Publicidade Topo

notícias

Porteira Adentro será tema de 1ª reunião do Conselho de Desenvolvimento Rural de Irati

Reunião acontece no dia 3 de março, às 9h, na Associação dos Servidores Públicos Municipais/Karin Franco, com reportagem de Paulo Sava e Rodrigo Zub

Estrada que liga Campina do Rio do Couro e Rio do Couro recebeu melhorias recentemente. Foto: SECOM

O programa Porteira Adentro será uma das pautas da primeira reunião do ano do Conselho de Desenvolvimento Rural Sustentável de Irati. O encontro está marcado para o dia 3 de março, às 9h, na Associação dos Servidores Públicos Municipais, no bairro DER. 

Um dos motivos é que o programa passará por modificações. O conselho continuará coordenando o Porteira Adentro, mas a Secretaria de Agricultura deverá assumir a administração do programa. Segundo o secretário de Agricultura de Irati, Raimundo Gnatkowski (Mundio), o motivo da discussão deste assunto na reunião é que a pasta quer trazer um debate democrático sobre o programa. “Nós queremos ser bem democráticos com o nosso agricultor para que ele saiba do trabalho que pretendemos fazer, o trabalho que estamos executando e aonde nós queremos e podemos chegar”, disse Mundio durante entrevista à Najuá.

O programa Porteira Adentro possibilita a realização de alguns trabalhos, como bueiros, cascalho, patrolamento e aberturas de silo, dentro das propriedades rurais. “Aonde nós temos uma patrulha, com uma patrola, caminhões e retroescavadeira trabalhando com os pedidos dos agricultores para dentro da propriedade, ou seja, o Porteira Adentro”, explica o secretário. 

Mundio conta que para atender os pedidos neste ano, o município foi dividido em oito regiões. “Nós vamos trabalhar por comunidades. Das 83 comunidades, nós dividimos o município em oito regiões. Tem região com oito comunidades, outras de 15 comunidades e nós vamos trabalhar nessas regiões dentro de cada comunidade”, afirmou.

O secretário explica que os equipamentos são usados exclusivamente para o programa. “Até para agilizar o serviço. Se começar intercalar os serviços ao mesmo tempo, às vezes, você não cumpre aquela meta que temos”, relata o secretário. Por isso, a Secretaria de Agricultura busca ampliar o programa para atender mais agricultores. “Se nós conseguirmos mais uma patrulha, que venha do Estado, que venha do Governo Federal, a gente possa buscar para conseguir, nós já teremos cada patrulha atendendo quatro regiões, ao invés de uma atender oito, cada uma atende quatro”, conta. 

Quer receber notícias locais?

Em pouco mais de um ano, foram atendidos 470 agricultores e realizados 700 serviços em diversas propriedades. Segundo o presidente do Conselho de Desenvolvimento Rural Sustentável, João Bonki, o objetivo é aumentar o atendimento. “A nossa meta é aumentar, triplicar esse atendimento porque estamos reajustando todas as pontas, o que deu errado. Queremos agora para frente que levem como lições, como exemplo, para que possamos fazer tudo certo”, analisa. 

Atualmente, para fazer o atendimento a todos, há um fila de espera de pedidos. De acordo com o secretário, faltam ainda 115 agricultores a serem atendidos. Os pedidos antigos serão atendidos, mas os novos poderão sofrer atrasos. O secretário explica que os pedidos estão sendo aceitos, mas o atraso pode ocorrer já que há um período de transição e ajustes burocráticos que impede uma agilidade maior. “Preencha o cadastro, mas nós teremos uma nova reestruturação do conselho e também do Porteira Adentro. Então, demora um pouquinho para a gente atender”, conta. São contemplados pelo programa os agricultores que possuem o Cadastro de Produtores Rurais (CAD/PRO), mais conhecido como bloco do produtor.

Reunião: Na reunião, outros temas também serão abordados como a reestruturação da direção do conselho. Bonki conta que a reestruturação é necessária porque houve a saída de um membro da direção. “O Bruno que é o nosso secretário, saiu da Emater e foi para a Iapar [Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná]. Então, terá que entrar outro no lugar dele e geralmente teremos que fazer reestruturação do conselho”, conta. O presidente disse que deverá colocar seu nome à disposição novamente para comandar o conselho. 

Mundio relembra que o conselho ganhou força desde o ano de 2017, quando houve a primeira reunião. O Conselho de Desenvolvimento Rural de Irati foi uma demanda gerada por lei que exigiu a implantação do conselho em cada município. “Dali reestruturamos toda a lei e tornou hoje o Conselho por lei. Antes era um decreto, hoje não. Ele é aprovado na Câmara Municipal, valendo por lei”, explica. 

Bonki destaca que o conselho ajudou o agricultor com várias demandas. “Nós tivemos muitas coisas boas que vieram junto do Conselho, como o asfalto do Pinho, passou pelo conselho, vários maquinários que vieram, também passou tudo pelo conselho e inclusive uma caminhonete para a Secretaria da Agricultura também passou pelo conselho, trabalhos. Também a Porteira Adentro. O Conselho de Desenvolvimento Rural assumiu a responsabilidade de administrar esse trabalho”, disse. 

No início do conselho, havia apenas dois conselheiros que compareceram à primeira reunião. Com uma campanha nas comunidades, o número de conselheiros cresceu. “Nós estamos hoje com 23 conselheiros que estão participando diretamente. Mas estamos fazendo um trabalho nesses 20 dias, junto com o secretário Mundio, com a equipe dele e a comissão do conselho também está trabalhando, e a gente está querendo chegar a todas as comunidades. Hoje temos, dentro do município de Irati, 83 comunidades”, explica o presidente. O objetivo é que cada comunidade possa ser representada nas reuniões.

O presidente explica que os conselheiros ajudam a levar para outras entidades, as demandas dos agricultores. Ele usa como exemplo uma parceria criada com o Banco do Brasil, que melhorou o atendimento e financiamento após pedidos dos conselheiros. “Nós levamos para dentro do Banco do Brasil e nos atenderem. Hoje o agricultor é atendido, é considerado um empresário dentro da agricultura, cada propriedade hoje, é uma empresa, não é mais uma propriedade. Por isso tivemos esse avanço que não é tão esperado como a gente tinha”, disse. 

Outro exemplo é a presença do conselho em eventos como o lançamento da semente de feijão Urutau, ocorrida em Ponta Grossa, no ano passado. Bonki explica que nessa presença, o conselho conseguiu conquistar sementes de feijão que ajudaram na produtividade dos agricultores. “Nos colocaram à disposição 46 sacas de sementes de feijão Tuiuiú que veio para Irati. Aonde distribuímos para os conselheiros, que levasse para as comunidades e aonde dali nasceu uma quantidade enorme de semente nova de feijão dentro do município de Irati”, relata. O resultado na produção foi positivo. “Nós chegamos a campo de semente que chegou a 150 sacas por alqueire”, conta. 

Para ser um conselheiro é preciso indicar o nome e o nome de um suplente. O pedido precisa ser apresentado em ata para o conselho “Fazer uma ata e trazer para nós, para eles terem direito a voto. Porque se não fizerem a ata, nós não podemos aceitar com direito a voto. Só como participação”, explica o presidente.