notícias

Região Centro-Sul fecha agosto com mais empregos do que demissões

Em agosto, foram 1.079 vagas criadas e 854 demissões

Cidade de Irati teve 251 contratações e 253 demissões no mês de agosto. Foto: Jussara Harmuch

A região Centro-Sul terminou o mês de agosto com um resultado positivo nos empregos, gerando mais admissões do que demissões. No mês de agosto, foram 1.079 empregos criados contra 854 demissões na região, com saldo positivo de 225 vagas. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) que registra o número de empregos formais no País.

Apenas três municípios tiveram saldo negativo, ou seja, demitiram mais do que empregaram. Em Mallet, o saldo negativo foi de -4, com 51 empregos criados e 55 demissões. Em Rio Azul, foram 37 admissões e 40 demissões, com um saldo negativo de -3. Irati também contou com saldo negativo de -2, com 251 vagas preenchidas e 253 demissões.

Já entre os municípios com saldos positivos, os que mais geraram emprego do que demissões são Imbituva, Teixeira Soares e Prudentópolis. Imbituva criou 392 novas vagas e teve 284 demissões, com saldo positivo de 108. Em Teixeira Soares, foram 76 contratações e 26 demissões, com saldo positivo de 50. Em Prudentópolis, foram 151 admissões e 119 demissões, com saldo positivo de 32. No acumulado do ano, a região Centro-Sul também teve saldo positivo de 238 vagas. De janeiro a agosto foram 7.782 admissões e 7.544 demissões. 

Quer receber notícias locais?

Em comparação aos últimos meses, alguns se destacaram com mais saldos positivos. Um deles é Teixeira Soares que registra mais empregos do que demissões nos últimos quatro meses. Porém, o mês de junho registrou a mesma quantidade de admissões e demissões. Mesmo assim, Teixeira Soares é a única cidade a apresentar só um mês com mais demissões. 

Em seguida, Guamiranga e Imbituva também registraram mais saldos positivos consecutivos nos últimos três meses. Já Irati e Rio Azul estão há cinco meses registrando mais contratações do que admissões.

Seguro-Desemprego

O Governo Federal discute ampliar o prazo de recebimento do seguro-desemprego. Atualmente, o benefício é concedido durante três a cinco meses. A proposta discutida no Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) planeja ampliar para mais dois meses, totalizando sete meses de seguro-desemprego. Pela proposta, essa ampliação será válida apenas para quem for demitido sem justa causa entre os dias 20 de março e 31 de dezembro deste ano.

Contudo, a decisão pela ampliação foi adiada já que o Ministério da Economia pediu mais tempo para analisar a proposta. A falta de recursos para o seguro-desemprego é um dos motivos do pedido de maior prazo.

Confira nas imagens abaixo os dados dos dez municípios da Amcespar