notícias

Para presidente da ACIAI, pesquisa revela força do agronegócio em tempo de Covid-19

Pesquisa mostrou que 75% dos estabelecimentos do agronegócio mantiveram suas receitas. “Se a agricultura não tivesse essa fixação de renda, provavelmente, o comércio sofreria muito mais”, disse Elias Mansur

Karin Franco, com reportagem de Jussara Harmuch


Imagem da loja Afubra, que é do ramo de agronegócio- setor que manteve receitas mesmo com a pandemia de Covid-19. Foto: Jussara Harmuch
A força do agronegócio ajudará o comércio local em Irati. É o que destacou o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Irati (ACIAI), Elias Mansur, após analisar os números de uma pesquisa encomendada pela entidade, em parceria com o Sebrae, prefeitura de Irati e o Núcleo de Economia Regional e Políticas Públicas (NEREPP) da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

A pesquisa foi aplicada (via telefone e internet) na primeira quinzena de junho e trouxe dados sobre empregos, acesso às medidas econômicas e o que os empresários esperam do futuro. A amostra de 162 estabelecimentos corresponde a 11,87% do total de 1.365, registrados em Irati. O nível de confiança é de 90% e a margem de erro de 6%.


Agronegócio

Um dos dados revelados pela pesquisa foi que o agronegócio não teve quebra de contrato, conseguindo ter uma das maiores receitas.
A grande sorte do nosso município é que 75% de todos os entrevistados disseram que as empresas do agronegócio foram as que mais obtiveram receita e mantiveram as receitas do município, disse Elias.

O presidente da ACIAI destaca que o agronegócio proporciona renda no município e ajuda, consequentemente, no aquecimento do consumo no comércio dos municípios.
O agronegócio na nossa região aqui é o que predomina a maior renda e fixação de emprego. A consequência disso é que se a agricultura não tivesse essa fixação de renda provavelmente o comércio sofreria muito mais, porque são eles que estão trazendo essa renda para o emprego e comércio local, destacou o presidente da ACIAI.

Microempreendedor individual

A situação dos Microempreendedores Individuais (MEI) também é motivo de preocupação. A pesquisa revelou que eles são os empresários que mais sofrem durante a pandemia.
A preocupação maior é com os MEIs. Eles não têm suporte de atendimento, digamos assim, conhecimento administrativo de gestão e estão sofrendo mais, analisa Elias.

Para ajudar os MEIs e demais associados, a ACIAI tem preparado ações para dar suporte neste momento. Uma delas é criação de um Market Place, uma plataforma onde empresários poderão vender os produtos de forma online.

O presidente da ACIAI destacou que os empresários deverão receber treinamento para o uso da plataforma que pode ser lançada até o fim do ano.
Acredito que até o final do ano teremos implantado isso em Irati e região. Primeiramente para associados, mas provavelmente devemos abrir para não associados também, comentou.