Publicidade Topo

notícias

Irati libera passe livre para idosos sem restrição de horário

Pessoas acima de 60 anos poderão utilizar o transporte sem pagar passagem de segunda a sexta-feira. Até então, idosos tinham direito ao passe livre apenas das 7 às 12 h

Foto: Rádio Najuá

O Centro de Operações Especiais e de Fiscalização (COEF) liberou o passe livre no transporte público municipal para pessoas acima de 60 anos de segunda a sexta-feira sem restrição de horário. As atividades em escolas municipais particulares que atendem crianças de 0 a 4 anos e os jogos de futebol oficiais organizadores pela secretaria de Esportes ou outra entidade municipal também foram autorizados. 

Essas medidas foram possíveis em função da queda do número de casos de coronavírus no município nas últimas semanas, segundo o enfermeiro Agostinho Basso. “Tendo em vista os números da Covid-19 em Irati que estamos percebendo um decréscimo no número de casos, estamos flexibilizando mais alguns segmentos e reivindicações da população”, disse o coordenador do COEF em vídeo gravado na sexta-feira, 23. 

A liberação do passe livre foi uma solicitação apresentada pelo Conselho da Pessoa Idosa. Porém, o transporte gratuito para idosos segue impedido nos sábados e domingos. “Antes eles estavam liberados apenas das 7 [da manhã] ao meio-dia. Agora a pedido dos próprios idosos através do seu Conselho está liberado todos os dias da semana, de segunda a sexta-feira, em qualquer horário, o idoso pode utilizar-se do passe livre”, afirma o enfermeiro. 

Quer receber notícias locais?

Os jogos de futebol podem ser realizados desde que os estádios permaneçam fechados e sem a presença de público. Apenas atletas, comissão técnica e profissionais da imprensa podem entrar nos estádios. A determinação visa que a secretaria de Esportes finalize as competições que estavam em andamento e foram paralisadas no início da pandemia em março. O Campeonato Masters de Irati será retomado a partir do próximo sábado, 31, com o jogo entre Guarani e Estrela Azul de Assungui, no estádio Municipal Abrahm Nagib Nejm, a partir das 15 h. 

Já o retorno das atividades em escolas particulares para crianças entre 0 e 4 anos está liberado desde que sejam cumpridos os critérios estabelecidos na portaria 255, que visam prevenir o contágio de coronavírus. Agostinho ressalta que não foram liberadas atividades em creches e estabelecimentos de ensino sejam elas municipais ou estaduais, pois dependem de autorização de outras secretarias e órgãos de educação. 

Também estão permitidas as atividades de crianças menores de 12 anos em escolinhas de futebol, academias e aulas de exercício físicos, aeróbicos e artes marciais. Os participantes devem seguir os protocolos sanitários de combate à Covid-19. Além disso, deve constar a assinatura e autorização dos pais ou responsáveis. 

“Isso foi uma reivindicação grande, principalmente das escolinhas de futebol da cidade onde foi encaminhado várias vezes ao COEF essa solicitação e chegamos a um denominador comum, com autorização dos pais e todas aquelas medidas de segurança, aferição de temperatura, tudo aquilo que se refere aos cuidados de segurança dessas crianças até 12 anos”, relata Agostinho. 

O coordenador do COEF ainda reforça o pedido para as pessoas cumprirem as medidas de higiene pessoal e distanciamento. “A Covid é uma realidade em nosso município. Ainda estamos em pandemia e, por isso, precisamos reforçar mais do que nunca, não é porque liberamos tudo isso que devemos nos descuidar. Uso de máscaras em todos os ambientes, uso de álcool em gel quando saímos de casa, quando estivermos em qualquer local do comércio, escola, lavagem das mãos rotineiramente com água e sabão abundantemente e também distanciamento social a mais de um metro e meio de qualquer pessoa com máscara e tomando os devidos cuidados. Porque assim podemos caminhar lentamente quando é possível flexibilizando algumas coisas, mas se caso os números começarem a subir e estivermos saindo de um controle nós podemos recuar a qualquer momento, tomando atitudes muito mais drásticas e podemos até decretar um lockdown que nós não queremos”, diz o enfermeiro.