notícias

Derbli afirma que déficit na prefeitura de Irati tem origem em administrações anteriores

Prefeito de Irati se pronunciou sobre parecer do Tribunal de Contas do Estado (TCE/PR) que aconselhou a reprovação das contas de 2018

TCE-PR multou prefeito Jorge Derbli no mês passado por déficit financeiro da prefeitura em 2018. Foto: Divulgação

O prefeito de Irati, Jorge Derbli, afirma que o déficit orçamentário do Executivo Municipal tem origem em contas acumuladas de administrações anteriores. Ele comentou ainda que a atual gestão teve que pagar contas que estavam atrasadas na prefeitura. Ouça o áudio da reportagem no fim do texto

No mês passado, a Segunda Câmara do Tribunal de Contas do Estado (TCE/PR) aplicou uma multa no prefeito por causa do déficit de R$ 11 milhões relacionado à receita arrecadada de fontes livres pelo município em 2018, valor que corresponde a 9,7% deste índice superior ao limite de 5% tolerado pelo órgão. Por causa disso, a Corte também emitiu um Parecer Prévio pela desaprovação das contas do gestor em 2018. A defesa do prefeito recorreu do parecer.

O advogado do prefeito, Cassio Prudente Vieira Leite, do escritório Bonini Guedes e Gaião Advogados, explica que a defesa recorreu do parecer por entender que houve um equívoco ao não analisar individualmente as contas. “O resultado do déficit financeiro ele se deu em razão de uma situação prejudicial que já ocorreu em outros mandatos. O Derbli recebeu a prefeitura em um déficit financeiro nas contas livres muito grande e o resultado deficitário no ano de 2018 é a decorrência desses anos deficitários antes do mandato dele, que geraram essas consequências para o ano de 2018”, disse Cássio.

 Quer receber notícias locais?

Em entrevista à Najuá, Derbli afirmou que a prefeitura chegou a ter conta de água, luz e telefone atrasada. “Da administração anterior tinham sido aprovadas as contas, mas muita gente não sabe, que muita conta ficou da administração anterior que não foi empenhada. Quer dizer, não apareceu na contabilidade da prefeitura. Então, foram aprovadas as contas, a parte contábil, débito e crédito fechou com saldo positivo, porém muita coisa no início do mandato nós tivemos que pagar. E eu cito, por exemplo, a luz, a água e o telefone que ficou sem pagar durante três meses. Os últimos três meses da ex-gestão não pagaram luz, água e telefone. Quando assumi aqui, a primeira conta que mandei pagar foi uma conta de R$ 100 mil que ficou em aberto da administração anterior. Então é muito fácil você aprovar as contas e dizer que você paga as contas, mas não lança na contabilidade”, explica. 

Trâmites

Segundo o advogado, o caso somente será apreciado na Câmara Municipal após trânsito em julgado. “É necessário que haja primeiro o esgotamento da análise pelo Tribunal de Contas o que ainda não ocorreu. Essa decisão do Tribunal de Contas é uma decisão preliminar, já foi atacada por recurso e agora esperamos uma nova instrução do setor técnico confiando numa adequada individualização de conduta em relação ao Jorge Derbli e dos outros administradores do município”, conta. 

Eleições

Derbli ainda esclareceu que seu nome não aparece em uma lista de prefeitos com contas reprovadas e que não podem participar da eleição municipal deste ano. “Porém o nome Jorge Derbli Pinto não consta nessa relação consequentemente não há impedimento nenhum legal para mim participar desse pleito que vou participar agora, até que se julgue essas contas das estamos recorrendo”, relata.