Publicidade Topo

notícias

Projeto Cidade do Idoso é apresentado em Irati

Obra será construída no espaço onde antes estavam os galpões de bailes e apresentações do CT Willy Lars. Projeto inclui diversas atividades/Paulo Henrique Sava

Irati será o 1º município do Paraná a receber o projeto "Cidade do Idoso". Foto: Divulgação SECOM

Uma das promessas de campanha do prefeito Jorge Derbli (PSDB), o projeto da Cidade do Idoso foi apresentado no início de fevereiro na Câmara de Irati. A obra será construída no espaço onde antes estavam os galpões de bailes e apresentações do CT Willy Laars. O projeto inclui a construção de espaços para a realização de diversas atividades, como academia, aulas de informática, hidroginástica, educação, pilates e culinária. A obra contemplará ainda uma pista de caminhada para a prática de exercícios físicos, um refeitório, uma capela ecumênica e uma Unidade de Saúde para atendimento médico. O espaço contará também com cancha de bocha e Centro de Eventos. O custo do projeto será em torno de R$ 6 milhões, oriundos dos governos federal e estadual. Confira no fim deste texto as fotos do projeto.

A Cidade do Idoso tem como objetivos dar sustentabilidade ao CT e fazer com que as pessoas de todos os municípios da região recuperem a vontade de viver. “É uma conquista civilizatória os anos a mais que temos de vida, mas precisamos colocar vida neles, para que as pessoas tenham otimismo e queiram realmente continuar vivendo. Para isto, temos que criar condições para que elas possam participar, ampliem seus conhecimentos, tenham segurança e principalmente oportunidades. Em muitos lugares, as únicas pessoas responsáveis pelos idosos são suas famílias, quando não acabam os abandonando. Queremos que as pessoas possam viver mais e melhor, e eu tenho certeza que o projeto contempla todas estas diretrizes, que são pilares dentro da década do envelhecimento saudável da Organização Mundial da Saúde (OMS) ”, frisou a deputada Leandre Dal Ponte (PV), que fez a apresentação do projeto.

Para a parlamentar, auxiliar os idosos a terem acesso à saúde e às inovações tecnológicas, entendendo, por exemplo, o funcionamento do celular e do WhatsApp, é essencial. Além disso, as pessoas que frequentarem o local poderão interagir e desenvolver suas habilidades. “Hoje o mundo é outro e as pessoas precisam ser inseridas nisso, principalmente na questão da participação social. As pessoas que estarão lá poderão desenvolver suas habilidades e colocar em prática seus conhecimentos. Provavelmente, na parte cultural, teremos diversas atividades como canto, dança, músicas, no sentido de instrumentos, sabemos que boa parte dos idosos gostam de um baile na parte da tarde e isto também está contemplado, mas tem principalmente a questão da saúde”, pontuou. 

Antes de iniciar as atividades, a pessoa passará por uma avaliação médica. “O médico vai dizer o que ela pode fazer das atividades previstas. A partir do momento em que ela estiver liberada para estas atividades, poderá se inscrever. Depois, teremos outros tipos de ações, pois tem pessoas que não gostam de fazer ginástica, mas gosta de participar de uma atividade escolar. Sabemos que aqui em Irati tem a Universidade Aberta para a Terceira Idade (UATI, realizada na Unicentro), e por que ela não poderá ir para dentro (da Cidade do Idoso) também? ”, questionou.

O projeto, que é considerado pioneiro no Paraná, deverá ter outras atividades incluídas à medida em que for se desenvolvendo. “Ninguém sabe tudo que não tenha o que aprender e ninguém é tão ruim que não tenha o que ensinar. Este convívio será algo muito importante, pois o que precisamos na área do envelhecimento em especial é de uma mudança cultura. Temos aquela ideia do “velho”, e para nós tudo que é assim classificado é quase que inútil, e no campo do ser humano não é diferente. Você pode observar uma pessoa que, até algum tempo atrás, era superativa e importante nas atividades, à medida que ela vai envelhecendo e perdendo suas capacidades funcionais, vai perdendo a cor e desbotando, e se ela ficar dependente, fica totalmente invisível para a sociedade, e é esta inversão de modelo que queremos”, comentou.

Quer receber notícias locais?

O prazo para a entrega das obras é de dois anos a partir do início da construção. A deputada acredita que os trabalhos devem ser iniciados ainda no primeiro semestre. Com este projeto, a ideia do Executivo municipal é de otimizar as instalações do CT Willy Laars, que normalmente é utilizado somente para festividades de aniversário da cidade e sofre constantemente com vandalismo. “Cada vez que vai ser feito um evento no local, temos que pintar, arrumar, consertar e com certeza, com atividades, teremos esta manutenção frequentemente. Quando fazemos a coisa preventivamente, ela sai mais barata do que quando é feita depois de uma depreciação de longo prazo, como vemos, infelizmente, em muitos destes parques de exposições, centros de tradições gaúchas e vários complexos sociais que ficam a maior parte do tempo abandonados. Foi-se o tempo em que podíamos nos dar o luxo de construir isto para utilizar apenas uma vez por ano”, frisou. 

No total, mais de 18% da população paranaense é composta por idosos com mais de 60 anos. Leandre acredita que, em 10 anos, esse percentual passará de 30% e que, por isto, são necessárias políticas públicas para melhorar a vida destas pessoas. “Quando o prefeito traz esta proposta de transformar o parque de rodeios em um complexo social que abrigue diversas atividades para que as pessoas idosas possam frequentar e ali ter atendimento de saúde e atividades de lazer, físicas, na área de educação, saúde e que contemplem também, além do público ativo, as pessoas que são dependentes do Centro Dia, conhecido como Creche do Idoso, eu tenho certeza que é um projeto inovador. É um projeto pioneiro no Paraná. Eu conheço um só em Santa Catarina, no Parque de Exposições de Chapecó, que serviu de inspiração para o programa, mas aqui no Paraná ainda não temos nenhum”, ressaltou. 

O prefeito Jorge Derbli (PSDB) ressaltou que, mesmo com esta obra, o CT continuará sendo utilizado para a realização de eventos, como o Rodeio de Integração em comemoração ao aniversário de Irati no mês de julho. “Se tiver algum outro evento que utilize a pista de laço, aquele espaço de acampamento, não tem nada que impeça porque vamos utilizar somente a entrada do CT, os barracões existentes ali. É um pequeno espaço dentro do CT Willy Laars”, finalizou. 

Deputada Federal Leandre Dal Ponte (PV), durante visita a Irati. Foto: Paulo Henrique Sava

Fotos do projeto: Dagoberto Waydzik