notícias

PRTB indica Nelsinho como pré-candidato a prefeito de Irati

Ex-chefe regional da Secretaria de Estado do Trabalho, Emprego e Promoção Social foi candidato a prefeito em 2016 pelo PTB

Da Redação, com reportagem de Rodrigo Zub 

O ex-chefe regional da Secretaria de Estado do Trabalho, Emprego e Promoção Social, Nelson Luiz Antunes (Nelsinho), foi indicado pelo Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB) como pré-candidato a prefeito de Irati nas eleições de 2020. A sigla é a mesma do vice-presidente da República, general Hamilton Mourão. Nelsinho já foi candidato a prefeito em 2016, pelo PTB.

Ouça a entrevista completa com Nelsinho e outros integrantes do Renova Irati no fim do texto

O pré-candidato integra o Movimento “Renova Irati”, que parte da premissa de que a renovação da política nacional começa nos municípios e de que é preciso romper com o modelo político dominado por legendas de elite. Nelsinho destaca que, da eleição anterior, em que concorreu para prefeito, surgiram as amizades com as pessoas que hoje formam o Movimento Renova Irati, que vieram de núcleos que eram opostos e formam um grupo apartidário. Esse grupo é formado por pessoas de vários segmentos profissionais e estuda formar uma chapa majoritária e uma proporcional para concorrer às eleições de outubro.
“Dentro do movimento, temos três coisas que não negociamos: princípios, cargos e contratos. Por isso que vamos fazer campanha sem dinheiro, porque não negociamos essas coisas e, provavelmente, não haver fluxo de dinheiro na nossa campanha”, afirma Nelsinho.
O pré-candidato a prefeito já adianta que uma de suas propostas, caso venha a se confirmar sua candidatura, é a de enxugamento da máquina administrativa, com a redução de 18 para dez Secretarias Municipais – ou de cargos com status de secretário. “Sabemos que alguns cargos que estão ali existem somente para acomodar apadrinhados políticos e isso não é exclusividade de Irati, vamos deixar bem claro. É o nosso sistema político que funciona assim hoje”, comenta.
João Victor Musial, também integrante do Renova Irati, ressalta que o município tem a característica de não ser nem tão grande, nem tão pequeno e que, por suas dimensões, a cidade favorece a campanha porta-a-porta e a abordagem corpo-a-corpo, com interação direta com o eleitor. “Esse tipo de campanha vai fazer a diferença e esse tipo de proposta que estamos buscando. Claro que toda eleição tem custos – contador, advogado para fazer o assessoramento da campanha, material publicitário, santinhos, adesivos. Essa é uma estrutura mínima. A partir do momento que se faz contratação de carro de som ou pessoas para distribuir os santinhos, já foge à identidade do nosso grupo”, acredita.

Proporcionais

Sobre a mudança promovida pela Emenda Constitucional 97/2017, que extingue as coligações proporcionais, Nelsinho avalia que ela é favorável ao propósito de renovação que seu grupo prega. “Antes se formavam os grupos, com o velho e surrado discurso de que naquele grupo não havia nenhum candidato forte e que seria um grupo fácil para se eleger e aí chegava ao último dia de convenção, traziam os vereadores, faziam coligação, pessoal que estava no grupo já tinha feito sua pré-campanha, conversado com os parentes e falado que era candidato, mexia com o brio das pessoas, que acabavam indo para eleger ou reeleger candidatos que estão há anos e anos na política, eleger os candidatos prioritários do grupo político e não da população”, avalia.
O Movimento Renova Irati já está com uma chapa pré-definida para a disputa das eleições proporcionais, com 25 pré-candidatos a vereador. “Sabemos que até o final [das convenções] alguns desistem, mas todos estão no mesmo nível. Não aceitamos que viessem essas pessoas para nosso grupo e convidamos somente gente nova para ser candidato”, observa Nelsinho.
Ainda no que diz respeito ao Legislativo iratiense, o pré-candidato do PRTB aponta que, se fosse confirmado o aumento de cadeiras, que era cogitado, seria reduzido o coeficiente eleitoral. No entender de Nelsinho, isso facilitaria a manutenção dos mesmos políticos no poder. “Facilitaria a vida de quem tem a máquina para fazer campanha, de quem tem os holofotes, as inaugurações de obras e todo o aparato que as faz sair à frente dos demais na campanha”, diz.
João Victor Musial, integrante do Movimento Renova Irati com foco no Poder Legislativo, aponta que um obstáculo que limita a atribuição fiscalizatória de vereadores, deputados e senadores é a formação de grandes blocos de “base do governo” nas três esferas do poder: municipal, estadual e federal. “Como um legislador vai fiscalizar com autonomia, se você já declara, na sua função que é amigo de quem você está fiscalizando? Esse tipo de situação que queremos mudar. Essa é a essência da renovação do movimento”, analisa.

Trajetória

Na última década, Nelsinho teve passagens por outras três legendas. Em 2011, filiou-se ao então recém-criado PSD e era cotado para concorrer ao cargo de vereador em 2012 – a candidatura não se confirmou. Em 2014, migrou para o PMDB e não disputou cargo eletivo. Em 2016, fazia parte do PTB e concorreu ao cargo de prefeito e obteve 820 votos (2,38% dos válidos).

Ouça a entrevista com os integrantes do Renova Irati