Publicidade Topo

notícias

Rede de Solidariedade e Cuidado presta auxílio a pessoas necessitadas em Irati

Doações de alimentos, produtos de higiene e limpeza, material escolar, livros e máscaras podem ser feitas no CRAS do bairro Lagoa


Banca Solidária está à disposição no CRAS do bairro Lagoa, em Irati. Foto: Cláudia Regina Magnabosco Martins


Paulo Henrique Sava

Em tempos de pandemia do Coronavírus, a solidariedade tem feito a diferença para famílias que estão passando por necessidade em todo o mundo. Em Irati, pessoas que estejam em situação de vulnerabilidade social podem contar com a Rede de Solidariedade e Cuidado. A campanha foi criada para prestar assistência às famílias que perderam sua fonte de renda neste período e estão passando por necessidades. 

A campanha envolve a Central de Apoio e Integração a Projetos e Ações Coletivas, programa de extensão da Unicentro, e o movimento estudantil da universidade. A ideia é suprir as necessidades básicas de alimentação e higiene pessoal da população mais carente do município. Alimentos, produtos de higiene e limpeza, roupas, calçados, máscaras de proteção e material escolar e de literatura estão sendo arrecadados e distribuídos, segundo Milene Aparecida Padilha Galvão, uma das voluntárias do projeto, que, junto com outros artesãos, vem produzindo as máscaras que estão sendo distribuídas. 

“A ideia era abastecer as famílias carentes do município, e juntamente levar algumas coisas que atingissem a cultura das pessoas, na linha da educação, como livros, tinta, papel sulfite para que as crianças possam fazer as atividades em casa e ser abastecidas com material pedagógico. A pandemia não afeta apenas a alimentação e a higiene, que são essenciais, mas enquanto as escolas têm mandado atividades para casa, muitos alunos não têm material para fazê-las. Então a ideia é contribuir um pouco com isto”, frisou. 

Inicialmente, a campanha está sendo desenvolvida no CRAS do bairro Lagoa, em parceria com a Secretaria de Assistência Social do município. Famílias que residem nos bairros de abrangência do CRAS Lagoa e que estejam em situação de vulnerabilidade serão atendidas. As pessoas que queiram fazer doações podem deixar os donativos no local, na Rua Rio Tocantins, 50. “A ideia é de mobilizar e conscientizar as pessoas para fazerem suas doações mínimas que sejam em valor, produtos de higiene ou sacolas de alimentos”, pontuou.

A professora Cláudia Regina Magnabosco Martins, do Departamento de Psicologia da Unicentro, foi a idealizadora. Ela entende que pessoas com melhores condições financeiras e de saúde podem doar tempo, energia, disposição, dinheiro ou bens para quem esteja passando por um momento de fragilidade. 

“É importante cuidar, no entendimento de que todos somos importantes e o cuidado em saúde, cultural, assistencial e humanitário é para todos. Se há possibilidade de formarmos uma corrente, uma rede em que a cada momento em que um de nós precisarmos ser socorridos por outros e ter suporte para um cuidado necessário naquele momento, que possamos fazê-lo”, comentou. 

Cláudia destaca que, em uma situação de pandemia, a solidariedade fica ainda mais evidente por conta da quarentena e das necessidades que foram agravadas pela falta de emprego, de dinheiro, serviços fechados e do suporte público deficiente.

“Isto fica agravado pelas várias dificuldades que as pessoas têm no seu cotidiano e aquelas que vão sendo adquiridas ao longo da crise”, frisou. 

Conforme Cláudia, a Banca Solidária é um espaço para troca de diversos produtos. “É um espaço em que dispusemos roupas, livros para troca, produtos de higiene pessoal, limpeza, alimentos, brinquedos, materiais escolares e para desenhos infantis. É uma banca em que as pessoas podem não só deixar as coisas que vão ser doadas mas também trocar objetos. Quem tiver, pode levar. Por exemplo, se eu tenho um livro, eu posso pegá-lo e levar outro, ler e devolver. As pessoas que tenham necessidades podem retirar os produtos”, afirmou.

A Feira Agroecológica da Unicentro fornece os alimentos que são adquiridos pelos voluntários e repassados para as famílias necessitadas. Além disso, a Associação de Mulheres Artesãs de Engenheiro Gutierrez (AMASEG) está fornecendo sabão líquido e em pedra para a campanha. 

“Estamos apoiando os agricultores na medida em que compramos diretamente dos agricultores os produtos que são doados e eles levam para o CRAS Lagoa. O segundo projeto é da AMASEG, com o sabão ecológico desenvolvido a partir do óleo de soja reutilizado. É uma tentativa de auxiliar também as produções locais e que possamos fortalecer e permanecer com as produções destas pessoas, que também caíram devido à quarentena”, comentou. 

Doações em dinheiro estão suprindo a compra dos alimentos e do sabão. Professores e estudantes da Unicentro estão oferecendo gratuitamente assistência às pessoas durante a quarentena.  Todos eles têm projetos de extensão e estão envolvidos no movimento estudantil de Irati, além de participarem de diversas entidades que desenvolvem atividades coletivas com a população. 

A Central funciona como mediadora entre os projetos e ações coletivas e por isto interage com diferentes instituições de Ensino Superior, Médio e Fundamental e com várias ONG’s e movimentos populares que desenvolvem ações coletivas. “Este momento é de solicitação coletiva, por isto decidimos fazer estas doações”, finalizou. 


Podem ser doados alimentos, produtos de higiene e limpeza, livros, brinquedos, máscaras de proteção, roupas e calçados, que serão destinadas para famílias carentes atendidas pelo CRAS Lagoa. Foto: Cláudia Regina Magnabosco Martins


O que foi arrecadado até agora

No primeiro dia de montagem da Banca Solidária, foram arrecadados batata doce, couve, capim-limão, aproximadamente 50 brinquedos, 2 mil folhas de papel sulfite, cola, canetinhas, lápis de cor e giz de cera (em pequena quantidade), 200 pirulitos, 40 máscaras de proteção, 300 peças de roupas e calçados infantis e de adulto, cerca de 100 peças para bebês (que serão entregues na casa da gestante, e serão distribuídas em kits para mães com gravidez de risco) e 20 livros.

Foram comprados 66 sabões, 70 sabonetes, 64 rolos de papel higiênico, álcool 70% e luvas para os (as) trabalhadoras do CRAS. Os estudantes do DCE também fizeram arrecadações e elaboraram as faixas para o local.

Doações em dinheiro

Doações em dinheiro podem ser feitas nos seguintes locais:

- Centro de Desenvolvimento Humano do bairro Canisianas, localizado na Rua Santos Thomaz, 55, falar com Teresa Cristina todas as terças-feiras em horário comercial

- Feira Agroecológica da UNICENTRO, que durante a pandemia está funcionando na sede da APP Sindicato, na Rua Barão do Rio Branco, 43

 - Atelier Casa Flor Floricultura, localizado no centro, próximo ao Grupo Águia e à fumageira Premium, falar com Edi e Edson.

Quem quiser colaborar mensalmente com o projeto pode acessar o formulário disponível em matéria no site da Najuá.

Mais informações sobre o projeto podem ser obtidas pelo telefone (42) 9 9964-0384 com a professora Cláudia, pelos e-mails centraldeacoescoletivas@gmail.com e revivaunicentro@gmail.com ou ainda pelas páginas do projeto e do DCE da Unicentro no Facebook. 

Fotos: Cláudia Regina Magnabosco Martins