Publicidade Topo

notícias

Comissão transfere eleição do SISMI para 10 de março

Eleição do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais teve a data alterada após governo estadual recomendar que somente serviços essenciais funcionem até o dia 8 de março, como forma de prevenir o contágio de Covid-19

Sede do SISMI na Avenida Vicente Machado, em Irati. Foto: Iratiin

A comissão eleitoral do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Irati (SISMI) decidiu transferir a data da eleição para escolha da nova diretoria da entidade. O pleito estava marcado para quarta-feira, dia 3, e passou para dia 10 de março. A medida foi tomada em virtude dos decretos dos governos estadual e municipal estabelecendo medidas restritivas de combate ao coronavírus. 

Os locais e horários da eleição foram mantidos.  O período de votação será 8 às 17 h. Já as urnas serão colocadas na sede do SISMI (na Avenida Vicente Machado), da Prefeitura, no Centro Administrativo Municipal (CAM), nos prédios administrativos das secretarias municipais de Educação e Saúde e no Pátio de Máquinas, no bairro Rio Bonito.

Segundo o presidente da Comissão Eleitoral, o advogado Ronaldo Evangelista, havia a possibilidade de que a eleição fosse realizada com urnas volantes para facilitar a votação dos servidores sindicalizados. Porém, essa medida não foi acatada por conta da pandemia e o risco de contaminação dos trabalhadores por conta da circulação do material. 

 Quer receber notícias locais?

Três chapas estão inscritas para concorrer no pleito. Nilton Sérgio Olenik dos Santos, o “Niltinho”, é o candidato da chapa “Renovação e Transparência”; Elton Ênio Fillus concorre à reeleição pela chapa “Quem Tem Esperança Sempre Alcança”; e Matheus da Silva Muller é o candidato da chapa “União e Força”. No dia da eleição, haverá listas com os nomes dos filiados aptos a votar nas mesas de votação. Os três postulantes ao cargo foram entrevistados pela Rádio Najuá. Clique aqui e confira detalhes.

Os servidores deverão levar apenas um documento de identificação, como RG ou Carteira Nacional de Habilitação (CNH). No total, 953 eleitores estão aptos a votar. Para ter direito a voto, o servidor precisa estar filiado ao SISMI. Por isso, nem todos os funcionários públicos poderão participar do pleito, conforme Ronaldo. “Não são todos, porque a adesão ao sindicato é opcional e não obrigatória. Temos alguns funcionários que não são filiados e por isto não terão direito ao voto, apenas os que são filiados ao SISMI”, relata Ronaldo.

A votação será realizada em cédulas de papel. Após o término, as urnas serão recolhidas e levadas para a sede do sindicato, onde será feita a apuração dos votos. Após o resultado, se houver dúvidas, os candidatos derrotados podem solicitar a revogação logo após a apuração dos votos. Um número pequeno de pessoas deve trabalhar durante o pleito. Participarão da eleição integrantes da Comissão Eleitoral e pessoas indicadas pelo próprio sindicato e aprovadas pela Comissão. “Estamos tendo muito cuidado de tentar otimizar este trabalho no sentido de reduzirmos ao máximo algum problema de contágio e de exposição de pessoas ao coronavírus. Então reduzimos ao máximo esta gama de pessoas juntamente por esta cautela”, afirmou o presidente da Comissão Eleitoral.