notícias

Pela segunda vez, câmara aprova empréstimo de R$ 10,5 milhões para Ginásio e asfalto em Gutierrez

Projeto junto à Fomento Paraná já havia tramitado em 2019. Reapresentado, os valores foram invertidos: R$ 7,5 milhões vão para conclusão do novo ginásio e R$ 3 milhões para pavimentação

Obra do Ginásio de Esportes deverá ser retomada após as eleições municipais, marcadas para dia 15 de novembro. Foto: Arquivo Najuá
Paulo Henrique Sava/edição Jussara Harmuch

A Câmara de Irati aprovou no dia 23, em 2ª votação, o Projeto de Lei nº 024/2020, que autoriza o município a contrair um empréstimo junto à Fomento Paraná no valor de R$ 10,5 milhões. Destes recursos, R$ 7,5 milhões serão destinados para a conclusão da obra do Ginásio de Esportes José Richa Filho, na Avenida Perimetral João Stoklos, e outros R$ 3 milhões serão aplicados na pavimentação de ruas do bairro Engenheiro Gutierrez.

Inversão de prioridade

O empréstimo já havia sido aprovado em 2019.Na elaboração de um novo projeto, os valores foram invertidos. Inicialmente seriam R$ 7,5 milhões para a pavimentação, que incluía toda a extensão da Rua Antônio Borazo, na ligação entre os bairros de Engenheiro Gutierrez e Lagoa. Agora, com R$ 3 milhões, será pavimentado o trecho da rua apenas na região de Gutierrez. A extensão ligando os bairros ficará para depois.

Já o ginásio precisa ser concluído para que o município não fique impedido de contrair novos empréstimos e tenha de devolver o dinheiro que já foi usado na obra. O prefeito Jorge Derbli (PSDB) justificou que a Secretaria de Desenvolvimento Urbano - SEDU fez novas exigências. Desta forma, estima-se que o valor da previsão inicial poderia não ser suficiente para concluir a obra, paralisada desde 2012.
A SEDU definiu que tem que fazer algumas obras adicionais no Ginásio de Esportes, como por exemplo trocar inteira aquela cobertura que teria parte da estrutura reaproveitada. Neste novo contexto, a SEDU e a engenharia definiram um valor maior como segurança no empréstimo para que se termine o ginásio. Não é que seja gasto isto, mas tem que ser reservado o valor de R$ 7,5 milhões para a conclusão do Ginásio, e ficou R$ 3 milhões para Engenheiro Gutierrez. Como temos um problema de desapropriações no trecho entre Gutierrez e Lagoa, e a rua é estreita, teríamos que fazer faixa de pedestres, passeio, uma obra no padrão da SEDU, inclusive tendo que mudar posteamento [sic]. A princípio vamos fazer a pavimentação dentro de Engenheiro Gutierrez.
Com a alteração, além do trecho central da Antônio Borazo, serão pavimentadas as ruas Chile, Jamaica e Miguel Gadens.

Na sessão que aprovou o projeto, o vereador Marcelo Rodrigues (PSDB), que reside em Gutierrez, esclareceu que esta condição foi imposta pela SEDU.
A Prefeitura de Irati vai pavimentar o bairro de Engenheiro Gutierrez, desde que conclua a obra paralisada do Ginásio. Esta foi a condição que o Estado colocou para a atual administração. Para nós, moradores do bairro, não ficarmos sem recursos para a pavimentação, é melhor ter estes R$ 3 milhões neste primeiro momento. A Secretaria de Planejamento já está com todos os projetos de ligação entre Gutierrez e Lagoa e para pavimentação de 100% do bairro. Estes projetos já existem. 
O presidente da Câmara, Nei Cabral (PV), lembrou que a conclusão das obras paralisadas e a pavimentação em Engenheiro Gutierrez eram promessas de campanha de Derbli em 2016.
Provavelmente a obra daquela comunidade será concluída ainda neste mandato, e, com o nosso aval na agilidade deste projeto, tenho certeza que estamos contribuindo para que uma das últimas obras paradas do nosso município, a do Ginásio, seja retomada e concluída.

Roni Surek (PDT) exibiu um vídeo que fez na obra parada para demonstrar o atual abandono.

José Bodnar - o Zequinha (PV) - falou do benefício que a obra trará à sociedade.
Esta obra com certeza será disponibilizada para a população iratiense, para os nossos atletas, será um ginásio de categoria olímpica. 
A preocupação com a devolução de valores e o impedimento para novos empréstimos foi destacada por Hélio de Mello (PV).
Se o município não concluir esta obra, além de ficar impedido de contrair empréstimos financeiros, também precisará devolver aquele dinheiro que já foi gasto na construção que está ali (em torno de R$ 3,3 milhões). Neste período de pandemia, de final de mandato, acredito que nenhuma administração pública teria condições de fazer uma devolução neste montante.
Nenhuma destas duas obras terá contrapartida municipal, uma vez que os recursos são oriundos de um empréstimo. Segundo o prefeito, o município tem capacidade de endividamento de R$ 21 milhões.

O processo licitatório deve ocorrer nos próximos dias. As obras serão iniciadas após as eleições municipais, adiadas para o dia 15 de novembro.

Rua Miguel Gadens está entre as vias que serão pavimentadas em Engenheiro Gutierrez. Foto: Paulo Henrique Sava