notícias

Agricultores poderão questionar valor da venda de soja na Justiça

Agricultores que firmaram contratos de venda de soja antes da pandemia poderão questionar valores na Justiça. Ação está sendo realizada por meio do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Irati

Paraná deve produzir 24 milhões de toneladas de soja (foto) na safra de verão. Foto: Jaelson Lucas/AEN-Arquivo

Os agricultores poderão questionar o preço da saca de soja proposta em contratos estabelecidos antes da pandemia. De acordo com o vereador Nivaldo Bartoski, que faz parte da Comissão de Agricultura da Câmara de Irati, a ação é realizada junto com o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Irati, por meio do seu presidente Alceu Hreciuk.

O vereador explica que muitos agricultores fizeram contratos com empresas que já estabeleceram um preço de venda da saca de soja de 60 kg antes do cultivo. Os preços foram discutidos com base nos valores comercializados na época do contrato. Antes da pandemia, uma saca de soja era em torno de R$ 100. Com a pandemia, o preço aumentou para R$ 163. “Eles fazem esses contratos, às vezes um ano antes de plantar, que essa soja nem está plantada. Ninguém imaginava que ia vir a pandemia. E hoje quantos agricultores contrataram até R$ 80, R$ 85, R$ 90 e até R$ 100? ”, questiona o vereador. 

Para Bartoski, o preço estabelecido inicialmente pode trazer prejuízo para o agricultor, que terá que arcar com custos maiores e receber o preço antigo. “O preço da soja, do milho, feijão, tudo isso disparou, mas as máquinas agrícolas também dispararam. Lá na frente, lá no futuro, vai reverter para o nosso agricultor, principalmente para quem arrenda a terra, ele vai ter que pagar. Quase todo mundo se influiu nesse contrato. Contratou essa soja, ele de 40, 50 sacos, ele vai ter que pagar o dobro. No final vai quebrar o agricultor”, disse. 

O vereador explicou que o questionamento será feito por um advogado do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Irati que auxiliará os agricultores nessas ações. Segundo ele, há casos em Ponta Grossa que já resultaram positivamente para os produtores. 

Neste primeiro momento, os agricultores não terão custo. Apenas se ganharem a ação, parte poderá ser usada para o pagamento do advogado. “Se o agricultor contratou R$ 90, R$ 80, o que ele ganhar acima, o custo adicional depois que os advogados ganharem a questão, o agricultor só vai pagar 15% o custo de advocacia e da Federação”, conta. 

A pessoa que se interessar deverá levar para o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Irati o contrato, identidade, CPF, comprovante de residência e certidão de casamento (se houver). Os documentos serão analisados e serão dadas as devidas orientações ao agricultor. 

Texto de Karin Franco, com reportagem de Jussara Harmuch

Vereador Nivaldo Bartoski está solicitando que os agricultores ingressem na justiça para questionar o valor da venda de soja. Foto: Jussara Harmuch