notícias

Partido Verde começa a construir alianças para as eleições 2020 na região

Irati, Mallet, Inácio Martins e Prudentópolis já contam com nomes para concorrer às prefeituras e câmaras de vereadores pela legenda
Deputada Federal Leandre Dal Ponte (PV) visitou municípios da região na última semana. Foto: Paulo Henrique Sava
Paulo Henrique Sava

O Partido Verde (PV) começou a construir alianças para as eleições municipais de 2020 na região da AMCESPAR. Na última semana, a deputada federal Leandre Dal Ponte (PV) esteve em Irati e Inácio Martins para falar sobre o assunto com integrantes regionais da legenda. Em entrevista à Najuá, ela garantiu que o PV tem bons nomes para disputar as prefeituras na região, que conta com cidades estratégicas. Entre elas, estão Irati e Prudentópolis, que contam com um maior número de representantes do partido.
Hoje tive esta oportunidade, estamos priorizando nossa agenda para a questão da estruturação do partido. Conseguimos visitar Irati e Inácio Martins, e devemos ir a Mallet, onde teremos candidato a prefeito, e Prudentópolis, onde temos um time grande do PV. Em Teixeira Soares também temos representantes do partido. São cidades importantes nas quais precisamos estar junto. O mais importante disso tudo é que só pode disputar alguma coisa quem tem nome para oferecer. Se não tem quadros dentro do partido, vamos brigar pelo quê? Podemos brigar quando temos bons nomes, pessoas de qualidade, capacitadas e preparadas. A gestão pública precisa de pessoas cada vez mais preparadas. É um partido no qual a executiva estadual tem dado um olhar especial para esta região, que sempre foi muito desassistida pelo PV, e quem alavancou tudo isto foi Irati.
A legenda começou a crescer na AMCESPAR em 2012, quando Ieda Waydzik concorreu à Prefeitura de Irati, na eleição vencida por Odilon Burgath. Entretanto, para Leandre, a maior dificuldade do partido está na composição da chapa de candidatos a vereador. Em Irati, Inácio Martins e Prudentópolis, cidades consideradas estratégicas, o PV conta com uma sobra de pré-candidatos.
Nós ainda teremos que administrar a situação de quem vão ser os candidatos. Temos muitos bons candidatos, e eu acho isso ótimo. Se você for ver em Inácio Martins e Prudentópolis, é a mesma coisa: nós temos uma chapa de candidatos muito maior do que vamos conseguir realmente colocar para concorrer. São cidades estratégicas e importantes para o partido, e eu não podia deixar de vir, ainda mais agora que ganhamos um pouco mais de fôlego, pois a eleição vai ser em 15 de novembro e dá tempo de fazer uma organização melhor e mais composições. A nossa expectativa hoje é de que saia o maior número de candidatos a prefeito do nosso partido possível no estado, e eu vejo que aqui na nossa região temos nomes de peso.
Até o momento, o PV conta com pré-candidatos a prefeito em Irati, Mallet e Inácio Martins. Leandre garantiu que os cotados para a disputa majoritária estão bem colocados nas pesquisas realizadas até agora.
Os nossos nomes são os que estão bem nas pesquisas, pelo que temos observado. Eu acredito que o PV tem muito a oferecer para uma gestão do município, seja tendo candidatura na majoritária para prefeito, seja compondo para vice, temos diversas alternativas que podemos aproveitar para Irati. Estamos trabalhando bastante é na questão do legislativo, porque queremos ter uma bancada maior, conseguir reeleger os nossos vereadores e obter mais vagas na Câmara, estamos trabalhando para isto.
Mudança de data das eleições 2020
A Câmara dos Deputados aprovou no dia 1º e o Congresso Nacional promulgou no dia 02 as novas datas para as eleições municipais de 2020. O primeiro turno, que antes seria no dia 04 de outubro, passou para 15 de novembro. O segundo turno, que seria realizado em 25 de outubro, passou para 29 de novembro. Municípios que não tiverem condições sanitárias para realizar a votação nestas datas poderão remarcar o pleito. Porém, o prazo para realização das eleições termina em 27 de dezembro. Leandre avalia que não há nenhum privilégio nesta alteração de datas.
Não tem nada de privilégio nesta mudança de data, pelo contrário, eu acho que foi um sacrifício que tem que ser feito. Eu sou muito favorável e desde o começo eu manifestei minha preocupação quanto a isto porque acredito que a vida tem que estar acima de tudo. Eu penso que 15 de novembro ficou uma data razoável. Não sei se todas as regiões do Brasil terão condições sanitárias para isto, tanto que deixamos uma brecha na legislação que, em virtude das condições sanitárias, o TRE poderá pedir a prorrogação de prazo, podendo determinar outros prazos.