notícias

Covid-19: 1º caso de Irati é de um homem sem comorbidades

Primeiro caso de Irati está relacionado ao morador de Rebouças diagnosticado com a doença. Homem mora no interior do município

Karin Franco, com reportagem de Jussara Harmuch


Foto: Imagem ilustrativa
O primeiro caso de coronavírus (Covid-19) confirmado em Irati, na noite de quinta-feira, 14, é de um homem, sem comorbidades (sem doenças associadas), segundo a secretária municipal de Saúde, Jussara Aparecida Kublinski Hassen. “Ele não tinha comorbidade nenhuma. Ele teve contato com uma pessoa que estava com Covid do município vizinho, afirmou a secretária.

O chefe da 4ª Regional de Saúde, Walter Trevisan, informou que o caso é relacionado ao de Rebouças e já estava sendo monitorado pelo município vizinho. “O município de Rebouças, em contato a Vigilância do município de Irati fizeram essa coleta, e estavam monitorando. Estavam aguardando o resultado saiu na quinta-feira”, disse Walter.

O paciente de Irati procurou atendimento ao sentir os primeiros sintomas. Ele passa bem e está em isolamento social durante 14 dias, sendo monitorado pela Vigilância Epidemiológica.

De acordo com a secretária, haverá intensificação nas ações de prevenção. “Estamos há mais de dois meses nessa intensificação de proteção e prevenção porque a gente sabe que o vírus viria”, relatou Jussara.



A orientação é que a população procure atendimento quando sentir algum sintoma ou ter tido contato com alguém diagnosticado com Covid-19. “Quem tiver com sintomas, por favor nos procure, quanto mais cedo melhor para a gente monitorar”, recomenda Walter.

Transmissão rápida

O caso de Irati não é o único em que houve transmissão entre pessoas que eram conhecidas entre si. Na região, o município de Imbituva é uma das preocupações da 4ª Regional, já que houve contaminação entre os 14 casos confirmados.

O chefe da 4ª regional explica que do primeiro caso, cinco coletas foram feitas para exames de pessoas que tiveram contato. Os cinco exames deram positivo para Covid-19. Depois, outras oito pessoas foram examinadas, sendo sete com teste rápido e um por exclusão epidemiológica. Todos eles foram confirmados, totalizando os 14 casos.

A contaminação é rápida e os sintomas podem levar até uma semana para aparecer. Durante este tempo, o infectado pode transmitir para outras pessoas sem saber que tinha a doença. “Esse caso de Imbituva foi uma pessoa que adquiriu em uma viagem, voltou para Imbituva e fez uma confraternização, que são aqueles problemas que nós estamos colhendo”, avalia Walter.

Em Mallet, também houve transmissão entre os dois casos confirmados. “Em Mallet tivemos dois casos, também na mesma situação, em que a primeira transmitiu para a segunda pessoa”, disse.

Por isso, o alerta para que os cuidados de prevenção e de isolamento social sejam mantidos, especialmente porque jovens podem transmitir para grupos de risco, sem saber. “Outra coisa que vinha acontecendo entre jovens são algumas festas feitas em chácaras, festas em alguns locais. E essas festas, os jovens, às vezes, não estão se cuidando mais. Estão achando que não tem problema, que talvez não estejam em grupo de risco. Todos nós somos grupos de risco se a gente parar para pensar que é uma doença nova. Não se sabe como irá reagir o nosso organismo. Por isso a necessidade de todos nós tomarmos medidas de cuidado”, reforça o chefe da 4ª Regional de Saúde.