notícias

SESA corrige falha e transfere caso de Covid-19 registrado para cidade de Rebouças

Paciente mora em Curitiba e foi inserida no sistema como moradora de Rebouças. Desta forma, cidade da 4ª Regional registra quatro e não cinco casos como mostrava boletim da SESA

Da Redação


Em vídeo gravado no Facebook da prefeitura, Técnico da Vigilância Epidemiológica, Aguinaldo Hurbik, esclareceu divergência de dados entre o boletim municipal e estadual da Covid-19
A Secretaria de Estado da Saúde (SESA) fez uma correção e retirou um caso de coronavírus (Covid-19) diagnosticado para o município de Rebouças em seu Informe Epidemiológico nesta semana. A alteração foi realizada no boletim divulgado nesta quarta-feira, 24. Com isso, a cidade registra quatro pessoas contaminadas. Dessas, três já estão recuperadas.

Em vídeo gravado no Facebook da prefeitura, o Técnico da Vigilância Epidemiológica, Aguinaldo Hurbik, explicou que um caso registrado em Curitiba foi colocado por engano para Rebouças. A falha ocorreu porque a cidade de Curitiba possui um bairro chamado Rebouças. “Nós precisamos ter comunicação oficial através do laudo para saber quem é. Esse laudo só vem pelo sistema. Como não tinha no sistema foi procurado a 4ª Regional, eles ajudaram a procurar, mas não tinha nenhum laudo liberado. Por mais que nós tínhamos nove pessoas aguardando o laudo poderia ser uma dessas contaminadas, mas não tinha esse laudo. Depois de bastante pesquisa foi identificado que em outra cidade tem um bairro parecido com o nosso, com o nome de nossa cidade. Foi colocado uma paciente de lá como se fosse Rebouças. Como o boletim é feito com base nesse sistema esse laudo saiu contando para Rebouças. Só que a paciente não é nossa foi colocado por engano, não foi intenção de fazer”, afirmou Aguinaldo.

Ele disse que a falha pode ocorrer no preenchimento do sistema e cita que basta colocar um número errado para que o município de residência do paciente seja alterado. “Até esses dias está confeccionando esse mesmo laudo e sem querer eu coloquei um número diferente lá. Saiu o nome de outra cidade. É como se o paciente nosso aqui tivesse mantido residência em outra cidade. Vi na hora, no momento e alterei. Isso pode acontecer. Curitiba a demanda de exames é bem maior que a nossa”, justifica o Técnico da Vigilância Epidemiológica.


Conforme Aguinaldo, todos os exames Swab nasofaringe precisam ser registrados no Sistema Gerenciador de Ambiente Laboratorial (GAL). “Depois manda o exame e direciona para qual laboratório que vai no Estado para fazer amostragens. Nesse mesmo sistema, o Estado coloca o resultado do laudo dos pacientes positivados e dos negativados. Isso para todos os exames, não só para Covid. Perante esse sistema é coletado informação para que se crie o Boletim Epidemiológico do Estado, que sai todo dia por volta das 17 h.

Com base nos resultados desse sistema que eles podem sair os resultados a qualquer momento. Fazemos o nosso boletim e as nossas atividades de vigilância epidemiológica em relação aos contaminados através desse boletim”, revela.

O funcionário da secretaria de Saúde de Rebouças ainda enaltece que o município ampliou a capacidade de testagem da população. Atualmente, a média é de 15 a 20 exames por semana.

“Estamos testando bastante as pessoas. É importante, qualquer sintoma gripal, moleza, dor de garganta, febre ou tosse para que possa se dirigir a unidade de saúde para fazermos a testagem. Desde que apresenta sintomas temos um período de tempo para fazer esse exame. É muito importante fazer o teste para dar clareza e transparência nas ações de controle ao Covid-19 no município. Uma dessas é a grande número de testagens. Até esses dias estamos com uma média de 20 testagens. Antes fazíamos uma por semana e quando se agravava ia para o hospital. Agora nós já estamos com mais de 100 somando sorológicos com PCR”, comenta Aguinaldo.

Caso ativo da doença é de uma gestante

Dos quatro casos confirmados de Covid-19 em Rebouças, três moradores já se recuperaram. O único caso ativo é de uma mulher, gestante, que tem entre 20 e 25 anos e mora na área urbana. O diagnóstico positivo dela foi confirmado na terça-feira, 23.

Em vídeo gravado no Facebook da prefeitura ontem, 23, a secretária de Saúde de Rebouças, Tânia Selhorst, disse que o município ainda estava em processo de investigação para obter informações sobre a paciente. Ela também ressaltou a preocupação da pasta em relação ao caso, pois as mulheres grávidas já recebem acompanhamento e atenção especial para que não ocorram problemas na gestação.

Aguinaldo ainda pede para as pessoas não compartilharem objetos. “Os casos têm como características, as visitas, rodas de chimarrão, por todas essas coisas de compartilhamento de espaços e objetos. Nós precisamos e pedimos a população que nos ajude nesse sentido. Nós não temos como vigiar todos ao mesmo tempo e nem como punir as pessoas de certa forma por estarem fazendo isso, mas vai da consciência de cada um, que pode estar contaminado e estar levando essa contaminação para uma pessoa que não tenha o mesmo suporte de saúde, que será um problema maior”.