Publicidade Topo

notícias

Rio Azul estabelece toque de recolher às 18 h

Novo decreto determina funcionamento do comércio de segunda a sábado das 6 às 18 h. Venda de produtos no sistema delivery pode acontecer até 21 h

Foto: Divulgação

Um novo decreto publicado em Rio Azul estabelece o toque de recolher a partir das 18 h. Com isso, o comércio pode funcionar das 6 às 18 h de segunda a sábado. Nos domingos somente farmácias, postos de combustíveis e distribuidoras de gás podem funcionar no sistema de plantão. A medida foi tomada em virtude do aumento de casos de coronavírus no município.

Até agora, 11 rio-azulenses morreram em função da doença desde o início da pandemia. 11 moradores estão internados, sendo que alguns deles permanecem no hospital São Francisco de Assis aguardando transferência para outra unidade especializada no tratamento de pacientes com Covid-19. Em alguns casos, moradores tiveram que internar familiares na rede particular em função da falta de vagas nas unidades do SUS. Segundo relato de algumas pessoas, o custo médio de uma UTI particular é de R$ 8 mil por dia. Em Rio Azul, 165 casos de coronavírus permanecem ativos. Desses, 35 novos casos foram registrados nesta quarta-feira, 12. No total, 681 casos de coronavírus já foram registrados na cidade. 505 munícipes estão recuperados, 177 pessoas aguardam resultado dos exames e 432 moradores permanecem em monitoramento.

Conforme o decreto publicado ontem, 11, o toque de recolher passou a ser das 18 às 5 h do dia seguinte em Rio Azul. Neste horário poderão circular somente entregadores de restaurantes e lanchonetes, trabalhadores de serviços essenciais e casos emergenciais. Já a venda de produtos na modalidade delivery pode ser realizada até 21 h. “Foi proibido consumo de alimentos em qualquer estabelecimento. Só pode retirar nos locais. O delivery pode funcionar até 21 h para entrega e não para retirar no balcão”, relata a secretária de Saúde, Cristiana Maria Schvaidak.


A multa para quem descumprir o decreto municipal ou não utilizar máscara aumentou de R$ 200 para R$ 500. Denúncias de aglomerações podem ser repassadas no telefone whatsapp 9-9125-6089.

Em vídeo publicado no Facebook na noite de terça-feira, o prefeito Leandro Jasinski e a secretária de Saúde falaram sobre o novo decreto que foi publicado. Leandro relatou que as medidas foram tomadas em conjunto com os integrantes do Comitê de Enfrentamento da Covid-19, funcionários da secretaria de Saúde e médicos e demais profissionais do hospital São Francisco de Assis.

“Toda a população tem acompanhado o quanto tem aumento o número de casos positivos do vírus aqui em Rio Azul nos últimos dias, como não está sendo diferente nas cidades vizinhas. Em Rio Azul estamos tomando algumas medidas que foram decidas junto com o comitê de enfrentamento da Covid, pessoal da saúde, a secretária [Cristiana] e tivemos em conversa com todos os nossos médicos e toda equipe do hospital São Francisco de Assis, profissionais que estão na linha de frente. Precisamos do apoio de todos. Um engajamento de todos, uma briga que não vai ser só um soldado que vai conseguir vencer essa batalha”, disse o prefeito.

Leandro afirmou que o município intensificou as fiscalizações para verificar se as pessoas que tiveram sintomas da doença e estão em monitoramento cumprem o período de isolamento. “A secretária [de saúde] já tomou uma excelente atitude de fechar as unidades do interior para trazer esses agentes comunitários da saúde para estar fiscalizando, nos ajudando nessa batalha”, relatou.

Com o fechamento das unidades de saúde no interior do município, os profissionais foram remanejados para atender na unidade Sentinela, ajudar no monitoramento e nas campanhas de vacinação da Covid-19, que seguem o cronograma já anunciado, inclusive na área rural. Os atendimentos eletivos estão suspensos em todos os postos de saúde. Situações de urgência serão atendidas na unidade da Vila Diva. A partir de terça-feira, 11, dois médicos passaram a atender os moradores na unidade Sentinela destinada para pessoas com sintomas suspeitos de coronavírus.

O horário de atendimento na unidade Sentinela é das 8 às 20 h. As medidas são válidas por 15 dias. “As unidades estão fechadas, nós reestruturamos a equipe de monitoramento, mais pessoas estão acompanhando esses pacientes suspeitos e confirmados. É muito importante esse controle, é muito importante manter todas as medidas de segurança lavar as mãos, utilizar a máscara e manter distanciamento. Todas as ações no decreto são para conter a contaminação que está muito grande no município. A unidade sentinela está atendendo muitas pessoas diariamente só ontem teve 136 coletas num único dia”, afirma Cristiana.

Vendedores ambulantes de outros municípios estão proibidos de comercializarem seus produtos em Rio Azul. “Ninguém se sente confortável nessa situação que estamos vivendo, mas com certeza a nova cepa está em nosso município, o quanto ela é mais violenta e vem se alastrando de uma forma gigantesca muito rápido. Precisamos apoio de cada um de vocês para sair vitorioso nessa batalha contra o coronavírus”, solicitou o prefeito.
 
Em uma carta aberta encaminhada para o prefeito de Rio Azul, os vereadores já haviam manifestado preocupação com a situação da pandemia no município. “É público e visível que estamos imersos no momento mais grave da crise sanitária trazida pela disseminação do novo coronavírus. Quadro alarmante com o esgotamento dos recursos de saúde, com insuficiente número de leitos no hospital local, de leitos de UTI, respiradores e profissionais de saúde em todas as regiões do Estado. Sabemos que esta situação que já levou à morte muitos cidadãos e que desespera outros tantos que estão à espera de atendimento especializado, cada vez mais difícil, tende a se agravar com a chegada do inverno. Diante disso, considerando que o quadro atual poderá deteriorar-se muito se não houver medidas concretas de enfrentamento, precisamos tomar providências urgentes, orientando-nos pelas experiências bem-sucedidas em outros municípios, por ações de baixo custo e de impacto certo que possam reverter esta situação calamitosa, sem precedentes, que enfrentamos”, diz um trecho da carta encaminhada ao Executivo no dia 7 de maio.

No documento, os vereadores relataram que a população está cobrando ações mais efetivas no combate a Covid-19, como fechamento de atividades não essenciais e o toque de recolher noturno. Os parlamentares também citaram a possibilidade de decretar e efetivar bloqueios ou lockdown como meios de impedir a contaminação. “O inimigo que enfrentamos é comum e não escolhe vítimas. É hora de cada um fazer a sua parte e, por isso, mais do que nunca é preciso ser solidário e entender a importância de nos unirmos para controlar a pandemia que nos aflige”, relatam os nove vereadores que assinaram a carta. São eles: Sérgio Mazur (presidente da Câmara), Ana Rita Boni, Cesar Martins dos Santos (Geleia), Edson Paulo Klemba, Felipe Cheremeta, Jussara Martins, Mariano Vicente Tyski, Sebastião Flores Soares e Zerico José Nepomoceno.