notícias

Rodrigo Solda faz avaliação do mandato

Prefeito de Rio Azul destacou ações realizadas entre 2017 e 2020 no comando do município

Rodrigo Solda fez uma avaliação do seu mandato durante o programa Meio Dia em Notícias. Foto Ciro Ivatiuk/Jornal Hoje Centro Sul


Em entrevista à Najua, o prefeito de Rio Azul, Rodrigo Solda, realizou uma avaliação do seu mandato no município, que terminou em 31 de dezembro. A partir desta sexta-feira, 1, quem assume o Executivo é o prefeito Leandro Jasinski. A solenidade de posse dos eleitos aconteceu na noite de quinta-feira na Câmara Municipal. Já a cerimônia de transmissão do cargo ocorrerá no sábado, dia 2 de janeiro.

Para Rodrigo Solda, a avaliação de seu governo é positiva, apesar de não ter sido reeleito. Segundo ele, enquanto esteve à frente da prefeitura, conseguiu obter várias conquistas. 

No entanto, a pandemia do Coronavírus trouxe desafios e exigiu algumas mudanças. “A nossa administração foi organizada desde o início. Nós pregamos de uma retomada, nós iniciamos em 2017 e fomos como se subíssemos degraus. No último degrau, no quarto ano veio essa avalanche. Veio uma bola tentando derrubar a gente na administração. É isso que eu sinto. Mas em relação à prestação de serviços públicos, de manter a atividade pública em Rio Azul, nós continuamos. Não paramos em momento algum. Só tivemos que fazer um novo alinhamento e direcionamento”, disse. 

Em relação às contas públicas, ele destacou o enxugamento da máquina pública. “Uma prefeitura enxuta. Eu baixei os gastos com índice de pessoal. Eu peguei, estava em 53% e vou entregar com 48%. Mesmo contratando mais de 70 funcionários, porque 60 se aposentaram, fiz todo o trâmite dos pagamentos. Não se deve nada a ninguém na prefeitura. E a prefeitura de Rio Azul, se não me engano, é a única que está na região atendendo todos os dias”, relatou. 

Rodrigo ainda ressaltou as mudanças administrativas que impactaram na gestão do município. “Eu implementei o perfil técnico se sobrepondo ao político, na administração. Nós eliminamos terceirizações que não precisava. Nós fizemos que as lideranças foram cargos inclusive com concursados. Metade dos meus secretários que estiveram comigo nos quatro anos são concursados”, conta. 

Apesar de não ter conseguido se reeleger, o prefeito agradeceu a oportunidade de comandar Rio Azul nestes quatro anos. “Eu, agradeço mesmo assim pelo privilégio de ser gestor público que é para poucos, que nesses quatro anos eu fiz”, disse. 

Saúde

De acordo com Rodrigo Solda, um dos principais desafios da administração foi em relação à saúde pública, principalmente durante a pandemia. “A saúde do município nós conseguimos fazer incremento através de atendimento, de contratações. Nós tivemos dificuldade porque não pude fazer o concurso público a tempo antes da pandemia, faltou médicos. Faltou médicos, eu fiz contrato terceirizado. Quem é gestor sabe o quanto é dificultoso. Mas em nenhum momento eu fechei as portas da prefeitura. Eu continuei fazendo o meu serviço”, ressaltou. 

Houve dificuldades para atrair os médicos para o município. “Eu chamava médicos do concurso e nenhum queria aceitar. Nenhum queria vir para Rio Azul. Mais de 25 profissionais abriram mão, abdicaram do direito do concurso, esvaziou as opções e tive que chamar médico terceirizado. Estabelecer a quinta equipe. De saúde básica, de atendimento”, contou. 

Mesmo assim, foi possível inaugurar mais uma unidade do Programa Saúde da Família (PSF). “Eu cumpri com uma promessa minha de quatro anos atrás que era colocar mais um PSF. Um pronto atendimento para a saúde da família. E conseguimos fazer isso. Já está funcionando”, disse. 

Quer receber notícias locais? 

O prefeito ainda destacou a realização de outras ações, como as consultas especializadas. “Eu mais que dobrei a transferência de recurso do hospital e, ao contrário do que falaram na campanha, eu nunca deixei de pagar o plantão para o médico. Eu consegui melhorar a quantidade de atendimento do hospital. Eu melhorei, eu fomentei mais ainda. Assim como no Consórcio [Consórcio Intermunicipal de Saúde]. Todas as especialidades que são oferecidas no Consorcio de Saúde o município arcou com os custos para dar encaminhamento. Em certo momento, conseguimos, com a secretária de Saúde, zerar as filas de exames que é algo raro de acontecer porque diariamente tem demanda na saúde, então a fila sempre vai existir. Mas conseguimos fazer com que zerasse em certo momento, anterior à pandemia”, disse. 

Por causa da pandemia, o município de Rio Azul recebeu cerca de R$ 800 mil do Governo Federal. O prefeito explica que o recurso foi usado para reforçar as equipes e o trabalho nas unidades. “Nós fomos o primeiro município a implementar a unidade sentinela para enfrentar a Covid. Fui o primeiro prefeito a fazer as barreiras na região. Fizemos a formulação dessa equipe, contratamos mais funcionários, tenho até hoje técnicos de enfermagem e enfermeiro que vieram através de universidades, parcerias e estão atendendo até hoje. Quando a Regional [4ª Regional de Saúde] pediu para todas as prefeituras migrarem da unidade sentinela para normalizar, com qualificação, os atendimentos da unidade básica de saúde, nós fizemos de forma imediata e continuamos atendendo”, contou. 

Ainda em relação à saúde, Rodrigo Solda comenta que o município ainda espera pela ambulância destinada por meio do convênio realizado por municípios, para participar do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). O município é considerado uma sub-base e receberá uma ambulância que também atenderá Mallet e Rebouças. “Eu participei das primeiras reuniões e fui, se não me engano, um dos primeiros prefeitos a assinar a adesão a esse Consórcio. Inclusive, já fiz o pagamento dos R$ 85 mil para viabilizar, restou aguardando até hoje que seja liberada a ambulância de Rio Azul”, disse. 

Quando a ambulância for destinada ao município, a prefeitura deverá estabelecer um local de base para a equipe. Dois locais apontados são o PSF inaugurado recentemente e também o antigo prédio da Sanepar. 

Interior

Uma das ações da administração foi a construção de casas rurais. “A administração anterior tinha convênio de casas rurais e elas não estavam sendo executadas. Elas já estavam com atraso de quase dois anos. Aquela história: reformar uma casa é mais difícil que começar do zero. Custa mais caro. Tivemos que refazer tudo. Conseguimos entrar com a questão jurídica, ir até a Cohapar e conseguimos fazer a liberação e fazer a execução desse convênio, que é lá de 2010. Nós conseguimos executar. Foi construído mais de 40 casas. Mas nós entramos com mais pedidos”, contou. 

A regularização fundiária também foi outra ação realizada. Conforme o prefeito, o município está apto para fazer a regularização fundiária rural, mas a regularização na parte urbana ainda é mais urgente. “Foi buscado fazer uma parceira via Justiça, através do Fórum. E também sabemos que existe um programa do governo do estado. Quando o governador Ratinho entrou, ele remodelou secretarias, então ele passou algumas coisas de uma autarquia para outra, então sabemos quer está nesta tramitação, mas estamos aptos a fazer regularização fundiária rural, mas no município também tem a área urbana que necessita ter continuidade”, disse. 

As estradas rurais também receberam melhorias. Rodrigo apontou que uma das ações que ajudou para essas melhorias foi o investimento para adquirir cascalho. “Nós não tínhamos comboios, não tínhamos braços suficientes para atender todas as estradas e nós não tínhamos o material, a matéria-prima, que é o saibro, o cascalho, ou até mesmo o rachão. O que nós fizemos? Nós adquirimos um equipamento, que eu digo que foi inovador, porque ele padronizou o material, que até então era impossível de ser feito. Nós tínhamos um pequeno britador, mas ele não fazia, ele tapava buracos, ele não conseguia fazer revestimento de leito de estrada de modo suficiente. Então, fomos atrás de um equipamento maior. Mais R$ 850 mil, quase R$ 1 milhão investimos. Nós criamos um local como se fosse uma mineradora, essa foi a grande mudança. Onde diariamente, 8h, 10h por dia, a gente tem essa produção constante de cascalho britado, de rachão, que aquele revestimento até mesmo serve para subleito do asfalto”, contou. 

Ele ainda destaca outros investimentos como a aquisição de um ônibus para a Educação e o investimento de iluminação com LED.