Publicidade Topo

notícias

Projeto da Patrulha Rural deve ser mantido em Irati e região

Presidente reeleito da Amcespar, Junior Benato, falou sobre esse e outros projetos que devem ser executados em novo mandato à frente instituição

Programa Patrulha Rural é desenvolvido pelo Governo do Paraná para apoiar os municípios na recuperação das estradas rurais. Foto: Amcespar

O prefeito de Inácio Martins, Junior Benato, foi reeleito presidente da Associação dos Municípios do Centro-Sul do Paraná (Amcespar) na sexta-feira (15). Na diretoria também foram eleitos o prefeito de Imbituva, Celso Kubaski, como vice-presidente e a prefeita de Fernandes Pinheiro, Cleonice Schuck, como tesoureira. A posse para o mandato de dois anos acontecerá em fevereiro. Este será o 4º mandato de Junior Benato na Amcespar, sendo o 3º consecutivo. Ele já assumiu como presidente entre os anos 2011 e 2013, 2017 e 2019 e 2019 e 2021.

Um projeto que deve ter continuidade é a Patrulha Rural. O programa disponibilizado por meio do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Regional (CONDER), possibilita que municípios revezem equipamentos para a manutenção de estradas rurais. “Foram [patrulhas] nove distribuídas para o estado do Paraná. Algumas delas nem estão funcionando mais. Outras foram dissolvidos e pulverizados os equipamentos um para cada município. A nossa, como um modelo para o estado do Paraná, está funcionando muito bem. Então, temos a perspectiva da continuidade da Patrulha pelo Governo do Estado do Paraná, através da Secretaria de Agricultura do secretário Noberto Ortigara e sua equipe técnica, que é muito afinada com a nossa equipe técnica da Amcespar/Conder, que programa o Poa, que é o Programa de Organização para o Ano, que a gente fraciona os municípios que vão ser atendidos”, explica. 

No programa, o Conder é responsável pelos equipamentos. Os municípios têm a autonomia de administrar os equipamentos em suas localidades e coordenar quais estradas terão a manutenção. Além disso, eles fornecem os funcionários para as obras e também fazem um aporte financeiro ao Conder. O valor do recurso é repassado pelos municípios que fazem parte do consórcio, que dividem os custos da operacionalização.

O Conder também conseguiu um aporte da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab) para custear o combustível dos equipamentos. “Nós trabalhamos muito efetivamente de conseguir subsídios de suporte para Patrulha. O que seria isso? Ou na manutenção periódica que está dando, porque não são equipamentos zero quilômetro, ou então, o aporte financeiro que contribua com o combustível. E realmente conseguimos o ano passado o convênio com a Seab de R$ 400 mil em combustível, que tem dado muito suporte aos municípios, que aí os municípios absorvem a manutenção, mas em contrapartida, tem o combustível para que abasteça esses equipamentos”, contou. 

Quer receber notícias locais?

Recentemente, o município de Palmeira requisitou a entrada no consórcio. Fazem parte do Conder os municípios de Rio Azul, Rebouças, Irati, Fernandes Pinheiro, Inácio Martins e Prudentópolis. Além disso, com a entrada de novos prefeitos, o cronograma de obras ainda deverá ser pensado. “Com relação aos novos prefeitos que foram eleitos, já tem a solicitação da Patrulha para o próximo ano, seria o próximo Poa, que é essa programação de organização. Imbituva quer entrar e Guamiranga também sinalizou que quer entrar na Patrulha. Seriam mais dois municípios, num total de oito”, explicou. 

Saúde: Os municípios da Amcespar também participarão do programa QualiCIS, que é uma qualificação no atendimento do sistema. Ele substitui o COMSUS, que reportava recursos financeiros para determinadas finalidades do consórcio. “Os municípios têm a obrigatoriedade de fazer a atenção básica em todos os municípios, dar suporte e estabilização do nosso paciente. Quando se trata de um pouco mais avançado, aí vai para o consórcio, no grau de especialidades, e o Governo do Estado aporta recurso financeiro para o consórcio fazendo com que as consultas sejam subsidiadas financeiramente, diminuindo o custo para os municípios”, explica Benato. 

Com o QualiCIS, a expectativa é que possa trazer mais qualidade ao atendimento. “Não que tenhamos redução de valores, nós ganhamos em qualidade de atendimento e consultas, porque temos demandas reprimidas, aí podemos aumentar o número. Talvez o nosso custo se mantenha, mas aumenta a qualidade e o número de consultas através desse programa que é o QualiCIS”, conta o prefeito de Inácio Martins. 

Ainda na área da saúde, outro objetivo dos municípios da associação é ampliar o número de consultas realizadas por meio da Unidade Avançada do Hospital Erasto Gaertner, localizado em Irati. O presidente da Amcespar disse que já foi garantido o subsídio que é enviado pelo Governo do Estado para o hospital, mas que agora o objetivo é ampliar esse atendimento, especialmente com um espaço maior. “A unidade do Erasto, pelo seu espaço físico já ficou pequeno para o atendimento na nossa região. Agora, o que nós queremos com o Governo do Estado é ampliar o número de consultas e procedimentos”, disse. Um novo espaço tem sido negociado para a instalação do hospital.

Desenvolvimento: Um dos desafios a serem enfrentados pelos prefeitos é a industrialização e geração de emprego, especialmente em um cenário de pós-pandemia. Segundo Benato, para que a região consiga ter um cenário de maior industrialização é preciso manter o que já foi conquistado. “O que é o primeiro ponto? Não perder o que já se ganhou porque em época de pandemia as pessoas estão perdendo emprego, as pessoas estão perdendo renda, as pessoas estão perdendo até a saúde porque ficar isolado dentro de casa isso é um indicio muito ruim para a saúde das pessoas”, disse. 

O presidente da Amcespar ainda ressalta que é preciso a união dos municípios para que a região consiga competir com cidades maiores, como Guarapuava e Ponta Grossa. “O desafio maior e a gente têm que juntar uma região inteira, nove a dez municípios quando se fala em Amcespar, ou consórcio de saúde, que são nove municípios, juntar toda uma população numa região para competir com uma Guarapuava ou uma Ponta Grossa que é lá que as empresas procuram porque tem as rodovias mais próximas que passam as vezes cortando a cidade”, conta. 

Benato destaca que é preciso ver Irati como um polo, mas outros municípios também podem ser lugares atrativos para grandes indústrias. “Nós temos um polo que é Irati, não desmerecendo qualquer outro município, que deve ser fortalecido. Não precisa ser especificamente em Irati, talvez a instalação desta industrialização. Quando falamos em industrialização é uma indústria de grande porte, uma indústria que pode absorver as demandas aqui da nossa região inteira, de fornecimento de matéria-prima, se for uma indústria voltada ao ramo madeireiro ou de agropecuária, produzindo na nossa região e abastecendo um grande frigorífico, ou uma grande cooperativa”, destaca. 

Contudo, o presidente da Amcespar relembrou que a vinda de novos negócios está atrelada também à representatividade política num cenário estadual e federal. Ele explica que os municípios possuem representantes, mas que falta uma representatividade que venha da região. “A partir do momento que nós tenhamos representatividade forte de política instituída na nossa região, filho da terra, aí sim, nós vamos ter talvez uma força maior. Não quero desmerecer qualquer parlamentar que representa qualquer município da nossa região, agora nós temos que ter consciência que realmente isso é muito significativo para o crescimento da nossa região”, avalia. 

Para Benato, essa representatividade também é essencial para a conquista de mais estruturas na região, como o Instituto Médico-Legal (IML). Ele contou que muitos pedidos para a vinda de um IML foram feitos, mas que a negociação ainda não possui nada de concreto. “Quem agora encabeçou essa solicitação é a própria prefeita Cleonice, que é a nossa presidente do consórcio da área de saúde, e a gente realmente está fazendo uma força muito grande, junto não só com o deputado Emerson Bacil, e sim, com Alexandre Curi, com o deputado Artagão Junior. Mas o que precisamos realmente é dessas forças políticas, que realmente esteja voltado à nossa região, que seja efetivado o serviço de IML, a construção não só do espaço físico e dos serviços sendo na nossa região”, conta. 

O presidente da Amcespar explica que é importante que essa estrutura venha na região. “A vinda de uma unidade do IML para a nossa região se faz mais do que necessária porque é uma região muito ampla, vai até Bituruna, General Carneiro, é muito longe para que as pessoas efetivamente tenham um serviço de qualidade. Claro que trazer mais regionalizado seria um serviço de mais eficiência”, relata. 

Vacinação: O prefeito de Inácio Martins também falou sobre a aplicação da primeira dose da vacina contra o coronavírus que foi iniciada. No começo, estavam destinadas para o município 162 doses, mas Inácio Martins acabou recebendo 170 doses. O município aplicou a primeira dose em 90 indígenas e em 72 profissionais de saúde, como planejado incialmente. Nos indígenas, a Fundação Nacional de Saúde (FUNASA) auxiliou com a lista de quem receberia as primeiras doses. Indígenas com menos de 18 anos não entraram na lista. Já entre os profissionais de saúde foram vacinados os profissionais que estão na linha de frente do combate ao Covid-19.

De acordo com Benato, a vacinação foi recebida com grande expectativa, mesmo que com doses limitadas. “Com muita euforia, muita felicidade, com uma ponta de esperança mesmo. Agora não é pelo número que ela se apresenta, que ainda é relativamente baixo, embora necessário para as pessoas que estão na linha de frente da saúde”, disse. 

O prefeito destacou que os números de casos de Covid-19 começaram a se estabilizar, após um aumento entre o fim do ano passado e o começo de janeiro. “Está controlado, mas com toda a prevenção ainda e a testagem em massa”, destacou. Até o momento, Inácio Martins já registrou 348 casos de coronavírus e dois óbitos. 301 pessoas já se recuperaram da doença, 45 estão em isolamento e 28 em investigação aguardando resultado do teste. 

Premiação: Benato também falou sobre a sua premiação como um dos prefeitos destaque no Ranking Paranaense em 2020. De acordo com ele, a premiação é resultado de um trabalho de equipe. “Eu acho que tenho que dividir esse prêmio com toda a minha equipe, não só a técnica de funcionalidade, de todos os setores do município. Tanto é que o município ganhou o selo de Bom Pagador, porque tenho uma equipe eficiente que fazem a parte de pagamentos, do setor Financeiro, da Contabilidade, assim como Compras. É um coração que funciona muito bem. Eu fui eleito entre os 17 prefeitos mais bem avaliados do Estado do Paraná. Isso é um ganho não para o prefeito de Inácio Martins, é para o município de Inácio Martins”, disse. 

Junior Benato foi reeleito presidente da Amcespar em assembleia realizada no dia 15 de janeiro. Foto: Divulgação