notícias

SAMU inicia atendimento em Irati e região em 15 dias

Solenidade oficializou o lançamento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência na quinta-feira (30)

Da Redação, com reportagem de Jussara Harmuch. Fotos: Jussara Harmuch e Rafaela Maier
Em solenidade realizada na sede do Corpo de Bombeiros de Irati (3º Subgrupamento do 2º Grupamento) na quinta-feira (30), foi oficializado o lançamento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) no município de Irati. Outros três municípios da região contam com Unidades de Suporte Básico: Imbituva, Inácio Martins e Rio Azul. O atendimento propriamente dito começa dentro de 15 dias, assim que for concluída a fase de treinamento dos profissionais contratados.
Irati conta com duas ambulâncias do SAMU: uma de Suporte Básico e outra de Suporte Avançado. O serviço deve ser acionado através do telefone 192 – que, em princípio, funciona apenas a partir de chamadas via celular. Problemas com a operadora de telefonia impossibilitam, momentaneamente, que a Central receba chamadas de telefones fixos, mas a situação deve ser resolvida em 30 dias. As chamadas, que são gratuitas, vão cair na Central, que fica em Ponta Grossa e, por isso, é importante que o usuário, ao acionar o SAMU, preste informações precisas e detalhadas sobre o endereço onde está a vítima.
O SAMU prestará socorro à população nas casas, locais de trabalho e vias públicas. A equipe é composta por condutor de ambulância, técnico em enfermagem e médico – todos capacitados em atendimento de urgência e emergência.
Na ocasião, foram entregues uma ambulância Unidade de Suporte Avançado (USA) e uma ambulância Unidade de Suporte Básico (USB). A última ainda não tem data para iniciar os atendimentos, pois a entrega, de fato, não tem prazo para acontecer em função de atraso da montadora. “As básicas foram liberadas pelo Ministério da Saúde, mas a montadora ainda não nos entregou, porque foram liberadas muitas e eles estão com um pedido muito grande. Assim que liberarem, vamos buscar as básicas”, disse a secretária de Saúde de Irati, Jussara Aparecida Kublinski Hassen.
O diretor do Consórcio Intermunicipal do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência dos Campos Gerais (CIMSAMU), Jaime Menegoto Nogueira, frisou a necessidade de saber as referências de cada município e a composição da equipe e do compartilhamento da UTI móvel e unidades básicas. “Como é um Serviço Integrado Regional – o Consórcio envolve Estado, Regionais de Saúde, os municípios e a Central de Regulação, de Ponta Grossa – então temos que ter a referência dos municípios, os pontos de atenção de cada município da região. Essa ambulância não vai atender só a Irati, mas a todos os nove municípios da região de Irati e pode ser que atenda a municípios da região de Ponta Grossa, por ser uma ambulância de Suporte Avançado. Temos que ter também uma conversa junto ao Estado, aos municípios e à Central de Regulação, que fica em Ponta Grossa, para podermos organizar a rede e para onde os municípios encaminham seus pacientes. Tudo isso tem que estar muito bem definido”, detalhou.
O chefe da 4ª Regional de Saúde, Walter Henrique Trevisan, salientou que é a Central de Regulação quem determina que tipo de ambulância – se o Suporte Básico ou o Avançado – atende a cada chamado. “A [Central de] Regulação é quem define qual ambulância vai e para onde vai. Com certeza, o SAMU vem para ser uma porta de referência, para um atendimento tranquilo e rápido, mas, para isso, há uma complexidade muito maior”, respondeu, sobre a facilidade de encaminhamento para leitos de UTI que o SAMU pode vir a proporcionar.
O prefeito Jorge Derbli agradeceu ao Corpo de Bombeiros pelo atendimento prestado pelo SIATE que, na ausência de SAMU na região, também se dedicou a casos clínicos durante todo esse período. Derbli salientou a parceria com o 3º SGB, tendo em vista que, nesse primeiro momento, a base das ambulâncias do SAMU será o quartel dos bombeiros. Ele frisou, ainda, o esforço coletivo dos prefeitos dos municípios abrangidos pela 4ª Regional para estender esse serviço e agradeceu a cooperação dos vereadores, que aprovaram os projetos de lei que permitiram a adesão dos municípios ao CIMSAMU.
“Criou-se muita polêmica em torno dos custos que a implantação do SAMU teria aos municípios. Para Irati, por exemplo, o custo será de R$ 140 mil por mês”, afirmou. Desde o ano passado, o município vinha pagando ao CIMSAMU uma taxa administrativa de cerca de R$ 10 mil mensais. A partir da instalação do SAMU na cidade, a taxa de custeio será de aproximadamente R$ 140 mil ao mês e, desde então, no prazo de três a seis meses deve sair a habilitação estadual e federal para a obtenção do recurso para o custeio do SAMU, da ordem dos mesmos R$ 140 mil. No Consórcio, cada município deve pagar conforme o respectivo número de habitantes.
“O SAMU é um serviço que virá para somar. Nossa população terá um atendimento com alcance maior, com ambulâncias básicas em outras cidades. A [ambulância] avançada, com a presença do médico, com certeza fará a diferença no atendimento das ocorrências. Hoje é um dia de grande festa para Irati e para a região, justamente porque estamos olhando com mais carinho essa população que, devido aos poucos recursos disponíveis, anteriormente, acabávamos deixando de atender na nossa região”, analisou a comandante do 3º SGB, tenente Carla Spak Sobol, sobre o avanço que representa a implantação do SAMU.
A tenente frisou, ainda, a relação complementar entre o atendimento prestado pelo SAMU e o prestado pelo Corpo de Bombeiros. “O Corpo de Bombeiros continuará atendendo, como sempre atendeu, com excelência, a Irati e a nossa região, vindo também a somar esse serviço”, afirmou.