notícias

SESA confirma morte de são-mateuense pelo novo coronavírus

Mulher, de 47 anos, contraiu a doença em Maringá, onde realizou um tratamento não relacionado ao coronavírus

Da Redação

Foto: Jonatan Sarmento/Arte GZH


A Secretaria de Estado da Saúde (SESA) confirmou em seu Informe Epidemiológico divulgado hoje, 28, a primeira morte causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2) na 6ª Regional de Saúde. A moradora de São Mateus do Sul, de 47 anos, morreu no hospital Universitário Regional de Maringá, na Região Norte do Estado.

A secretaria de Saúde de São Mateus do Sul confirmou em seu boletim divulgado na noite de hoje, 28, o primeiro óbito por Covid-19. Na publicação, a secretaria informou que o caso foi diagnosticado na terça, 26, e a morte ocorreu na manhã de quarta-feira, 27. O município também informou que a paciente contraiu a doença em Maringá, onde realizou um tratamento não relacionado ao coronavírus no hospital Psiquiátrico da cidade. O corpo dela foi transladado para São Mateus do Sul, onde ocorreu seu sepultamento na quarta-feira, 27. 


São Mateus do Sul ainda conta com 12 moradores em investigação aguardando resultado do exame laboratorial. Todos estão em isolamento domiciliar. São eles: uma criança de 1 ano, quatro homens de 17, 23, 28 e 39 anos e sete mulheres de 21, 30, 31, 51, 72, 78 e 80 anos. Trinta e seis são-mateuenses estão sendo monitorados em casa. Oitenta casos foram descartados com resultado negativo do exame. Trinta e sete testes rápidos realizados por profissionais de saúde e de segurança pública também descartaram a contaminação.

Boletim de monitoramento de Covid-19 divulgado pela Secretaria de Saúde de São Mateus do Sul nesta quinta-feira, 28. Foto: Divulgação


Hospital Psiquiátrico confirma 85 pessoas infectadas

Em entrevista a reportagem da RIC Record TV de Maringá, o diretor clínico do hospital Psiquiátrico, Paulo Vecchi Abdala, disse que 85 pessoas foram infectadas com a Covid-19 na instituição. Foram 53 pacientes e 32 funcionários diagnosticados com a doença. Segundo Paulo, todos os pacientes e colaboradores passaram a ser testados progressivamente a partir do dia 15 de maio. “Desses casos vale salientar que não ocorreu nenhum óbito no hospital. Cinco pacientes apresentaram casos com um pouco mais de gravidade e foram transferidos para hospitais de maior complexidade e temos todos os outros cerca de 48 internados conosco em tratamento específico”, disse o diretor clínico.

Os testes passaram a ser realizados de forma gradual a partir do primeiro caso notificado que foi de uma paciente de Cascavel considerada assintomática, pois não apresentou sintomas respiratórios que indicassem que ela estivesse infectada. “O hospital testou até o presente momento com recursos próprios 114 funcionários e a secretaria de saúde nos auxiliou com os testes de 21 funcionários. O número atual de colaboradores com teste positivo é 32. Todos se encontram em casa realizando o isolamento domiciliar. Nenhum funcionário necessitou de hospitalização e nós temos uma previsão de receber 80% deles já na próxima segunda-feira, que eles já terão completado o período de quarentena”, enfatiza Paulo. 

Segundo ele, o hospital redobrou os cuidados e adotou algumas medidas para minimizar o surto de coronavírus dentro da instituição. Uma médica infectologista foi contratada no dia 21 de maio. Ela realizou um trabalho educacional com os pacientes e repassou noções específicas aos funcionários de como adotar medidas para conter a doença. 

Paulo avalia que os pacientes psiquiátricos têm uma dificuldade natural para entender e adotar as medidas sanitárias, como a correta higienização e uso da máscara, por exemplo. “Ele acaba sendo um paciente mais trabalhoso sim, mas a nossa equipe está preparada e enfrentando como gente grande o problema”.

O diretor clínico relatou que as visitas foram suspensas na instituição no mês de março e que algumas famílias foram atendidas por médicos neste período com o objetivo de esclarecer dúvidas e amenizar a situação das pessoas que pretendiam saber informações sobre o estado de saúde do paciente. De acordo com Paulo, um pequeno grupo de famílias que procurou o Hospital Psiquiátrico.

“É o 13º dia da epidemia dentro do hospital, alguns números são favoráveis, nós não tivemos nenhum óbito, tivemos apenas cinco transferências, nós conseguimos que alguns pacientes psiquiátricos que estavam em quadro estável e tiveram testagem negativa seguissem para suas residências. Acreditamos que estamos a um passo de controlar o quadro”, avaliou o médico.

“É uma situação séria, grave, mas seguindo o padrão que nós vemos acompanhando no mundo não é muito diferente. É uma pandemia, um vírus que se propaga rapidamente, um paciente uma vez infectado tem a capacidade de transmitir para vários outros. Proporcionalmente acreditamos que estamos na média. Importante que a partir dos casos serem identificados, hospital redobrou os cuidados”, comentou o diretor clínico.