notícias

Estiagem não afeta abastecimento de água em Irati

Situação verificada hoje se deve a investimentos dos últimos anos, é o que conta Lincoln Vergés, gerente do escritório regional da Sanepar, que, apesar disso, pede que a população faça consumo de forma consciente


Texto: Lenon Diego Gauron - estagiário sob  supervisão de Jussara Harmuch
Reportagem: Jussara Harmuch e Paulo Sava

O longo período de estiagem que atinge o Paraná desde junho do ano passado mostra a necessidade de controle no consumo de água. Ainda que o abastecimento esteja normal em cidades que receberam investimentos nos últimos anos, caso de Irati, a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) alerta que pode fazer alterações na distribuição, caso a falta de chuvas persista.
A Sanepar fez nos últimos anos grandes investimentos em Irati e em toda a regional de Ponta Grossa visando melhorar a distribuição, com a ampliação de redes, o aumento de bitolas e também com a capacidade de produção com o aumento de poços e da captação. Irati é uma região privilegiada por ter o Rio Imbituvão, onde as margens do rio são preservadas e isso ajuda a água a ser lançada para o rio gradativamente. Assim nós conseguimos manter um volume de água necessário para manter o atendimento, disse à Najuá o gerente do escritório regional da Sanepar que é localizado em Ponta Grossa, Lincoln Vergés.
Ele conta que ainda não houve a necessidade de se fazer mudanças no sistema de distribuição de água no município, assim como foi feito em outras regiões do estado, incluindo a capital e cidades maiores onde os rios são canalizados e um sistema de rodízio foi implantado. Irati possui poços artesianos que correspondem em 40 % da captação no município. 
Hoje é uma situação muito tranquila [na parte urbana], pois estamos trabalhando em uma condição normal. Caso o Imbituvão, por ser uma captação superficial, venha a ter a sua vazão diminuída por essa estiagem, nós ainda temos o aval para aumentar a produção nos poços, avalia.
Meio ambiente

Aqui o sistema de captação do rio Nhapindazal foi suspenso devido ao assoreamento e a falta de proteção de nascentes. Segundo Vergés, a Sanepar está desenvolvendo na cidade de Cascavel um projeto piloto chamado de Programa de Segurança de Água (PSA) que visa recuperar nascentes e a mata ciliar de rios do município. 
É um projeto piloto para o desassoreamento dos rios, o controle das nascentes próximas, a mata ciliar e a conversa com os agricultores. Então se o programa tiver um bom resultado, com certeza será ampliado para todo o Paraná, afirma, acrescentando que vai ser preciso fazer um gerenciamento do rio, não só captar a água.
Rompimento tubulação

Desta forma, o problema de falta de água em Irati é gerado pela precarização do sistema de tubulações que é muito antigo e precisa urgentemente ser substituído. A população mais afetada é a que vive nos bairros onde, frequentemente, acontecem rompimentos, algumas vezes devido a obras que a prefeitura realiza na pavimentação, outras devido à própria estrutura dos canos.
Os rompimentos que nós temos em nossas redes, muitas vezes são causadas pelas tubulações antigas, construídas na década de 1970 ou até anteriores a isso. Com o passar do tempo elas vão ficando frágeis, perdendo a sua validade e aí elas podem romper. Existe um projeto de substituição de redes antigas através de um sistema não-destrutivo, onde nós faríamos intervenções somente nas esquinas das quadras e aí nós passaríamos por dentro da tubulação um equipamento que vai destruindo a rede antiga e na parte de trás já vem trazendo a tubulação nova, detalhou.

Consumo consciente

De qualquer forma, a população não deve desperdiçar água, orienta o gerente da Sanepar. 
Não lavar calçadas e carro e reaproveitar a água de máquinas de lavar roupas e tanques, a fim de evitar um possível rodízio no abastecimento do município.
Acompanhado por um agente da Sanepar, o repórter Paulo Henrique Sava percorreu os pontos de captação e distribuição de água em Irati, incluindo o sistema do rio Imbituvão e os poços artesianos. Assista no vídeo filmado por ele.