Publicidade Topo

notícias

Saúde justifica falta de médicos e remédios na Unidade Sentinela de Irati nesta sexta-feira

Segundo a secretária, um dos médicos escalados precisou se ausentar para realizar uma prova em Curitiba e o que o substituiria foi diagnosticado com Covid-19. Hidroxicloroquina está em falta e chegará na segunda/Paulo Henrique Sava

Movimentação pequena neste sábado, 29, na Unidade Sentinela do Estádio Municipal Abrahm Nagib Nejm, em Irati. Foto: Paulo Henrique Sava

Um ouvinte da Najuá reclamou sobre falta de médicos nesta sexta-feira, 28, na Unidade Sentinela para a Covid-19, em Irati, no período da tarde. Ele enviou mensagem para a nossa emissora dizendo que chegou no local por volta de 13h30 e foi informado de que teria que aguardar até as 16 horas para receber atendimento.

Procurada pela Najuá, a secretária de Saúde, Jussara Aparecida Kublinski Hassen, justificou que a situação ocorreu porque um dos médicos escalados para trabalhar das 13h às 16 horas tinha prova agendada em Curitiba e precisou viajar até a capital. Outro profissional já havia sido escalado para substitui-lo, mas acabou testando positivo para Covid-19. Mesmo assim, ela ressaltou que as pessoas que chegaram à Unidade Sentinela neste período para receber atendimento foram encaminhadas para o Pronto Atendimento da Vila São João.

“Ficamos com uma lacuna das 13h às 16 horas, mas os pacientes que chegavam com alguma alteração vital eram encaminhados para o PA, onde eram atendidos. Os demais, a partir das 16 horas, chegou outra médica e foram atendidos. Todo mundo foi atendido, inclusive ontem foi até as 20 horas, mas ninguém saiu de lá sem atendimento”, frisou.


Conforme a secretária, os médicos também estão vulneráveis ao vírus, uma vez que eles atendem cerca de 150 a 180 pacientes por dia. Ela reclama da dificuldade de conseguir profissionais para atuar na unidade e diz que imprevistos como o ocorrido ontem podem voltar a acontecer. “É muito cansativo, realmente precisamos ter esta quantidade de médicos e graças a Deus conseguimos. Não é fácil conseguir médicos porque todo mundo precisa. Estamos com um que é voluntário [Dr. João Maria Davaus]e está nos ajudando muito. Eu gostaria que a população tivesse um pouco mais de paciência porque ninguém vai ficar sem atendimento, mas vão acontecer estes imprevistos sim, são todos humanos e estão vulneráveis a pegar o vírus a qualquer momento. Ninguém vai ficar sem atendimento, e os que não estiverem bem, encaminharemos para o PA imediatamente”, comentou.

Diariamente, quatro profissionais atendem por escala na Unidade Sentinela, sendo dois das 08h às 17 horas e outros dois das 17h às 19 horas. O número de pessoas atendidas na Unidade Sentinela nesta sexta-feira, 28, caiu em relação ao verificado no início da semana. Ontem, foram realizados cerca de 80 atendimentos. Na segunda-feira, 24, foram atendidos 200 pacientes. Enfermeiros que atuam no local informaram que ninguém recebe os medicamentos sem antes passar por consulta médica.

Questionada sobre a falta da Hidroxicloroquina,  que deixou de ser entregue desde quinta-feira, Jussara informou que o medicamento deve ser entregue ao município na segunda-feira, 31, à tarde. No entanto, na hora da consulta, o médico deve orientar se o paciente que esteve durante a semana na Unidade Sentinela deve retornar para pegar o medicamento.

A Unidade Sentinela atende de segunda a sexta-feira das 08h às 19 horas, e aos sábados das 08h às 17 horas. Aos domingos, a unidade estará fechada. Neste dia, quem necessitar de atendimento deve procurar o Pronto Atendimento da Vila São João.

Unidade Sentinela funciona de segunda a sexta-feira, das 08 às 19 horas, e aos sábados das 08h às 17 horas. Aos domingos, a unidade permanecerá fechada. Foto: Paulo Henrique Sava