notícias

Diocese de Ponta Grossa mantém missas sem a presença de público

Decreto do presidente Jair Bolsonaro coloca atividades religiosas como serviços essenciais, mas decisão federal não influenciará na determinação diocesana

Paulo Henrique Sava


Paróquia Perpétuo publicou campanha para que as pessoas acompanhem as celebrações de casa em suas redes sociais. Foto: Divulgação Facebook
O presidente Jair Bolsonaro publicou um novo decreto que classifica atividades religiosas de qualquer natureza como “serviços essenciais”, desde que sejam obedecidas as determinações do Ministério da Saúde. Desta forma, dá margem para que cultos e missas sejam realizados. O decreto foi publicado no Diário Oficial desta quinta-feira, 26, e não precisa passar por aprovação do Congresso Nacional para ter validade.
No entanto, o novo decreto não terá influência na Diocese de Ponta Grossa, que continuará adotando a celebração de missas sem a presença do público. O padre Athanagildo Vaz Neto, Vigário Judicial do Tribunal Eclesiástico e Chanceler Diocesano, diz que os sacerdotes, reconhecendo seu trabalho como essencial, continuam celebrando missas e prestando apenas atendimentos emergenciais de confissões e aplicação da Unção dos Enfermos. “Como sacerdotes, estamos rezando as missas, celebrando sozinhos. Algumas delas são transmitidas pelas redes sociais e rádios também. Este é o acesso que estamos tendo com as pessoas para manter a espiritualidade acesa, ainda mais neste tempo de quaresma”, comentou.

Encontros de catequese e outros que envolvam aglomeração de pessoas continuam suspensos em todos os 17 municípios da Diocese. Também foram suspensas as novenas e a visita das capelinhas em toda a Diocese. A recomendação dos sacerdotes é para que todos rezem em família. “Rezem em família e entreguem a Deus este momento difícil pelo qual passa a nossa nação e jamais nos esqueçamos da solidariedade, pois muitas pessoas já estão passando por dificuldades financeiras e com relação a alimentos e devemos estar atentos a esta necessidade da nossa comunidade”, frisou.
O reitor do Seminário Menor Mãe de Deus, Padre Hélio Guimarães, reitera que, independentemente de qualquer determinação federal, os sacerdotes aguardam decretos municipais para que uma nova decisão sobre as celebrações e encontros seja tomada pela Diocese.
“Independentemente disso, seguimos com a orientação do Bispo Diocesano de que nós, como padres, intensifiquemos a nossa oração pelo povo e utilizemos deste momento em que estamos sem as celebrações nas comunidades e toda a nossa agenda para evitar aglomerações e perseveremos em orações. Sempre rezamos em vários momentos, mas de maneira particular nesta quarentena temos a oportunidade de ter as orações diante do Santíssimo nas capelas, casas paroquiais, oratórios ou igrejas. Estamos intercedendo pelo povo e celebrando a Eucaristia diariamente”, comentou.
Em Irati e região, você pode acompanhar as transmissões da Santa Missa todos os domingos às 08 horas pela Najuá FM 106,9 direto da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, e às 10 horas pela Super Najuá 92,5 ao vivo da Igreja Matriz Nossa Senhora da Luz.
Durante a homilia de uma celebração realizada na noite desta quarta-feira, 25, em Belo Horizonte (MG) e transmitida pelas redes sociais, o presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), arcebispo Dom Walmor de Oliveira de Azevedo, criticou o decreto de Bolsonaro por “minimizar o que precisa ser realizado por todos”.
“A pandemia do COVID-19 e muitas outras não podem se compor com pandemias de irresponsabilidade, de inconsequências e de falta de sentido humanístico e respeitoso para com a dignidade da pessoa humana”, frisou.
O arcebispo pediu que as pessoas permaneçam acompanhando as celebrações em suas casas. Ele espera que o Poder Executivo apresente um grande projeto de contingência para amparar os mais pobres neste momento de crise.
“Que seja um projeto inteligente para mostrar de fato que a sociedade brasileira cuida dos cidadãos, sobretudo dos que precisam mais, dos vulneráveis, dos mais pobres, garantindo trabalho e sustento para todos. Esperamos do Legislativo a corajosa postura de mostrar com exemplos e intuições propostas concretas de mudanças, sobretudo no testemunho bonito, convocando para a solidariedade”, finalizou.