notícias

Parques, praças, ginásios e locais esportivos públicos de Irati serão interditados

Medida faz parte de um novo pacote de orientações de combate ao Coronavirus a ser adotado em Irati


Parque Aquático, praças, ginásios e outros locais públicos para prática de esportes serão interditados nesta semana. Foto: Arquivo Najuá
Paulo Henrique Sava

A Prefeitura de Irati vai interditar os parques, praças, ginásios e locais públicos para prática de esportes da cidade a partir desta semana. A medida faz parte de um pacote de orientações a ser adotado para combater o crescimento do número de casos de Coronavirus (Covid-19) no município. 

Segundo o coordenador da sala de situação da Covid-19, Agostinho Basso, a interdição é necessária porque a população não tem seguido o decreto municipal que determina a não-utilização destes espaços.
Temos visto que o povo voltou a ir para o Parque Aquático, às praças, aos ginásios e campos para jogar basquete e futebol, sendo que o decreto está em vigor. Isto não foi afrouxado, está em vigor o distanciamento e a não-utilização destes espaços públicos.
A Guarda Municipal e a Vigilância Sanitária irão intensificar a fiscalização e, se necessário, pessoas flagradas nestes locais serão multadas, de acordo com o que estabelece a legislação. A Polícia Militar também participará das ações. 
Pedimos que não vão aos parques, às praças públicas, não façam aglomerações, porque o risco é iminente.
O decreto determinando o fechamento destes locais deve sair até sexta-feira, 12.

Horários diferenciados do comércio

O comércio também deverá adotar horários de abertura e fechamento diferenciados. Os estabelecimentos poderão optar por abrir das 08h às 17h ou das 09h às 18h. Esta medida, segundo Agostinho, tem como objetivo evitar a aglomeração de pessoas (colaboradores das empresas e clientes). Os proprietários também deverão providenciar formas de fiscalizar e ordenar as filas dentro e fora dos estabelecimentos, respeitando a distância mínima de 2 metros entre as pessoas. 
Fomos questionados sobre o fato de a Prefeitura ter a obrigação de fiscalizar filas, mas não é assim. Aquelas filas não são públicas, mas de clientes, sejam de lotéricas, de bancos privados ou outros estabelecimentos. Não é uma fila pública, é de possíveis clientes que estão esperando para serem atendidos. A responsabilidade de manter a ordem e o distanciamento é dos empresários.

Fiscalização sobre a capacidade máxima de pessoas

A fiscalização de estabelecimentos comerciais e afins quanto à capacidade máxima de pessoas permitidas e seu horário de funcionamento também deve ser intensificada. 
Nós estamos vendo um afrouxamento do comércio. Em alguns mercados eu tenho visto que o decreto não está sendo executado. As academias estavam proibidas, mas os proprietários vieram, tivemos uma reunião e eles se comprometeram, mas já tivemos denúncia nesta semana que as academias estão ‘relaxando’. A palavra não é pejorativa: relaxamento significa afrouxamento, não estão exigindo (uso de máscaras, higienização das mãos e distanciamento). Isto pode fazer com que fechemos as academias. Não é uma ameaça, mas uma possibilidade, porque o decreto está sendo descumprido.
Sistema delivery

O consumo de bebidas e alimentos em bares e similares deve voltar a ser proibido, podendo apenas as empresas comercializarem no sistema delivery, ou seja, as pessoas devem adquirir os produtos e levá-los para casa. 
Estamos recebendo denúncias de que, nos bares, as pessoas não estão utilizando máscaras. Para beber, a pessoa pode retirar, mas depois coloca de novo, e não é o que estamos vendo. Isto sem contar que estamos sabendo de bares que fecham as portas após as 21 horas (horário de início do toque de recolher) e mantendo os clientes lá dentro. Eles (proprietários) acham que a gente não sabe, mas um vizinho ou pessoas que estão passando em frente estão denunciando”.
Toque de recolher

O toque de recolher continua em vigor das 21h às 06 horas da manhã do dia seguinte. A fiscalização do respeito a esta medida também será intensificada. Caso algum estabelecimento seja flagrado aberto neste horário, o proprietário será autuado e multado pela Polícia Militar. Se houver reincidência, o alvará de funcionamento poderá ser suspenso. O deslocamento de pessoas neste horário também não é permitido, exceto em casos nos quais elas estejam se deslocando para casa ou serviços essenciais.

Transporte público

O transporte público de passageiros deverá ser limitado a 70% da capacidade dos ônibus. Além disso, pessoas portadoras do chamado “passe livre” (idosos acima de 60 anos, portadores de necessidades especiais e aqueles que possuem a carteirinha) poderão utilizar o serviço somente de segunda a sexta-feira, das 09h às 12 horas. 

Conforme Agostinho, o município vem adotando todas as medidas necessárias para evitar um novo fechamento total.
Na verdade, estamos fazendo o máximo para evitar o lockdown, ou seja, o fechamento total, como aconteceu no início da pandemia, quando aconteceu de fecharmos por uma semana, o que acabou se estendendo por 9 dias, incluindo dois sábados e dois domingos. Colhemos os frutos de tudo isto, mas agora no Paraná, segundo o secretário de Saúde Beto Preto, com o inverno que começa nos próximos dias, terá dois meses com maior risco. Isto porque, além do Corona, teremos as doenças sazonais do inverno, que são a gripe, os resfriados, a pneumonia, e há os internamentos por causa das doenças respiratórias.
Pico de casos deve chegar em julho, diz SESA

No Paraná, a SESA estima que o pico de casos de coronavírus acontecerá entre os dias 10 e 20 de julho. Agostinho lembra que, em caso de aumento exponencial dos casos de Covid-19, a Santa Casa de Irati não possui leitos de UTI suficientes para receber os pacientes, e que o Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais, em Ponta Grossa, que é referência para a região, também está com a capacidade comprometida. 
O Paraná ainda está bem, mas corre risco. O prefeito (Jorge Derbli) deixou claro que não vai pensar duas vezes em decretar o fechamento. Se nós não fizermos a nossa parte, os comerciantes, lojistas e o povo não fizerem a parte deles, nos resta o fechamento para evitar mortes. Com isto, vem a crise financeira, o aumento do desemprego e o desequilíbrio econômico e fiscal. Por isto, pedimos encarecidamente neste sentido.
A secretária de saúde Jussara Aparecida Kublinski Hassen reforça que estas medidas servem para preservar a vida das pessoas. 
Estamos pensando na saúde e na vida de vocês. Este vírus veio para matar, ele é muito violento e nós não o conhecemos, tanto que ainda não foi produzida uma vacina que se diga que vai dar certo ou um remédio que possa curá-lo. A única coisa que temos é a prevenção.
 
Secretária de Saúde, Jussara Aparecida Kublinski Hassen, e Agostinho Basso, coordenador da sala de situação da Covid-19 em Irati. Foto: Paulo Henrique Sava