Publicidade Topo

notícias

Em operação, homem é preso acusado de aplicar golpe em mulher

Segundo a PM, vítima, que reside em Irati, teria conhecido autor pela internet. Ele teria vendido o automóvel e colocado a residência dela à venda

Foto: Arquivo Najuá
Em operação conjunta entre a Polícia Militar (PM), o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), o Ministério Público (MP) e a Polícia Civil, um homem de 47 anos, foi preso nesta quinta-feira, 15, depois de aplicar um golpe em uma mulher de 62 anos em Irati. Segundo denúncia apresentada por familiares da vítima à PM, o autor residia em União da Vitória e conheceu a mulher pela internet. Pouco tempo depois, ela teria o convidado para formarem um casal e morarem juntos, na Vila São João. 

Durante as investigações, foi constatado que o autor teria vendido vários objetos da vítima, inclusive seu automóvel, sem consentimento.  Ele também havia colocado a residência dela à venda, conforme explica a subcomandante da 8ª Companhia Independente da Polícia Militar, Tenente Gisleia Ferreira. 

“Vimos que a situação era bem mais grave porque ele estava acabando com todo o patrimônio dela, que é viúva. Resolvemos, em conjunto com o CREAS, o MP e a Delegacia de Polícia Civil, fazer esta operação para verificar quem era este homem, pois o nome que ele tinha dado para ela não conseguimos verificar se existia ou não, então provavelmente era um nome fictício”, comentou. 

Quer receber notícias locais?

Desde agosto de 2020, a família não conseguia contato via celular com a mulher porque ela havia trocado o número do aparelho, o que causou uma certa estranheza. Os denunciantes relataram à Polícia que, toda vez que visitavam a vítima, o homem estava em sua companhia. Em verificação ao sistema da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SESP), foi possível constatar que o nome repassado pelo autor era falso e que ele já tinha passagens pela Polícia em outras cidades, como São Mateus do Sul, Clevelândia, Vitorino, União da Vitória e Pato Branco, pelo mesmo crime. 

Em conversa com as equipes que atuaram na operação, a mulher contou detalhes sobre as ameaças, agressões e extorsões que sofria por parte do convivente. “Nós conversamos com ela, que acabou relatando todas as ameaças que recebia dele, as agressões e a extorsão que ele fazia, dizendo que ela tinha que dar dinheiro para ele sempre. Ontem (terça-feira), ele tinha lesionado ela, então foi feito o laudo de lesões corporais e o autor foi encaminhado para a Delegacia, onde vai ficar preso por violência doméstica, estelionato, lesão corporal e ameaça. Ele está fechado, mas já tinha feito isto em outras cidades”, frisou. 

Segundo Gisleia, a maior parte dos casos caracterizados como “violência doméstica psicológica” não chega ao conhecimento das autoridades policiais. Por isto, é importante que situações semelhantes sejam denunciadas para a Polícia Militar. “É muito importante a divulgação do crime que ocorreu e desta prisão porque tem muitos casos acontecendo por aí que ninguém denuncia, achando que não vai dar nada. A violência doméstica psicológica é muito silenciosa. Se não tiver um parente, um amigo ou alguém bem chegado que verifique todas as mudanças na vida desta pessoa idosa, isto vai continuar ocorrendo. A Polícia Militar está à disposição para qualquer denúncia, e estaremos averiguando. Não dá para deixar quieto não”, finalizou.