notícias

Irati registra queda acentuada de empregos a partir de abril

Em abril, número de desempregados cresce, em maio praticamente dobra. Na soma da região, saldo de empregos também é negativo, no entanto, destoam com saldo positivo Imbituva 157, seguido de Rio Azul com 88 e Teixeira Soares 64

Karin Franco, com reportagem de Jussara Harmuch

O município de Irati registrou os dois últimos meses com saldos negativos de empregos. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) mostram que em fevereiro e março houve mais empregos do que desemprego, mas a partir de abril, o número de desempregados foi maior do que empregados. Em maio, o número de demissões praticamente dobra, o que não acontece com as admissões.

Segundo o chefe da Agência do Trabalhador de Irati, Marcelo de Ávila Francos, uma explicação para a queda é a crise gerada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).
Veio toda essa questão de fechamento por algumas semanas, algumas medidas que foram tomadas para evitar aglomerações e por consequência também algumas empresas que começaram algumas dispensas, explicou.

Irati

Em Irati, maio foi o mês com mais demissões. Foram 624 demissões e apenas 154 admissões, gerando o maior saldo negativo desde o início do ano.

Abril e maio foram meses onde o número de admissões caíram drasticamente. Em abril foram 122 admissões e 350 demissões, saldo negativo de 228, enquanto em 2019, no mesmo mês o saldo foi positivo, 36. Nos meses anteriores, o número de demissões é próximo, mas as criações de vagas oferecidas são maiores, chegando a ser o dobro dos últimos dois meses.

Em março, foram 550 vagas criadas e em fevereiro 570 vagas.  É importante ressaltar que nesses números entram os empregos temporários contratados para a colheita em lavouras.

Irati apresentou queda de 275 vagas de emprego nos cinco primeiros meses deste ano, segundo CAGED. Foto: Rádio Najuá

 Atendimentos

A Agência do Trabalhador de Irati também divulgou os números de atendimentos realizado para o seguro-desemprego. O benefício pode ser pedido por meio da agência, mas também é possível fazer um autopedido pela Carteira de Trabalho Digital.

Em janeiro, a agência fez 364 atendimentos. Em fevereiro, o número de atendimento foi o mesmo. Em março, os atendimentos caíram para 339. Já em abril a redução foi drástica: 124 atendimentos concretizados. Em maio, o número voltou a subir: 349 atendimentos.

De acordo com chefe da Agência do Trabalhador de Irati, a diferença entre os dados do Caged e dos atendimentos do seguro-desemprego é que o primeiro sistema registra empregados e desempregados, já o segundo, contabiliza apenas atendimentos, onde nem sempre todos são beneficiados.
Nós tivemos um número alto de dispensas, mas nem toda dispensa gera a habilitação ao seguro-desemprego, conta.

Um dos casos são de contratos temporários. “Nós tivemos muitos empregos que foram gerados de maneira temporária e isso não habilita ao seguro, apenas poderia habilitar a retomada do seguro-desemprego. Existe dentro do seguro-desemprego um dado que se chama período aquisitivo. É o período que compreende habilitar um seguro e outro. E esse período é um período de 16 meses. Então, muitas dessas pessoas, elas estavam no período aquisitivo, ou foram serviços temporários ou serviços de experiência, contratos por prazo determinado”, disse.

Região

Os dados do Caged também mostram que na região dos municípios de abrangência da Amcespar as admissões ficaram abaixo do número de desempregados. Desde janeiro até maio, foram criadas 5025 vagas, mas houve 5146 demissões.

Dados dos nove municípios da Amcespar em relação ao número de contratações e demissões nos cinco primeiros meses de 2020. Foto: Divulgação

Regras do Seguro-desemprego

O chefe da Agência do Trabalhador de Irati destaca que uma legislação de 2017 mudou as regras para o recebimento do seguro-desemprego. “Antigamente, a partir de seis meses trabalhados, independente de qual habilitação fosse, ela poderia solicitar. Desde 2017 houve uma mudança, a pessoa que nunca recebeu seguro-desemprego, para que ela possa ter direito ao benefício, tem que ter no mínimo 12 meses trabalhados, nos últimos 18 meses. Para segunda habilitação tem que ter no mínimo nove meses trabalhados nos últimos 12 meses. E a partir da terceira habilitação, são seis meses e aí não pode ter intervalo. São seis meses ininterruptos. Isso significa que tem que ser na mesma empresa? Não, ela só não pode ter intervalos”, disse Marcelo.

Ele ainda esclarece que o benefício possui um piso e teto de pagamento. “O seguro não pode ser inferior a um salário mínimo, que seria o piso, e também tem um teto de R$1.813”, disse.

No caso de quem recebe mais de um salário mínimo, é realizada a média dos últimos três salários e feito um fator de multiplicação que chegará ao valor do benefício.

Para empregados domésticos, incluindo caseiros, o cálculo segue uma legislação diferente. “O seguro-desemprego para doméstico tem número de parcelas definido, que são três parcelas, e o valor definido que é de um salário mínimo. Temos domésticos que recebem mais de um salário mínimo. Eles não entram no cálculo de fator de multiplicação. É uma regra já pré-estabelecida: são três parcelas de um salário mínimo”, explica o chefe da Agência do Trabalhador.

O beneficiário precisa estar atento ao prazo para dar entrada no processo. Para trabalhadores domésticos, o pedido tem que ser feito até 90 dias após a demissão. No caso dos demais trabalhadores o prazo máximo é de 120 dias para fazer o pedido.

Reabertura da Agência do Trabalhador de Irati

A Agência do Trabalhador em Irati chegou a ficar fechada por duas semanas no início da pandemia, atendendo apenas por e-mail, telefone e WhatsApp.

Mas agora está atendendo normalmente de segunda-feira a sexta-feira, em horário diferente: das 9h às 11h30 e das 13h às 17h.