notícias

Construção de Delegacia da Mulher depende de aumento do efetivo policial

Opinião é do Delegado Paulo César Eugênio Ribeiro, que foi ouvido pela Najuá sobre a possibilidade de construção das Delegacias Cidadã e da Mulher em Irati

Imagem da Delegacia Cidadã inaugurada em 2018 em Pinhais, na região Metropolitana de Curitiba. Foto: SESP
A mudança de local da Delegacia de Irati é uma das necessidades que o município tem trabalhado. Para isso, a criação de uma Delegacia Cidadã, que reunirá diversos atendimentos, inclusive podendo ter uma Delegacia da Mulher, é uma das necessidades. Porém, isso esbarra na falta de efetivo policial, conforme o Delegado Paulo César Eugênio Ribeiro. 

“Se eventualmente houvesse a construção de uma Delegacia da Mulher iria acontecer a divisão dos trabalhos entre as duas delegacias com o mesmo efetivo, você teria mais prejuízos até do que benefícios. Todo esse deslocamento, esse trâmite aconteceria entre as duas delegacias com o mesmo efetivo. Infelizmente por falta de efetivo, acredito eu, e é uma resposta que já veio do departamento da Polícia Civil quando foi solicitado via outros órgãos para a construção, o destacamento de outros funcionários específicos para a Delegacia da Mulher”, relatou Paulo durante entrevista à Najuá. 

O delegado ainda justifica que precisa de mais funcionários para conseguir fazer alguma sala separada para os atendimentos de casos de violência contra a mulher. “Toda a reforma que acontece na delegacia tem que ser autorizada pelo Governo do Estado, tem todo um trâmite para mexer na estrutura da delegacia. É um trâmite um pouco mais burocrático. Já foi solicitado algumas vezes para a própria prefeitura a disponibilidade de ceder um servidor. Como havia falado que não temos efetivo, isso acontece até em Inácio Martins, uma cidade do lado, a gente tem servidor cedido pela prefeitura que nos auxilia e muito nos casos de Inácio Martins, mas infelizmente aqui em Irati não temos essa mesma cessão de servidor”, explica. 

Quer receber notícias locais?

Outro problema em Irati é a criação de um Instituto Médico Legal (IML). O município de Irati é atendido pelo IML de Ponta Grossa que está sobrecarregado, o que faz com que laudos demorem para ficarem prontos. “Não só o efetivo da Polícia Civil está defasado, mas a Polícia Cientifica talvez esteja mais defasada que a Polícia Civil”, analisa o delegado. 

Mesmo com uma articulação para criar um IML, o delegado explica que é preciso criar uma Subdivisão Policial para atender a região. “Eu do conhecimento que eu tenho do Estado do Paraná, eu não conheço nenhum IML que não esteja atrelado a Subdivisão. A vinda do IML, traz consigo a criação de uma subdivisão policial, porque o IML vai atender não só Irati, possivelmente, talvez ele pegue Rebouças, pegue Prudentópolis, pegue Teixeira Soares, pegue cidades vizinhas aqui. A ideia da subdivisão justamente é gerenciar as delegacias, as unidades policias da própria região, assim como o IML será”, disse Paulo. 

A Prefeitura de Irati já doou um terreno próximo à Avenida Perimetral João Stoklos para o Estado construir um novo prédio da Delegacia Cidadã. No entanto, o Estado ainda precisa assinar a escritura. Segundo o delegado, a documentação para passar o terreno para o Estado já foi encaminhada. “A gente encaminhou toda essa documentação para a Secretaria de Estado para poder ver se há aceitação desse terreno. Atualmente, essa documentação se encontra na Secretaria de Administração do Estado do Paraná que é quem vai dar o aval, efetivar, aceitar esse terreno para a construção da Delegacia Cidadã”, explica o Delegado. 

A expectativa é que com a assinatura, a construção do prédio possa iniciar entre o segundo semestre deste ano e o primeiro semestre de 2022. Entretanto, o delegado reforça que é preciso uma articulação política para o trâmite tenha mais celeridade. “De repente uma força política, uma questão política que desse um empurrãozinho, talvez até da própria prefeitura, se pudesse nos ajudar, para poder efetivamente sair essa doação e se concretizar essa doação”, disse Paulo. 

Para ele, essa articulação é a principal ação para que a estrutura policial na região tenha melhorias, seja com a Delegacia Cidadã ou com a Delegacia da Mulher. “Infelizmente, a construção de uma Delegacia Cidadã não depende de mim, ela não vai depender de uma pessoa ou outra, ela depende de um conjunto de esforços políticos para a vinda da Delegacia da Mulher para cá”, conta.