notícias

Formação do Centro de Irati teve início a partir de instalação da estrada de ferro

Crônica do engenheiro Dagoberto Waydzik conta detalhes sobre instalação de energia elétrica, construção de prédios públicos, igrejas e outras curiosidades do Centro de Irati
Dagoberto Waydzik/Engenheiro Civil

© Dagoberto Waydzik/Engenheiro Civil

Torres da Igreja Matriz Nossa Senhora da Luz. Ao fundo, casas da área central de Irati

O sonho daqueles migrantes era encontrar um lugar melhor para viver, criar os filhos, trabalhar e realizar um futuro melhor!

Em 20 de novembro de 1855, José Prudêncio Marcondes declarou que era senhor e proprietário dos campos e matos, terras de lavrar, seus logradouros da invernada denominada da Cadeia, no distrito da Vila de Ponta Grossa, pelas divisas abaixo declaradas, cuja propriedade coube-lhe em partilhas no inventário do finado seu pai, o senhor Capitão Domingos Inácio de Araújo, subindo pelo rio da Ribeira acima dividindo-lhe com os herdeiros do campo do Cupim até um espigão além da serra da Ribeira e daí cortando a rumo direito ao rio de Embetuva (Imbituva) e por ele abaixo dividindo com o senhor capitão Matias Gonçalves Guimarães até a barra do rio Ribeira. Neste terreno, que abrange terras dos atuais municípios de Irati, Imbituva e Fernandes Pinheiro, estava o local da futura cidade de Irati. (Livro: Aconteceu nos Pinhais, de José Carlos Veiga Lopes – 2007, página 452).

Emilio Baptista Gomes, disse no Jornal Correio do Sul, em 10/12/1939 que: “Em 1899, quando em construção a estrada de ferro São Paulo – Rio Grande, no mês de maio, achavam-se as turmas de avançamento fazendo assentamento de trilhos nas immediações do logar conhecido como Covalzinho, exatamente onde se acha assentada a progressista cidade Iraty. (...) A inauguração da estação Iraty deu-se em 1899, foi nomeada assim por João Visinoni, um dos técnicos responsáveis pela construção da ferrovia. Com o crescimento no entorno da estação e ao longo da linha férrea, o Covalzinho teve seu nome substituído por Iraty. A ferrovia trouxe comerciantes e profissionais liberais, que se aventuravam no povoado em formação, entre eles estavam Braz Calderari, Miguel Chuchene, Manoel José Nestal, Júlio Vieira Lisboa, Francisco Ribeiro de Macedo, Manoel de Vasconcelos Souza, Benedicto de Morais e Pedro Laurentino do Bonfim. Alguns construtores da ferrovia também fixaram residência próximo à estação. Entre eles, João Galiciolli, Cândido Cordeiro, Antonio Budel e Basílio Floriani. (Livro: Irati 100 Anos, de Audrey Farah, Chico Gil, Silvio Philippi – 2008).

© Dagoberto Waydzik/Engenheiro Civil

Prédio que foi reformado em frente à prefeitura de Irati, que foi cedido ao Corpo de Bombeiros para funcionar como sede administrativa
Quer receber notícias pelo WhatsApp?

PUBLICIDADE

O centro da cidade de Irati iniciou onde estão hoje as ruas XV de Novembro, Coronel Grácia, Coronel Emilio Gomes, Liberdade, Operários, Coronel Sabóia e Coronel Pires, dentre outras.

Na rua dos Operários, instalado próximo à Estação da Estrada de Ferro, ficava um dos primeiros hotéis de Irati, o Hotel Veiga, mais tarde Hotel Estrela e, hoje residência desse autor e sua família.

A cronologia dos acontecimentos e construções em Irati é uma viagem no tempo e no espaço da cidade. Segundo pesquisa publicada no livro “Irati 100 anos” de Audrey Farah, Chico Guil e Sílvio Philippi – 2008, Editora Arte, seguem os fatos descritos: o primeiro livro do Cartório Lisboa foi em 1904; a fundação do Iraty Sport Club deu-se em 21/04/1914 na avenida Vicente Machado; a vinda da energia elétrica ocorreu em 08/12/1918; a fundação do Cine Theatro Central , na rua XV de Novembro, ocorreu em 28/08/1920; a fundação da Sociedade da Liberdade (Escola e Clube Polonês) foi em 22/09/1921, na rua Coronel Grácia; a fundação da Loja Maçônica União e Progresso, na rua Coronel Emílio Gomes, ocorreu em 16/04/1922; a fundação do Clube do Comércio, na rua XV de Julho, ocorreu em 26/08/1924; em 09/01/1927 ocorreu a fundação do Centro Espírita Jesus e Maria, na rua Alfredo Bufren; em 08/10/1939 foi inaugurado o Hospital de Caridade São Vicente de Paulo, no alto da rua XV de Novembro; o Grupo Escolar Duque de Caxias foi inaugurado em 07/10/1939, na esquina das ruas Coronel Grácia com Coronel Pires; a primeira quadra de calçamento com paralelepípedo foi inaugurada na rua Munhoz da Rocha entre as ruas XV de Novembro e XV de Julho, ocorreu em 15/07/1940; Em 19/09/1941 foram iniciado os serviços de implantação de rede de água e esgotos na cidade de Irati, uma das primeiras cidades do Paraná a fazer tais serviços; o Ginásio Irati foi inaugurado em 20/03/1940, situado na rua Marechal Deodoro; em 1941 ocorreu a criação da Companhia Força e Luz de Irati; no alto da rua 24 de Maio; em 08/12/1948 foi assinado a criação do Corpo de Bombeiros de Irati; em 1950, instalou-se o Ginásio Estadual São Vicente de Paulo; a primeira capela dedicada a Nossa Senhora da Luz ocorreu em 1904, onde hoje situa-se a Agência dos Correios; a atual Igreja Nossa Senhora da Luz foi terminada em 1952; a Igreja São Miguel foi concluída em 1942; a Igreja Imaculada Coração de Maria (Ucraniana) foi inaugurada em 24/06/1954; o Colégio Nossa Senhora das Graças, situado na rua 19 de Dezembro, foi inaugurado em 1937; em 1963 ocorreu a inauguração do prédio da Sociedade Moageira Agrícola, na rua da Liberdade; em 1965, na rua Expedicionário José de Lima, foi inaugurado o Templo da Igreja Assembleia de Deus; em 1957 foi instalada a Agência dos Correios em Irati, na Praça da Bandeira; o Asilo Santa Rita foi instalado em 1957, na rua Santos Thomaz; a Casa Choma, na rua Munhoz da Rocha, no ano de 1957; a nova sede do Clube Polonês, em 12/11/1960, na esquina das ruas Coronel Grácia com Liberdade; a Estação Rodoviária, na rua Dona Noca, em 1968; a sede da Apae, na rua Doutor Correia, em 1968; a Banca do Cavalin, na esquina das ruas XV de Julho com Doutor Munhoz da Rocha, em 1970; o Hospital Novo, na rua Zeferino Bittencourt, em 24/08/1974; a sede própria da Polícia Militar, somente em 1970, no antigo prédio da Prefeitura e depois da Câmara Municipal de 1927 a 1964), na esquina das ruas Coronel Emilio Gomes com Munhoz da Rocha; dentre outras tantas edificações.

A delimitação do centro é definida pelo Rio das Antas, e pelas ruas Lino Esculápio, 19 de Dezembro, Zeferino Bittencourt, Coronel Pires, Marechal Deodoro, Conselheiro Zacarias, Linha Férrea, e novamente Rio das Antas. Perfaz uma área de 1,68 quilômetros quadrados.

Assim, se fez uma viagem no tempo e no espaço do centro da cidade de Irati.

© Dagoberto Waydzik/Engenheiro Civil

Colégio Estadual São Vicente de Paulo, em Irati
© Dagoberto Waydzik/Engenheiro Civil

Imagem de Nossa Senhora das Graças no Morro da Santa