notícias

Farmacêutico Bioquímico esclarece dúvidas sobre exames laboratoriais

Responsável pelo laboratório Oscar Pereira esclarece dúvidas frequentes sobre os procedimentos a serem tomados pelos pacientes antes da coleta de material para a realização de exames/Lenon Diego Gauron, com reportagem de Ademar Bettes e Tadeu Stefaniak

Laboratório Oscar Pereira funciona há cinco anos em Irati. Foto: Lenon Diego Gauron

O Laboratório de Análises Clínicas Oscar Pereira atende a população de Irati e região há cinco anos, realizando diversos exames através da coleta de materiais como urina, sangue e fezes. A rede de laboratórios conta com 17 unidades no Paraná. A matriz fica em Ponta Grossa. O laboratório oferece exames de análises clínicas, toxicológicos e de DNA, anatomia patológica e citopatológica, sexagem fetal, entre outros. 

Em entrevista à Najuá, o farmacêutico bioquímico e sócio proprietário dos laboratórios Oscar Pereira, Doutor Oscar Pereira Júnior, esclareceu dúvidas sobre os procedimentos que devem ser adotados pelos pacientes antes da coleta de material para a realização de exames. Ele citou exemplos de quando é necessário fazer jejum e tirou dúvidas sobre os procedimentos que devem ser observados pelos pacientes. “A água é permitida tomar porque não atrapalha o metabolismo da pessoa. Antigamente era obrigatório o jejum completo porque o volume de material que era usado, era maior. Com a evolução dos exames, existem até os que não precisam de jejum obrigatório. Está se trabalhando muito hoje com o colesterol e triglicerídeos, que é muito importante fazer a avaliação em jejum e também uma coleta após uma alimentação para ver como está se comportando o organismo da pessoa”, orienta o Doutor.

Ele explica que bebidas alcoólicas podem alterar o resultado do exame. Por isso, se o paciente costuma consumir alguma bebida com frequência, deve informar ao laboratório com antecedência. “O álcool se transforma em açúcar e também em gordura para ser reserva do nosso organismo. Então para fazer um exame de glicose, colesterol e triglicerídeos, o álcool altera. Mas a gente observa que a pessoa deve ter um procedimento normal da sua vida para fazer o exame, porque senão mascara o resultado. Tem pessoas que toda noite tomam uma ‘cervejinha’, aí ele fica dois, três dias sem tomar, e vai fazer o exame. Então não está sendo a realidade dele. Por isso é muito importante a comunicação dos pacientes com o laboratório para que ele receba as instruções adequadas antes da realização dos exames”, relata.

Quer receber notícias locais?

De acordo com Oscar, exercícios físicos, tabagismo e até mesmo a menstruação podem resultar em alterações nos resultados. “O esforço físico pode alterar o resultado dos exames. É aconselhável se o paciente for caminhando até ao laboratório, sentar e esperar de 15 a 20 minutos, para o metabolismo dele normalizar. Já o fumante já tem as consequências crônicas. Se ele fumar um cigarro antes do exame não faz diferença, ao menos que seja um exame de oxigenação. Já na situação das mulheres, quando elas estão menstruadas, tem que ter muito cuidado ao fazer o exame de urina, para que ele não seja contaminado com o sangue, para sabermos se o sangue é da menstruação ou de uma alteração orgânica da paciente”, orienta o Farmacêutico Bioquímico. 

Durante a entrevista, Oscar contou como começou a atuar no ramo da saúde. “Eu comecei trabalhando em 1974 no Laboratório Frischmann em Curitiba. Aí em 1976 eu fui para Ponta Grossa e comecei a trabalhar no Hospital Bom Jesus com atividades laboratoriais e, há cinco anos, o Frischmann encerrou as atividades em Irati e eles me ligaram para saber se eu não queria ficar com o laboratório deles. Eu não tinha essa ideia de expandir para cá, mas como teve essa oportunidade aberta, nós fomos para Irati e já estamos há cinco anos trabalhando com vocês. O nosso laboratório é familiar. Somos em três associados, sendo a minha esposa, que é farmacêutica bioquímica, o meu filho, que se formou em 2006. Eu e minha esposa nos formamos em 1973. Faz 47 anos de atividade profissional”, relata Oscar. 

De acordo com ele, o diferencial da rede de laboratórios é a qualidade no serviço prestado, que segue um padrão predefinido pela matriz de Ponta Grossa. “A aceitação é boa porque desde que iniciamos as atividades profissionais, o nosso objetivo é oferecer a qualidade no serviço e, felizmente, nós temos conseguido através de controles internos que a gente usa. A gente começou a expandir para as cidades que nos procuravam. Hoje nós temos unidades em Ponta Grossa, temos unidades em Castro, Jaguariaíva, Telêmaco Borba, Ortigueira e Prudentópolis, além de Irati. Já estamos também com as portas quase abertas em mais três cidades, que é em Carambeí, Reserva e Arapoti. Então onde a gente vê que existe a possibilidade da qualidade do laboratório Oscar Pereira se instalar, a gente vai, independentemente do tamanho da cidade ou de volume de serviço”, descreve. “De todas as unidades, os funcionários vêm para cá [para Ponta Grossa] para fazer o seu aprendizado para poder seguir a qualidade igual em todas as unidades. Fazemos também a reciclagem com bastante frequência, porque a gente preza muito a continuidade do trabalho, por isso fazemos reciclagens periódicas”, explica.

Eu acho que a gente que está no ramo da saúde, temos que oferecer a melhor qualidade, onde tivermos a oportunidade de estarmos presentes

Em Irati, o Laboratório Oscar Pereira fica na rua XV de Novembro, número 571, Centro. Telefone: 3422-4967; WhatsApp: 9-8427-0151.