notícias

Prefeituras da região da AMCESPAR prestam contas do Programa Comida Boa

No total, municípios receberam mais de 21,6 mil cartões, dos quais pouco mais de 17,9 mil foram entregues
Prefeitos e representantes de municípios da região se reuniram com a diretoria da AMCESPAR e representantes da SEJUF e da SEAB para prestar contas do Programa Comida Boa na sede da AMCESPAR na última quinta-feira, 20. Foto: Paulo Henrique Sava
Paulo Henrique Sava
Prefeitos de toda a região da AMCESPAR se reuniram nesta quinta-feira, 20, para prestar contas sobre a distribuição do Cartão Comida Boa nos municípios. No total, foram destinados 21.615 cartões para as famílias, dos quais 17.932 foram entregues e 3973 devolvidos por falta de procura dos interessados. As prefeituras receberam R$ 896,6 mil em recursos que foram distribuídos para famílias em situação de vulnerabilidade. 

O município de Irati entregou 5097 vales. Fernandes Pinheiro distribuiu 1276 cartões Comida Boa. Para as famílias de Guamiranga, foram destinados 748 vales. Imbituva entregou 3098 cartões. Inácio Martins repassou 1669 vales. Já o município de Mallet entregou 1109 vales. Em Rebouças, foram entregues 2467 cartões. Famílias de Rio Azul receberam 939 vales. Em Teixeira Soares, foram entregues 1529 cartões.

A chefe do escritório regional da Secretaria de Estado da Justiça, Família e Trabalho (SEJUF) em Irati, Marisa Massa Lucas, demonstrou satisfação com os resultados obtidos pelo programa em toda a região.
Foi excelente, nós estamos hoje na prestação de contas. Houve também movimentação no comércio local e regional, porque temos os distritos e em todas as regiões os pequenos comércios. O programa veio a atender um setor que precisava, por fornecer empregos, ser atendido da melhor forma possível.
Marisa enalteceu o trabalho das prefeituras, que atuaram na organização e na entrega dos cartões e trabalharam para que não houvesse aglomerações, confusão ou filas. Nenhum problema foi registrado, o que contribuiu para o sucesso do programa.
Foi feito por equipes competentes das secretarias, que conhecem estas famílias. Então, agendaram da melhor forma possível para que não houvesse filas e aglomeração. As famílias que chegam aos CRAS e CREAS nos municípios são conhecidas, então nada melhor do que estas equipes para atendê-las e fazer este trabalho. 
Pequenos comerciantes e microempreendedores de toda a região também foram beneficiados pelo programa. 
Quem não conhece uma pessoa que panfletava, era cabeleireira ou que vendia cachorro quente? Nós conhecemos sapateiros que neste momento não está atendendo da mesma maneira. Com o fechamento em março do nosso comércio, ficamos em uma situação bem crítica. Este programa veio a atender os microempreendedores individuais e também os nossos pequenos comerciantes. 
A SEJUF e a Secretaria Estadual de Agricultura e do Abastecimento (SEAB) atuaram em parceria no programa. A SEAB ficou responsável pela gestão dos cartões, desde a distribuição e a orientação às empresas que aderiram ao programa. Adriana Baumel, chefe do escritório de Irati da SEAB, ressalta a importância da adesão dos comerciantes locais, o que evitou que a população se deslocasse até estabelecimentos mais distantes para utilizar os recursos.
Foi muito importante esta grande adesão dos comerciantes para que a população não tivesse que se deslocar, com a pandemia e a não possibilidade de deslocamento e o isolamento. O comércio local ajudou muito quando se credenciou junto ao programa para atender a comunidade. Isto gerou benefícios, pois o programa não ficou concentrado apenas em grandes estabelecimentos, mas qualquer empresa que comercializava produtos alimentícios poderia se credenciar, fornecer o alimento e receber o cartão do beneficiário. 
João Arcoverde, assessor de gabinete da SEJUF, atribuiu grande importância à ajuda oferecida pelo Governo do Estado, que teve a adesão de mais de 800 mil famílias em todo o Paraná.
Isto foi de extrema importância para que pudéssemos levar para estas famílias em alta vulnerabilidade uma condição melhor de gerar alimentos, uma cadeia de produção, manter os estabelecimentos comerciais em suas vendas, enfim, trabalhar em cadeia para a população mais vulnerável. 
Arcoverde considera que a região da AMCESPAR foi estratégica para a condução do programa.
Toda esta condução do processo na região foi importante, e este momento de prestação de contas e de finalização do programa demonstra isto.  Os prefeitos trouxeram a documentação para que façamos as verificações necessárias e boas práticas, experiências exitosas do programa, que muitas vezes nós que estamos na área técnica não vemos isto, que aponta a real necessidade que a população sente em um momento de pandemia”.
O assessor garantiu que, mesmo com o encerramento do Programa Comida Boa, a Secretaria vem criando outras linhas junto à Assistência Social e à área do trabalho para criar novos programas assistenciais.
O governo Ratinho Júnior veio com ideia de inovar e trazer programas de amplo atendimento para que consigamos avançar em várias áreas, principalmente no interior do Paraná e de maneira intersetorial. Este programa veio para dar conta de uma realidade da pandemia, mas temos outros programas, como o Nossa Gente (antigo Família Paranaense), que está se destacando. Temos o Paraná Seguro e toda a área da Assistência (Social) com seus repasses, seus pisos que atendem diretamente os municípios de fundo a fundo, muitas vezes com dinheiro advindo da União ou do Estado que atendem estas demandas. Dentro destas realidades, iremos trabalhar de maneira contínua até para que os prefeitos possam, a todo momento, trazer novos projetos e ideias para executarmos pela Secretaria. 

Funcionários da SEJUF recebem documentos das prefeituras com a prestação de contas do Cartão Comida Boa. Foto: Paulo Henrique Sava