notícias

Cláudio Adão diz que “cobrança do EstaR não tem nada a ver com pandemia”

Cobrança foi retomada no dia 11 de maio, devido à reabertura do comércio iratiense

Secretário de Segurança Pública diz que cobrança do EstaR não tem "nada a ver com a pandemia". Foto: Paulo Henrique Sava
Paulo Henrique Sava

No dia 23 de março, a Prefeitura de Irati determinou o fechamento do comércio por conta da pandemia do Coronavírus. Na ocasião, o prefeito Jorge Derbli (PSDB) solicitou que a Iratran suspendesse a cobrança do Estacionamento Regulamentado (EstaR). Porém, com a reabertura do comércio no início de abril, houve um aumento gradual da quantidade de veículos circulando e estacionando na área central.

Com isso, a cobrança do EstaR foi retomada no dia 11 de maio, pouco mais de um mês depois da reabertura do comércio em 6 de abril. No entanto, alguns ouvintes questionaram os motivos da realização da fiscalização durante o período da pandemia.

Mesmo com a cobrança do EstaR, a circulação de veículos em Irati aumentou neste período de pandemia. Por isto, segundo o secretário de Segurança Pública, Cláudio Adão, não há motivo para a fiscalização deixar de ser feita neste momento.
Não tem nada que nos desobrigue da cobrança.  Por isto eu digo que você que vai estacionar o seu veículo nas ruas onde tem o EstaR, deve colocar o cartão.

O secretário comenta que a cobrança do EstaR não tem qualquer relação com a pandemia de coronavírus.
A cobrança do EstaR nada tem a ver com a pandemia. Nós apenas fizemos aquela parada pelo fato de estar todo o comércio parado. Agora que os comerciantes retornaram, nada mais justo que voltarmos com a cobrança.
Cláudio Adão ressalta que o principal objetivo da retomada da fiscalização é a manutenção da rotatividade de veículos nas vagas de estacionamento em ruas da área central. 
Para mantermos a rotatividade do trânsito, que é o objetivo do EstaR, retornamos com a cobrança. Até então, tínhamos conversado com o prefeito para pararmos, mas como houve este aumento gradativo de veículos e a reabertura do comércio, retomamos a cobrança. Não adianta pararmos e ficarmos sem esta rotatividade nas principais ruas da cidade.