notícias

Secretaria de Saúde de Irati esclarece atestados de óbito com suspeitas por coronavírus

Testes do primeiro caso deram resultado negativo. Na segunda situação, dois exames também deram negativo e secretaria de Saúde aguarda resultado de um terceiro exame, pós-morte

 
Da Redação

A reportagem da Najuá teve acesso a dois atestados de óbitos de moradores de Irati que apontavam como uma das causas Síndrome da Angústia Respiratória Agudo Grave (SARS) infecção por coronavírus não especificada e suspeita de Covid (recoletado exame).

Confira o áudio da matéria no fim do texto

A secretária de Saúde, Jussara Aparecida Kublinski Hassen, esclarece que os dois pacientes tiveram amostras coletadas e apresentaram resultado negativo no teste PCR, de secreção, que detecta a presença do vírus, realizado pelo Laboratório Central do Estado do Paraná (Lacen/PR).
O primeiro deu entrada na Santa Casa de Irati no final de abril, sendo coletada amostra para Covid-19 e na sequência transferido para a UTI do hospital [Universitário] Regional de Ponta Grossa. Na sequência e por cumprimento do protocolo, mais dois exames foram coletados, inclusive pós-morte e todos apresentaram resultados não detectados para Covid, sendo, portanto, um caso descartado. O segundo caso também deu entrada na Santa Casa de Irati, em meados de maio, onde a instituição realizou por rede laboratorial particular o teste rápido para triagem de Covid-19, sendo considerado um exame de triagem inicial e teve reagente. Na sequência procedeu-se com a coleta do exame PCR diagnóstico, sendo que o paciente também foi transferido para hospital de Ponta Grossa, onde realizou mais dois exames PCR, um inclusive pós-morte. Dois dos PCRs tiveram resultados não detectáveis para Covid estando apenas no aguardo, do exame pós-morte que possui previsão para 6 de junho, sendo, portanto, um caso em investigação, afirma Jussara.

Questionada sobre o fato do primeiro exame ter dado “reagente”, a secretária afirmou que se trata do teste rápido, que apresenta confiabilidade de apenas 30%. Por isso, logo em seguida se realizou o PCR que apresentou resultado negativo.

Já o enfermeiro Agostinho Basso, que coordena a Sala de Situação de Risco de Coronavírus em Irati, enfatiza que somente pessoas suspeitas ou diagnosticadas laboratorialmente com a doença são encaminhadas para hospitais de referência. Agostinho também explica que na Declaração de Óbito (DO) podem constar até três causas de uma morte.
Acabou saindo no atestado de óbito, que é entregue para a família no dia do óbito, uma cópia fica no hospital e a outra fica no cartório para gerar a certidão de óbito, nesse Declaração de Óbito existem três causas morte. Causa 1, 2 e 3. Os dois atestados vieram como suspeita de Covid. A nível de cartório a certidão de óbito sai suspeito de Covid. Nós temos um programa, um sistema de informação via internet e oficial do Ministério da Saúde que se chama SIM- Sistema de Informação de Mortalidade. Nesse sistema nosso do Ministério da Saúde, SESA e de todas as secretarias municipais de saúde vai ser alimentado com o resultado do exame pós-morte. Como esses dois óbitos vieram do Laboratório Central do Estado negativos para o Covid-19, ele não entra nas estatísticas nem da SESA, Ministério da Saúde e nem nosso aqui da secretaria como óbito do Covid”, diz o enfermeiro. 

A certidão sempre é preenchida no ato do óbito, no mesmo dia. A funerária só pode retirar o corpo com a certidão em mãos e o familiar deve levar para registro no cartório. 
A causa primária, secundária e terciária, nem sempre é preenchido as três. Nestes casos, eles foram como suspeitos, entraram no sistema hospitalar como suspeito, mas depois de todos os exames chegou-se a outro diagnóstico. Foi comprovado pelos exames que não era o Covid. A população pode ficar tranquila, a gente está acompanhando caso a caso, salienta o Enfermeiro.
Segundo Jussara, um dos pacientes possuía outras doenças pré-existentes, chamadas de comorbidades.

Último boletim divulgado pelo Departamento de Vigilância Epidemiológica da secretaria de Saúde de Irati. Foto: Divulgação
Confira o áudio da reportagem que foi veiculado no programa Meio Dia em Notícias da Super Najuá