de prevenção ao coronavírus, já que naquele momento o município registrava aumento no número de casos da doença.