notícias

Estudantes da Unicentro proporcionam atividades para alunos de escolas municipais no Parque Aquático

Projeto proporcionou atividades culturais e de lazer para alunos da rede municipal de ensino na última terça-feira, 12

Paulo Henrique Sava 

Estudantes dos cursos de Pedagogia e Educação Física da Unicentro proporcionaram momentos de cultura e lazer para alunos de três escolas do município na última terça-feira, 12. Eles realizaram diversas atividades e tiveram a oportunidade de contar um pouco da história do Parque Aquático para crianças das escolas Ana Amaral Gruber, Tancredo Martins e Plínio Anciutti Pessoa durante todo o dia. O projeto teve o apoio das secretarias municipais de Educação, Cultura, Patrimônio Histórico e Legado Étnico e de Desenvolvimento Econômico. 
Foram elaboradas cinco oficinas práticas a partir de conteúdos trabalhados na disciplina de Teoria e Metodologia do Ensino de História e Geografia do curso de Pedagogia e no currículo do curso de Educação Física da universidade. Em uma delas, a história do Parque foi contada através de contos. Depois, os alunos  passearam de trenzinho, orientados pelo pesquisador José Maria Gracia Araújo. Os acadêmicos elaboraram também um álbum de fotos antigas e atuais do cartão postal de Irati. As imagens foram expostas em um varal ao lado do Pavilhão de Exposições João Wasilewski. 
As crianças também puderam assistir a um documentário produzido em 2005 com o ex-prefeito Alfredo Van Der Neut, idealizador do Parque e responsável por sua inauguração em 1989. Depois, os alunos tiraram fotos que serão publicadas em um álbum que será oferecido para as escolas participantes. As crianças participaram das oficinas “Caça ao Tesouro”, oficina de pipas e de práticas corporais utilizando o espaço do Parque. 
A professora Käite Zilá Wrobel Luz, coordenadora do projeto, comenta que um dos principais objetivos das atividades foi de valorizar o Parque Aquático como ponto turístico de Irati. “Caminhamos todos os finais de semana aqui no Parque e vemos a importância deste espaço para a comunidade. Tem pessoas de fora que interagem e vivenciam este espaço tão importante para a cidade. Muitas vezes os próprios munícipes não têm esta oportunidade”, frisou. 
Käite analisa que o trabalho foi importante para os alunos conhecerem a história de um dos cartões postais de Irati. A professora avalia que as atividades representaram uma oportunidade para os acadêmicos colocarem em prática os conhecimentos de sala de aula. “É importante para os futuros professores e pedagogos estar dentro da realidade escolar, vivenciando na prática as situações de formação para eles”, destacou.   
A coordenadora da Secretaria Municipal de Educação, Dione Antunes, analisou a parceria entre o Poder Público e a universidade neste projeto de forma positiva. “Ficamos muito felizes e a criançada mais ainda. Esta parceria tem que se fortalecer, aproveitar este lugar bonito que temos à disposição na cidade. O Parque está cada dia mais lindo e a criançada está aproveitando isto. Os pequenos não conhecem esta história e nem eu conhecia, pois minha família é de Rebouças. Vemos o quanto foi importante esta iniciativa de um ponto de encontro, de lazer, onde todo mundo se sente bem, é tudo de bom”, ressaltou. 

Parque Aquático completa 30 anos 

O Parque Aquático de Irati foi inaugurado há 30 anos, em 1989, durante a gestão do então prefeito Alfredo Van Der Neut, atual secretário de Cultura, Patrimônio Histórico e Legado Étnico. Ele ficou emocionado ao ver como as crianças ficaram admiradas com a história do local e comentou que as visitas têm sido constantes. “Nós temos o Parque Aquático exatamente para que as pessoas de Irati se utilizem dele, pois é uma praça pública vista com bons olhos por todos por ser um local agradável”, frisou.
Alfredo enalteceu os cuidados que a população vem tendo com o Parque desde o início da revitalização, no ano passado. O secretário acredita que, desta forma, o Parque poderá durar ainda por muitos anos. Ele destaca que o local se tornou um dos maiores atrativos de Irati. 
“A população ‘vestiu a camisa’ junto, e assim temos feito aos domingos. Quem vem aqui se surpreende por ver, mesmo sem atividade específica, 2 ou 3 mil pessoas circulando pelo Parque, algumas com cadeiras de praia para fazer seus piqueniques nos finais de tarde, outras se reunindo para tomar um chimarrão e fazer um bate-papo, e é isto que queremos. Fico feliz de ver o Parque completando seus 30 anos com muita alegria”, finalizou.