notícias

Família contesta informação de que teria contraído Covid-19 em churrasco

Em carta de esclarecimento, familiares dizem que têm se revezado para cuidar de uma pessoa idosa que está acamada
Foto: Ilustração
Paulo Henrique Sava
No último dia 6, durante coletiva de imprensa realizada para anunciar o decreto que determinou novos horários de funcionamento do comércio durante a semana e o fechamento total aos sábados, domingos e no feriado de 15 de julho (aniversário da cidade), a secretária de saúde de Irati, Jussara Aparecida Kublinski Hassen informou que oito integrantes de uma mesma família haviam contraído o Coronavírus (Covid-19). Na oportunidade, ela afirmou que todos foram contaminados após a realização de um churrasco.

Entretanto, a família contesta a afirmação. Em carta de esclarecimento enviada à Najuá, familiares classificaram a informação da secretária como “inverídica e infundada”, e afirmaram que a exposição acabou gerando uma grande repercussão negativa da situação.
Mesmo sem citar nomes, devido à grande quantidade de casos que tivemos a nossa situação acabou sendo facilmente relacionada e vista de maneira muito negativa por muitas pessoas que nos conhecem, colegas de trabalho e contatos que avisamos do resultado. Por isso repudiamos e lamentamos esta afirmação inverídica que dá a entender que fomos irresponsáveis, que pegamos o Covid por termos nos reunido para fazer um churrasco. Isso não condiz de maneira alguma com a realidade! ”
A família alega que, nos últimos meses, mesmo antes da pandemia, vem dedicando atenção especial no cuidado com pessoas idosas e doentes do núcleo familiar. Uma pessoa apresentou complicações de saúde desde o final do ano passado e ficou debilitada a ponto de sair da cama apenas com o uso de cadeira de rodas e o auxílio constante de outros familiares, o que explica a necessidade de revezamento entre eles, segundo relatado na carta de esclarecimento.
Neste sentido, uma só pessoa acaba não dando conta de todos os cuidados e nas ações mais pesadas ou delicadas, como dar banho e deslocamento, por exemplo, a ajuda de mais familiares se faz necessária diariamente.
Durante a entrevista coletiva, Jussara citou que, além dos idosos, crianças também estariam presentes no ambiente. A família confirma esta informação e esclarece que elas estavam no local por conta do fechamento das creches durante a pandemia e da necessidade de permanecerem sob os cuidados dos familiares. Segundo a família, isso explica a convivência quase que diária na residência dos idosos.
Justamente por essa situação nos levar a ter esse convívio necessário, nossa maior preocupação sempre foi tomar o máximo de cuidados possíveis externamente, com o medo de trazer qualquer doença para nossas casas e, principalmente, para a casa destes idosos. Mesmo assim, infelizmente, o nosso maior medo aconteceu, fomos contaminados pelo Covid e não temos a mínima ideia de quem pegou primeiro e nem de onde possa ter sido.
Na carta, familiares ressaltam que a afirmação da secretária gerou uma repercussão negativa nas redes sociais e nos órgãos de imprensa, o que deixou a família vulnerável a todo tipo de julgamento e críticas das pessoas.
...principalmente num momento em que respeito e empatia estão em falta e as fake news estão em alta, em que muitas pessoas acabam compartilhando, julgando e até ofendendo sem saber da realidade, nos levando a ter ainda mais problemas mesmo diante de toda a situação crítica e delicada que já estamos enfrentando.
Os oito integrantes que contraíram Covid-19 tiveram sintomas leves e se recuperaram em casa.
Sabemos que em algum momento devemos ter errado, mas tomamos todos cuidados possíveis, cumprimos o isolamento desde o primeiro sintoma, buscamos exame particular para quem não teve todos os sintomas necessários para o exame ser realizado pela secretaria de saúde, nos expusemos aos contatos para avisar da situação, enfrentamos todos os medos, dores tanto físicas quanto psicológicas desta doença... não é justo passarmos por mais esta situação, principalmente pelos idosos e por tudo que já estão tendo que passar!
A família entrou em contato com a ouvidoria da saúde no dia seguinte à entrevista e solicitou uma retratação pública da secretária. Procurada por nossa reportagem, Jussara encaminhou um vídeo publicado nas redes sociais, onde reconheceu o equívoco e pediu desculpas à família.
Me desculpem, pois, a família do churrasco era de cinco pessoas. Então, eu me equivoquei: a família de oito pessoas pegou Covid porque tinham uma pessoa doente e estavam fazendo um revezamento para cuidar deste acamado. Então, estou fazendo aqui uma retratação em público, dizendo que esta família de oito pessoas não foi contaminada por aglomeração de festa, mas sim pela necessidade de cuidar desta pessoa. 
Na carta, a família agradece a todos os profissionais de saúde que acompanharam a situação dos envolvidos, desde a primeira consulta, coleta de material para exames e acompanhamento por parte da epidemiologia.
São profissionais extremamente capacitados, humanos e comprometidos com a causa, neste momento tão difícil que todos estamos enfrentando. O nosso muito obrigado! Também externamos a nossa solidariedade a todas as pessoas e famílias de nossa cidade que estão passando por esta doença, cada caso e número divulgado nos boletins epidemiológicos traz consigo uma história que não conhecemos, mas que tem garantido o amparo legal pela não exposição e deve ter o devido respeito, sensibilidade e empatia tanto pelas autoridades quanto por todos nós.